Dow Jones recupera os 27.000 pontos e anima Wall Street

A Apple foi a estrela da sessão ao subir 3,18% depois de ontem ter apresentado os novos iPhone 11 e pela primeira vez, um iPhone a que chama Pro e que é o modelo mais avançado, com três câmaras. “Os fornecedores da Apple na Ásia estão a reagir positivamente aos novos produtos apresentados ontem, que segundo a Morgan Stanley podem ditar uma melhoria da procura na segunda metade do ano”, dizem analistas.

Traders work on the floor of the New York Stock Exchange (NYSE) shortly after the opening bell in New York, U.S., January 5, 2017. REUTERS/Lucas Jackson

A Apple foi a estrela da sessão ao subir 3,18% depois de ontem ter apresentado os novos iPhone 11 e pela primeira vez, um iPhone a que chama Pro e que é o modelo mais avançado, com três câmaras. Os smartphones custam uma pequena fortuna, com o modelo mais caro a custar 1.679 euros.

O Dow Jones recuperou o marco dos 27  mil pontos ao valorizar 0,85% para 27.137,040 pontos. O S&P 500 subiu 0,72% para 3.000,93 pontos e o tecnológico Nasdaq disparou 1,06% para 8.169,7 pontos.

Pela negativa destacou-se o fornecedor de videogame GameStop que caiu 9,8% depois de apresentar resultados abaixo das expectativas. Além disso, a Amazon subiu 0,1%, apesar de ter sido publicado que a FTC (Comissão Federal de Comércio) está a investigar o mercado de vendedores em outsourcing da empresa para determinar se estão a usar o seu poder de mercado para prejudicar a concorrência. Os investigadores querem saber o grau de dependência dos fornecedores que abastecem o marketplace da empresa.

A marcar o mood dos investidores está a notícia de que a China prepara medidas para atenuar o impacto das tarifas está a ser bem recebida pelo mercado. De resto olhando para o setor tecnológico, vê-se que as fabricantes asiáticas responderam bem aos produtos apresentados pela Apple.

Segundo o analista do BCP, Ramiro Loureiro, “os fornecedores da Apple na Ásia estão a reagir positivamente aos novos produtos apresentados ontem, que segundo a Morgan Stanley podem ditar uma melhoria da procura na segunda metade do ano”.

“Um dos pontos de destaque vai para a estratégia mais agressiva de pricing da Apple, com o iPhone 11 (-50 dólares do que o iPhone XR aquando o seu lançamento) a trazer sinais positivos para a cadeia de fornecimento LCD. Na Europa, fabricantes como a AMS, Infineon, STMicro, Dialog e IQE merecem destaque”, diz o analista do Millennium BCP.

O mercado animou depois de descontar que a China e os Estados Unidos negociarão novamente para resolver a sua guerra comercial. Embora o mercado também valorize os sinais de desaceleração económica que a economia global envia, os índices de Nova Iorque continuam a subir.

O mercado desconta já que, na reunião da próxima semana, o banco central americano anunciará uma nova redução de taxa de 25 pontos base.

O petróleo West Texas está em queda. Desceu 2,46% no NYMEX para 55,99 dólares o barril. Também o Brent em Londres caiu 2,12% para 61,06 dólares.

Ler mais

Recomendadas

BCP, CTT, Jerónimo Martins e EDP pressionam PSI 20

Na bolsa portuguesa, nove empresas cotadas valorizam, quatro desvalorizam e cinco negoceiam sem variação. Em terreno positivo, destaque para a Altri, que acelera 3,01%, para 6,33 euros.

Topo da agenda: o que não pode perder na economia e nos mercados esta semana

Christine Lagarde poderá anunciar o início formal da revisão estratégica do BCE depois da reunião de quinta-feira. A semana ser marcada pelo World Economic Forum em Davos e pela época de resultados em Wall Street.

“Problemas no setor de aviação convertem-se em oportunidades”, considera CEO da EuroAtlantic

Quais os grandes desafios que o setor da aviação vai ter que ultrapassar? Eugénio Fernandes, CEO da EuroAtlantic, esclarece que a empresa funciona em contraciclo com o mercado e que os problemas no setor convertem-se em oportunidades. Quanto aos problemas, este responsável aponta a falta de pessoal como questão a ultrapassar.
Comentários