Dr. Bayard produz um milhão de rebuçados peitorais na época alta

A empresa portuguesa de raiz familiar já vai na terceira geração e está rodeada de um segredo que vem desde 1944.

A empresa portuguesa da conhecida marca de rebuçados peitorais Dr. Bayard já atinge uma produção à volta de um milhão de rebuçados por dia na época alta, entre o outono e a primavera.

É um novo marco de desempenho da empresa familar que já vai na terceira geração e que está rodeada de um segredo que vale milhões.

“Em 1944, um médico francês ofereceu a Álvaro Matias, merceeiro e seu amigo do peito, uma lata de metal. Uma lata como forma de agradecimento: durante a Segunda Guerra Mundial, o médico viu-se obrigado a encontrar refúgio em Lisboa e foi Álvaro que o ajudou durante todo esse período. Essa lata guardava um presente, uma receita de rebuçados medicinais para a tosse e dor de garganta. Anos mais tarde, em 1949, Álvaro teve a lata de transformar aquele presente no seu futuro. Nasciam assim os rebuçados Dr. Bayard”, destaca um comunicado da empresa.

Segundo esse documento, “mais do que um rebuçado, a Dr. Bayard são anos de histórias e de ligações familiares que se juntam num papel de embrulho que sabe a nostalgia”.

No mês em que se assinala o Dia Mundial dos Avós, hoje dia 26 de julho, a marca de rebuçados lança uma nova campanha que pretende ser uma homenagem a todos os avós, uma das populações que mais sofreu de isolamento durante a pandemia.

“Agora, com quase 95% dos portugueses com mais de 65 anos vacinados, já é possível voltarmos a pensar no reencontro com os nossos avós, sendo que o facto de termos sidos obrigados a estar longe deles durante tanto tempo, deve fazer-nos valorizar ainda mais a sua importância. Por isso, é urgente e responsabilidade de todos, incluindo da Dr. Bayard, voltar a acarinhar aqueles que ao longo de mais de um ano se sentiram mais sós do que nunca” , sublinha Daniel Matias, neto do fundador da empresa.

Para assinalar a data do Dia Mundial dos Avós, a Dr. Bayar lançou uma campanha publicitária e entrou no mercado com novas latas personalizadas de 200 gramas de rebuçados, inspiradas na embalagem original que o refugiado francês Dr. Bayard deixou a Álvaro Matias, em 1944.

 

 

Recomendadas

PremiumPortugal na Expo Dubai: Chakall vai promover comida lusitana no Golfo Pérsico

Nasceu em Tigre, na Argentina, mas está há cerca de 20 anos a viver no nosso país e afirma-se como “português de coração”.

PremiumWine Corner: Petiscos e pratos regionais na ‘Casa de Canto’ da José Maria da Fonseca

O novo “Wine Corner by José Maria da Fonseca”, integrado na Casa Museu José Maria da Fonseca, em Vila Nogueira de Azeitão, abriu há poucos meses.

Seca leva agricultores do Alentejo a procurarem mais depósitos de água para o gado

“Está a notar-se uma maior procura de depósitos do que aquilo que era de esperar”, afiançou o dirigente da associação, que abrange os concelhos alentejanos de Castro Verde e Almodôvar e parte dos de Aljustrel, Mértola e Ourique.
Comentários