Dow Jones recupera os 27.000 pontos e anima Wall Street

A Apple foi a estrela da sessão ao subir 3,18% depois de ontem ter apresentado os novos iPhone 11 e pela primeira vez, um iPhone a que chama Pro e que é o modelo mais avançado, com três câmaras. “Os fornecedores da Apple na Ásia estão a reagir positivamente aos novos produtos apresentados ontem, que segundo a Morgan Stanley podem ditar uma melhoria da procura na segunda metade do ano”, dizem analistas.

Traders work on the floor of the New York Stock Exchange (NYSE) shortly after the opening bell in New York, U.S., January 5, 2017. REUTERS/Lucas Jackson

A Apple foi a estrela da sessão ao subir 3,18% depois de ontem ter apresentado os novos iPhone 11 e pela primeira vez, um iPhone a que chama Pro e que é o modelo mais avançado, com três câmaras. Os smartphones custam uma pequena fortuna, com o modelo mais caro a custar 1.679 euros.

O Dow Jones recuperou o marco dos 27  mil pontos ao valorizar 0,85% para 27.137,040 pontos. O S&P 500 subiu 0,72% para 3.000,93 pontos e o tecnológico Nasdaq disparou 1,06% para 8.169,7 pontos.

Pela negativa destacou-se o fornecedor de videogame GameStop que caiu 9,8% depois de apresentar resultados abaixo das expectativas. Além disso, a Amazon subiu 0,1%, apesar de ter sido publicado que a FTC (Comissão Federal de Comércio) está a investigar o mercado de vendedores em outsourcing da empresa para determinar se estão a usar o seu poder de mercado para prejudicar a concorrência. Os investigadores querem saber o grau de dependência dos fornecedores que abastecem o marketplace da empresa.

A marcar o mood dos investidores está a notícia de que a China prepara medidas para atenuar o impacto das tarifas está a ser bem recebida pelo mercado. De resto olhando para o setor tecnológico, vê-se que as fabricantes asiáticas responderam bem aos produtos apresentados pela Apple.

Segundo o analista do BCP, Ramiro Loureiro, “os fornecedores da Apple na Ásia estão a reagir positivamente aos novos produtos apresentados ontem, que segundo a Morgan Stanley podem ditar uma melhoria da procura na segunda metade do ano”.

“Um dos pontos de destaque vai para a estratégia mais agressiva de pricing da Apple, com o iPhone 11 (-50 dólares do que o iPhone XR aquando o seu lançamento) a trazer sinais positivos para a cadeia de fornecimento LCD. Na Europa, fabricantes como a AMS, Infineon, STMicro, Dialog e IQE merecem destaque”, diz o analista do Millennium BCP.

O mercado animou depois de descontar que a China e os Estados Unidos negociarão novamente para resolver a sua guerra comercial. Embora o mercado também valorize os sinais de desaceleração económica que a economia global envia, os índices de Nova Iorque continuam a subir.

O mercado desconta já que, na reunião da próxima semana, o banco central americano anunciará uma nova redução de taxa de 25 pontos base.

O petróleo West Texas está em queda. Desceu 2,46% no NYMEX para 55,99 dólares o barril. Também o Brent em Londres caiu 2,12% para 61,06 dólares.

Ler mais
Recomendadas

Wall Street em queda ligeira com investidores à espera de Powell

Maioria dos analistas e dos mercados antecipa que o Federal Open Market Committee (FOMC) deverá anunciar um novo corte de 25 pontos base na federal funds rate para um intervalo de 1,75% a 2%.

Novo mínimo: Portugal emite dívida a curto prazo às taxas mais negativas

Portugal pagou -0,44% para emitir mil milhões de euros em dívida a 12 meses, que compara com os -0,431%, no último leilão comparável em julho.

Bolsa de Lisboa em terreno negativo. Bolsas europeias em alta à espera de decisões da Fed

Os mercados vão estar atentos às decisões que vão sair hoje da reunião da Reserva Federal norte-americana, com os analistas a preverem que a Fed anuncie um novo corte na taxa diretora para 1,75%-2%.
Comentários