Dono do Praia no Parque e Grupo NIU investiu cerca de 1,3 milhões para comprar 2% da TVI

Nuno Santana, dono da empresa de eventos NIU e do restaurante Praia no Parque, acaba de comprar uma participação num consórcio acionista da Media Capital e com isto fica indiretamente com 2% da dona da TVI. O empresário que viu a sua atividade praticamente fechar com o Covid-19 explica ao JE o racional do investimento na TVI, que segundo as nossas contas ronda os 1,3 milhões.

Um dos novos acionistas da TVI é Nuno Santana, CEO do grupo NIU – grupo especialista na organização de eventos e marketing –, e um dos donos do Grupo Praia, que detém os restaurantes Praia no Parque, Praia na Villa e Praia – Sea, Salt & Pepper. O empresário fica indiretamente com cerca de 2% do capital da dona da TVI e em declarações ao Jornal Económico explica o investimento na Media Capital que fez a título pessoal.

O valor do investimento não foi divulgado, mas tendo em conta o preço a que a Prisa vendeu os 64,47% da Media Capital, em setembro, por 36,85 milhões, os cerca de 2% de Nuno Santana representariam um investimento de cerca de 1,3 milhões de euros.

No entanto, a capitalização bolsista da Media Capital SGPS está nos 169 milhões de euros, o que avalia os cerca de 2% em 3,3 milhões, a preços de mercado.

“Ao longo dos últimos 8 anos a NIU tem desenvolvido vários projectos com a Media Capital, inicialmente o MEO Spot e nos últimos quatro anos a feira Wonderland [no Parque Eduardo VII]. Acredito por isso no grupo e no seu potencial, acredito na marca TVI e nas diversas marcas do Grupo Media Capital”, diz Nuno Santana. O empresário diz ainda ao Jornal Económico que se tratou de um investimento que faz sentido para a atividade da NIU. “É uma estratégia de negócio” realça o CEO do grupo de eventos, que com a entrada na TVI está já a olhar para o futuro pós-pandemia.

O Grupo Media tem os canais de televisão TVI, TVI24, TVI Ficção, TVI Reality e TVI Internacional. Tem ainda a MCR, o grupo de rádio onde se incluem a Rádio Comercial, a M80, a Cidade, a SmoothFM e a VodafoneFM e mais 14 rádios digitais; e a Media Capital Digital (onde se inclui o portal IOL e o TVI Player). O Grupo “tem também a Plural Entertainment uma das maiores produtoras ibéricas de conteúdos audiovisuais (vencedora de dois Emmys Internacionais em 2010 e 2018), bem como a EMAV empresa de prestação de serviços técnicos e de captação de imagem, e a EPC empresa de construção e aluguer de cenários, ambas com operação junto de diversos players no mercado nacional e Europeu”, lê-se no site do Grupo Media Capital.

Este investimento da holding pessoal de Nuno Santana ocorre numa altura em que a NIU, uma das maiores empresas de eventos, e o Grupo Praia que junta restauração e entretenimento, foram especialmente afetados pela pandemia do Covid-19 e pelas medidas decretadas pelo Governo para tentar travar a propagação do coronavírus.

O responsável por eventos como a feira de natal Wonderland no Parque Eduardo VII; o Arena Portugal (fun zone do Mundial no Terreiro do Paço/Parque Eduardo VII, Alameda); a organização de várias edições do mega Picnic do Continente; o MEO Spot em Portimão, entre muitos outros conceitos na área do entretenimento, restauração e eventos, viu a sua atividade de organização de eventos praticamente parar com a crise da pandemia.

Nuno Santana faz parte do consórcio Biz Parners que detém 10.118.339 ações do capital da Media Capital desde 2 de novembro, correspondente a uma participação qualificada de 11,9725% no capital social e direitos de voto da dona da TVI. A entrada da holding do empresário do Praia no Parque foi comunicada à CMVM na passada sexta-feira.

