E-commerce da Inditex torna-se planetário em 2020

O grupo Inditex quer vender online, a partir de 2020, todas as suas marcas em todos os países do mundo. As ações do grupo ‘saltaram’ 5% na abertura do mercado.

O grupo de origem galega Inditex vai avançar com o processo de digitalização, com o objetivo de vender todas as suas marcas em todos os países do mundo em 2020. O processo iniciar-se-á através da marca Zara, a mais global de todas as que o grupo detém, que esta quarta-feira estendeu a sua loja online a 106 novos países, o que totaliza 202 mercados.

Os investidores parecem ter apreciado a decisão: as ações do grupo fecharam ontem no mercado de capitais espanhol com um ‘salto’ de 5,2%, o que elevou o preço da cada ação para os 26,31 euros, contra os 25 euros do fecho do dia anterior.

A nova plataforma www.zara.com/ww estende as coleções de mulher, homem e criança da marca para novos territórios, entre os quais se destacam os africanos, com distribuição para Angola, Costa do Marfim, Senegal e Gana, refere a imprensa espanhola. O Caribe e Indonésia passam também a fazer parte da geografia do grupo, que, nos próximos meses, agregará novos locais, incluindo aqueles em que a Zara possui lojas físicas e continuará até atingir as vendas online em todo o mundo.

Os pedidos de compras online da Zara serão enviados da plataforma na Espanha e serão recebidos entre três a sete dias, dependendo do destino. Esta nova loja digital está disponível em inglês e francês. As compras serão feitas em euros.

A integração entre as vendas tradicionais e online é uma das grandes apostas do grupo Inditex e o stock integrado já está implementado na Zara em 25 mercados, incluindo Espanha, França, Itália, Reino Unido, China, Estados Unidos e México. O sistema de RFID (identificação de frequência de rádio para peças de vestuário) é fundamental neste processo e está em pleno funcionamento.

A gigante têxtil tem cerca de 7.500 lojas físicas em 96 mercados, 49 dos quais também possuem lojas online, segundo dados da empresa.

Ler mais
Recomendadas

João Lourenço confirma intenção da Sonangol em sair da Galp e BCP

Presidente angolano esclareceu que a Sonangol deverá “retirar-se de grande parte dos negócios e das participações em que está envolvida”, ainda que a petrolífera portuguesa esteja dentro do core business.

Miguel Maya quer mais operadores a pagar fatura do Novo Banco

CEO do Millennium BCP recordou que desde janeiro o BCP já pagou 45 milhões de contribuições para o Fundo de Resolução e por conta do imposto especial sobre a banca e defende uma “solução mais equitativa”.

Volkswagen vai investir 44 mil milhões em nova mobilidade e condução autónoma

Nos próximos cinco anos, até 2023, a condução elétrica e autónoma, serviços de mobilidade e digitalização de veículos e fábricas serão as principais fontes de investimento da construtora alemã.
Comentários