Dormidas de turistas estrangeiros em Portugal caíram 76% este verão

Já as dormidas de turistas nacionais recuaram 12% entre julho e setembro.

O setor do turismo em Portugal registou uma quebra de 53,4% no número de dormidas, o equivalente a 3,6 milhões de dormidas no mês de setembro, o que correspondeu a um aumento de 6,3% pontos percentuais (p,p) face ao verificado em agosto, de acordo com os dados da atividade turística publicados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) esta segunda-feira, 16 de novembro.

Por sua vez, o número de hóspedes foi de 1,4 milhões de hóspedes o que correspondeu a -52,7% face aos 43,6% verificados no mês anterior. e As dormidas de residentes diminuíram 8,5% (-1,5% em agosto) e as de não residentes recuaram 71,9% (-72,4% no mês anterior).

Os proveitos totais registaram uma variação de -59,2% (-48,7% em agosto), fixando-se em 204,8 milhões de euros. Os proveitos de aposento atingiram 155,0 milhões de euros, diminuindo 59,5% (-49,0% no mês anterior). Em setembro, 24,0% dos estabelecimentos de alojamento turístico estiveram encerrados ou não registaram movimento de hóspedes (22,8% em agosto).

No terceiro trimestre, as dormidas totais diminuíram 55,7% (-12,0% nos residentes e -76,3% nos não residentes), depois de no 2º trimestre terem recuado 92,5% (-78,0% nos residentes e -98,1% nos não residentes) e no primeiro trimestre terem registado um decréscimo de 18,3% (-12,2% nos residentes e -21,0% nos não residentes).

No que às dormidas de residentes diz respeito, todas as regiões registaram descidas com as menores diminuições a serem verificadas no Alentejo (-20,9%), Centro (-40,5%) e Algarve (-44,8%). As maiores reduções foram na Área Metropolitana de Lisboa (-71,8%), Região Autónoma dos Açores (-66,3%) e Região Autónoma da Madeira (-66,2%).

O Algarve concentrou 40,0% das dormidas, seguindo-se o Norte (15,9%) a AML (14,4%) e o Centro (13,0%). No conjunto dos primeiros nove meses do ano, as regiões que apresentaram menores diminuições no número de dormidas foram o Alentejo (-36,4%), Centro (-50,4%) e Norte (-56,5%).

Olhando para as nacionalidades de dormidas de não residentes, as maiores reduções registaram-se nos mercados norte americano (-95,6%), chinês (-94,9%), canadiano (-94.8%) e irlandês (-91,7%), enquanto os mercados belga (-49,6%), dos Países Baixos (-51,1%), espanhol (-51,8%) e suíço (-55,2%).

Contudo, desde o início do ano, todos os principais mercados registaram descidas expressivas, superiores a 60%, com maior enfoque nos mercados irlandês (-89,5%), norte americano (-85,4%), polaco e chinês (-78,5% em ambos).

Ler mais
Recomendadas

“Sobreviver a Pão e Água”. “Centenas” de membros do movimento dispostos a regressar à greve de fome se Governo não aprovar medidas exigidas

Movimento diz que Governo disse que iria apresentar em breve várias das medidas por si exigidas. Se até dia 11 de dezembro, não apresentar as restantes medidas ameaçam que com o regresso à greve de fome em frente ao Parlamento e por todo o país, com “mais de uma centena de pessoas”.

Sindicato denuncia que Ryanair se prepara para despedir 23 tripulantes no Porto enquanto abre processo de recrutamento

O SNPVAC denuncia que, ao mesmo tempo que a companhia aérea avança para o despedimento coletivo, já está a realizar cursos para novos tripulantes “violando grosseiramente o Código de Trabalho”, segundo o sindicato.

Costa adia anúncio de medidas de apoio para as rendas do comércio e da restauração

A 21 de novembro, o primeiro-ministro anunciou que as medidas de apoio para as rendas de lojas e restaurantes seria anunciada nos dias seguintes. Passados 15 dias, o Governo ainda não anunciou os apoios e adiou para a próxima semana.
Comentários