A entrada de Nuno Santana surge depois da acionista Hiper Go ter reduzido a sua participação no capital social, uma vez que, no passado dia 23 de novembro, alienou 20.000 ações à Publithings, a holding pessoal  do dono e CEO da NIU, uma das maiores empresas de eventos, e acionista e responsável pelo Grupo Praia que junta restauração e entretenimento

Assim, a Biz Partners que detém cerca de 12% da Media Capital, dona da TVI, é actualmente detida por várias entidades. Sendo 16,7049% da Biz Partners detido pela Publithings – uma sociedade unipessoal de Nuno Santana, CEO do grupo de eventos NIU e que, em conjunto com outros sócios, é dono do Grupo de restaurantes Praia.

Isto faz com que a percentagem acionista de Nuno Santana – conhecido como empresário de restauração e eventos, e por ser a cara do spot lisboeta restaurante Praia no Parque – na dona da TVI ronde os 2%, indiretamente.

Também com 16,7049% da Biz Partners surge a Hiper Go, que tem como beneficiário efectivo Miguel Osório Araújo (ex-administrador da Sonae). Depois há 16,7049% da Biz Partners detido pela IBG – International Business Group Portugal (Madeira) que tem como beneficiário efectivo Isabel Araújo Rodrigues de Sá.

A Biz Partner é ainda detida em 16,7049% pela Castro Group, que tem como beneficiário efectivo Paulo Pereira de Castro; em 16,4753% pela Capitais Privados, que tem como beneficiário efectivo João de Barros; em 8,3525% pela Regimidia, também uma sociedade unipessoal de António Mateus Antunes (conhecido como Tony Carreira); e em 8,3525% pela Benecar, Automóveis, que tem como beneficiário efectivo Nuno Grosa Faustino da Silva.

Desta forma, a Hiper Go detém cerca de 2% da Media Capital, tal como a IBG, o Castro Group e a Publithings. A Capitais Privados controla 1,97% e a Benecar e Regimidia, do cantor Tony Carreira, detêm 1% cada.

O consórcio que tem cerca de 12% da Media Capital é assim composto também por um conjunto de empresários, maioritariamente do norte.

Em 4 de setembro o grupo espanhol Prisa, através da Vertix SGPS, anunciou a venda da totalidade (64,47%) da sua posição na dona da TVI a vários investidores, por 36,85 milhões de euros.

Em 25 de novembro, a Pluris Investments, de Mário Ferreira, lançou uma Oferta Pública de Aquisição (OPA) geral obrigatória sobre 69,78% da Media Capital, sendo que a contrapartida nunca será inferior a 67 cêntimos por ação, segundo o anúncio preliminar, “dando assim cumprimento à determinação” da CMVM.

Está também a decorrer uma outra OPA, lançada pela Cofina.

Praia no parque: O Parque Eduardo VII já merecia um restaurante assim

Relacionadas

Nuno Santana: “Na área da restauração e eventos o novo lucro é zerar”

Nuno Santana, empresário na indústria de Eventos (através da NIU) e de Restauração (através do Grupo Praia), em entrevista ao Jornal Económico, explica como é que está a gerir o pós-confinamento e como é que perspetiva o futuro próximo de duas das áreas mais afectadas pela pandemia. Sobre o dinheiro que vem da Europa, defende que “é muito importante que esse dinheiro chegue às PME e não apenas às grandes empresas”.

Praia no Parque abre barra de Sushi, de Saladas e Tapas para o almoço

O Praia no Parque tem agora uma carta, desenhada em exclusivo para a zona da barra, com sushi, saladas e tapas. Mas só para o almoço e ‘happy hour’ até às seis da tarde.
Recomendadas

O principal desafio para o sector das pescas é tecnológico

O presidente da Associação dos Armadores de Pesca Industrial diz que a frota precisa de um salto tecnológico que a União Europeia deveria impor e apoiar quanto antes.

Desenvolvimento tecnológico vai marcar segurança privada

Na lista das 10 tendências identificadas pela associação norte-americana de segurança, e que constam do seu último relatório, todas têm uma base tecnológica e metade respeitam a esta integração entre vídeo e software, com destaque para as ferramentas de reconhecimento facial.

PremiumMário Palhares: “BNI e Finibanco Angola continuam empenhados em encontrar uma solução”

O processo de venda do Finibanco Angola a Mário Palhares do Banco BNI, acordado em 2015, acabou. Mas o CEO do banco angolano garante ao JE que o BNI e o Finibanco continuam empenhados em encontrar uma solução.
Comentários