Dúvidas sobre acordo comercial voltam a penalizar Wall Street em vésperas de ‘earnings season’

O governo chinês ainda não está pronto a assinar um acordo parcial com os EUA. De acordo com a CNBC, o vice-primeiro-ministro chinês, Liu He, vai liderar nova ronda negocial que se terá lugar no início de novembro para acertar detalhes, que terão de ter luz-verde do presidente chinês, Xi Jinping.

Reuters

Os três principais índices da bolsa de Nova Iorque encerraram a sessão desta segunda-feira em território negativo, penalizadas pelo arrefecer do otimismo em torno das negociações comerciais entre os EUA e a China, em vésperas do início da apresentação de resultados trimestrais das empresas norte-americanas.

Esta segunda-feira, o S&P 500 caiu 0,15%, para 2.965,83 pontos; o tecnológico Nasdaq perdeu ligeiramente 0,02%, para 7.842,33 pontos; e o industrial Dow Jones recuou 0,11%, para 26.787,36 pontos.

O governo chinês ainda não está pronto a assinar um acordo parcial com os EUA. De acordo com a CNBC, o vice-primeiro-ministro chinês, Liu He, vai liderar nova ronda negocial que se terá lugar no início de novembro para acertar detalhes, que terão de ter luz-verde do presidente chinês, Xi Jinping.

Do lado norte-americano, o secretário de Estado do Tesouro, Steven Mnuchin, assinalou que as tarifas previstas para dezembro entrarão mesmo em vigor se as duas potências económicas não lograrem um acordo.
A nível macroeconómico, os dados sobre a balança de pagamentos chinesa demonstram que a China tem sentido o impacto da guerra comercial. Em setembro, as exportações chinesas caíram 3,2%, acima das expectativas do mercado, que apontavam para uma queda de 3%.

No mesmo período, as importações caíram 8,5%, muito acima das projeções dos analistas, que estimavam uma queda de 5,2%.

Nas empresas, destaque para a fabricante dos post-it, a 3M, que subiu 2% e liderou os ganhos no Dow, seguida pela Nike, que ganhou 1,1%. Já a Cisco Systems liderou as perdas, ao cair 1,1%, seguida da gigante do retalho, a Walmart, que perdeu 1%.

Nas matérias-primas, o preço do petróleo está a cair. Em Londres, o barril de Brent, referência mundial, perde 2,15% para 59,21 dólares, enquanto nos EUA, o West Texas Intermediate desvaloriza 2,25% para 53,47 dólares.

Ler mais

Relacionadas

Wall Street abre em queda com novas exigências da China

Esta semana arranca oficialmente a earnings season do 3º trimestre nos Estados Unidos. Há uma grande expectativa em perceber qual o desempenho das empresas num ambiente de arrefecimento económico.

Wall Street dispara com acordo comercial parcial entre EUA e China

Os Estados Unidos e a China delinearam a um acordo comercial parcial, anunciou Donald Trump no final de um encontro com o vice-primeiro-ministro chinês, Liu He, em Washington. Os índices dispararam em Wall Street.

Esperança de acordo comercial anima Wall Street

A nível macroeconómico, os investidores aguardam a divulgação do índice de sentimento do consumidor da Universidade de Michigan. “Deverá cair ligeiramente”, preveem os analistas do Bankinter.
Recomendadas

Trump corta laço com a OMS mas não sobe tarifas à China e Wall Street fecha mista

Os Estados Unidos vão aumentar o escrutínio das empresas chinesas cotadas em Nova Iorque, algo que a Tencent se prepara para fazer já na próxima semana. “As empresas de investimento não devem sujeitar os clientes aos riscos escondidos e impróprios associados ao financiamento de empresas chinesas que não seguem as mesmas regras”, disse esta sexta-feira Donald Trump.

Bolsas europeias acabam semana com perdas. Papeleiras abalam PSI-20

Já EDP Renováveis subiu 1,71%, para 11,92 euros, um dia depois de ter informado que assegurou um contrato de 20 anos num leilão de energia eólica em Itália.

Wall Street abre mista à espera da conferência de imprensa de Donald Trump

A pressão vendedora começou a sentir-se logo ontem à noite, quando o presidente norte-americano informou que iria falar aos jornalistas sobre a China. “O governo dos Estados Unidos está… Vou usar a palavra furioso com o que a China fez nos últimos dias, semanas e meses”, disse esta sexta-feira o assessor económico da Casa Branca.
Comentários