“É difícil” analisar eficácia dos custos do combate à lavagem de dinheiro, alerta investigadora

Hanna Deleanu, da Universidade de Utrecht, esteve na 2ª conferência internacional sobre prevenção e deteção do branqueamento de capitais promovida pelo Observatório Português de Compliance e Regulatório. As estatísticas “não nos dizem se o dinheiro está a ser bem gasto ou não”, defende.

Cristina Bernardo
Ler mais

O Observatório Português de Compliance e Regulatório (OPCR) reuniu-se pela segunda vez para debater a prevenção e a deteção do branqueamento de capitais e do financiamento do terrorismo, numa conferência que contou com o Jornal Económico como media partner.

No painel dedicado aos custos do combate a estas práticas, a investigadora Hanna Deleanu, da Universidade de Utrecht, afirmou que “é muito difícil quantificar a eficácia e perceber o que acontece”, uma vez que há dados em falta e padrões de análise e metodologias diferentes.

A especialista da universidade holandesa tem trabalhado na análise da eficiência nas políticas de combate ao branqueamento de capitais implementadas pelos países europeus durante os últimos anos. Deslocou-se, esta quarta-feira, ao ISCTE – Instituto Universitário de Lisboa para 2ª conferência internacional do OPCR para perguntar à audiência: “os custos são justificáveis?”.

A seu ver, as estatísticas presentes nos relatórios desta indústria não estão centralizadas e não apresentam uma visão holística, o que acaba por impedir que se faça uma boa comparação. “Não nos dizem se o dinheiro está a ser bem gasto ou não (…). Há riscos em focar a atenção no dinheiro que está a gastar em vez de na eficiência”, explicou.

Para resolver o problema, Hanna Deleanu salientou que se pode utilizar a experiência empírica e testar o sistema de captura aos “bad guys”. A perita internacional aproveitou a viagem a Lisboa para lançar outras sugestões: integrar e sincronizar bases de dados em tempo real, aproveitando as oportunidades como, por exemplo, a blockchain, e estandardizar a conversão da suspeição em ações e provas.

Miguel Trindade Rocha, presidente executivo do Observatório, também lançou propostas para uma melhor adequação do quadro legal europeu ao nacional, nomeadamente fomentar o “diálogo entre o setor financeiro e definir metodologias específicas” para cada segmento de atividade.

“Temos de ter bom senso e ser ponderados. Não é possível aplicar uma lista de mais de 160 indicadores de suspeição. Há tanta coisa em mudança que não é possível pedir a uma organização e a um cliente que cumpra com tudo”, completou, por sua vez, Pedro Lino, da Dif Broker.

Já o académico e senior researcher da Transcrime, Michele Riccardi, acha que “podemos falar da quarta diretiva [do branqueamento de capitais e financiamento do terrorismo] durante décadas”, mas lembra que ainda “há espaço para melhorar a investigação académica nas ferramentas operacionais”.

No mesmo encontro, a partner da Ernst & Young Portugal (EY) Rita Costa disse que, para a situação atual e para o que a próxima diretiva vai exigir, “a formação é essencial”, sobretudo para os mediadores e funcionários dos balcões das agências. “São muito poucas as instituições que monitorizam o beneficiário ao cliente (…). Os bancos e os seguros ainda não incorporaram no seu ADN toda a regulação”, argumentou a sócia da EY, acrescentando que “know your costumer deve ser know your contraparte”.

Relacionadas

Observatório de Compliance e Regulatório lança programa de ‘mentoring’

A organização apresentou esta quarta-feira, em primeira mão, o novo programa de orientação para universitários e ‘new joiners’ na área de Compliance.

Seguradoras afirmam que “correm menos riscos” de lavagem de dinheiro do que os bancos

O presidente da Associação Portuguesa de Seguradores, José Galamba de Oliveira, afirma que não basta ter sistemas de software adequados e procedimentos definidos para mudar a estrutura de uma organização em termos de compliance: “É preciso mudar comportamentos de cima para baixo”, afirma.

Quanto custa o combate ao branqueamento de capitais?

Este será um dos temas da conferência que terá lugar no dia 21, com apoio do Jornal Económico.
Recomendadas

Ordem dos Advogados propõe quotas mais baixas e novo escalão para mais novos

Consulte aqui os valores propostos para o próximo ano, a entrar em vigor a partir de 1 de janeiro de 2019. Segundo esta entidade, a decisão deve-se à “reivindicação” dos profissionais devido ao “elevado valor das quotas dos seus associados individuais”.

Ordem dos Advogados propõe redução de quotas em 2019

A Ordem dos Advogados elaborou uma proposta de redução anual das quotas dos advogados num total de 1,2 milhões de euros, que será discutida em assembleia geral extraordinária a 15 de outubro.

Sonae pretende colocar 25% do negócio do retalho em bolsa

A IPO será composta por uma oferta pública a investidores qualificados e não qualificados em Portugal, bem como uma oferta particular internacional a investidores institucionais, anunciou a retalhista.
Comentários