Drenar o discurso de ‘trampa’

Passados quatro anos de Trump, os EUA tornaram-se menos influentes no mundo, menos respeitados, mais violentos e divididos internamente. O mundo precisa que o discurso da mentira e do insulto saia do poder.

À hora a que escrevo este texto ainda não estão contados todos os votos das eleições presidenciais dos EUA de 2020 e ainda não se sabe quem ganhou a eleição.

O que se sabe é que Joe Biden já tem mais “grandes eleitores” confirmados e que já comunicou a sua confiança na vitória, esperando pela contagem total dos votos para a confirmar. Ao mesmo tempo, Donald Trump vem dizer que ganhou (sem nenhum fundamento), exige a paragem da contagem dos votos e declara fraude eleitoral (prometendo batalhas em tribunal).

Quando, em 2016, Donald Trump ganhou as eleições presidenciais, aquilo que verdadeiramente mudou foi o discurso: passou a existir, numa democracia ocidental do século XXI, um presidente eleito com um discurso troglodita. O discurso com a complexidade e maturidade mental de uma criança de oito anos, como voz do presidente do país mais armado do mundo.

Não por acaso, muitos nos países de línguas latinas fizeram o trocadilho entre Trump e trampa, que entre engano e excrementos, significa algo ruim.

A verdade é que Trump é o rei dos trapaceiros, dos mentirosos (continuamente desmentido pela verificação de factos). Um herdeiro milionário, do poder financeiro e mediático, que vem clamar pela drenagem do pântano de Washington, do pântano da política.

Alguém que se anunciou como o salvador da pátria estadunidense, que ia pôr os mexicanos a pagarem a construção de um muro na fronteira e que ia reindustrializar o país, protegendo-o da globalização. Ora, nada disso sucedeu. Ao contrário, passados quatro anos, os EUA tornaram-se menos influentes no mundo, menos respeitados, mais violentos e divididos internamente, enfim, menos “great”.

Com a pandemia, Trump teve o discurso delirante de suporte a medicamentos ineficazes e de oposição a medidas eficazes (como o uso de máscara), opondo-se à verdade científica e a todos os que a divulgam.

A verdade é que os EUA são uma república federal e o presidente não manda assim tanto. Mais, o presidente tem influência legislativa, mas não manda nas empresas. Aliás, no dia em que os EUA abandonam o acordo de Paris sobre a protecção do clima mundial, muitas empresas dos EUA puderam optar por respeitar esse acordo, tornando fraca a posição do presidente.

Assim, aquilo que mais define Trump, e aquilo que mais impacto acaba por ter no mundo, é o seu discurso infantil e descontrolado, com a mentira descarada e uma desumanidade pornográfica. Muitos psiquiatras já diagnosticaram patologias psíquicas a Trump, desde a megalomania, à egomania, até ao narcisismo ou a mitomania.

Mas, diagnósticos à parte, o seu discurso continuou igual e, se for reeleito, perdurará.

É um discurso típico dos ditadores, desrespeitador dos seres humanos que pensam diferente dele, potenciador de violência e de negação do conhecimento científico. Só um ditador exige que se parem de contar os votos do povo! Só um ditador apela às suas franjas para agirem violentamente contra a oposição. Só um ditador normaliza o discurso do ódio e do insulto básico ao outro.

Essa normalização do insulto e do amesquinhamento no discurso de um líder nacional (com impacto mundial) é um catalisador para a violência de facto. É quando chamamos baratas aos outros que se abre a porta para esmagarmos os outros como baratas (ou as metermos no forno, como fez Hitler).

O mundo precisa que o discurso da mentira e do insulto saia do poder. Era essa a trampa que precisávamos de drenar. Mas tal só acontecerá se Trump se for embora.

O autor escreve de acordo com a antiga ortografia.

Recomendadas

O comportamento da dívida não-financeira dos Hospitais EPE

Os mínimos atingidos no nível de stock da dívida não resultaram de uma redução do seu fluxo de acumulação ao longo dos anos, mas sim de regularizações anuais que não resolvem de forma sustentável o problema estrutural de endividamento hospitalar.

Mentes confinadas

A União Europeia tem de começar a edificar um caminho próprio, um caminho na equidistância entre as duas grandes potências: China e EUA. E o acordo agora celebrado com a China pode constituir um passo novo.

O capitalismo precisa de roupa?

Mostrar sensibilidade social, sem adotar ações corretivas concretas, é “bonito” mas não resolve um problema humano grave, avolumado pela pandemia: a indignidade da vida de quem tem que se sustentar com salários minimalistas.
Comentários