É piloto ou hospedeira? Boeing precisa de cerca de 500 mil trabalhadores até 2037

A multinacional norte-americana estima que a região da Ásia-Pacífico vai necessitar de 240 mil pilotos e 317 membros de tripulação da cabine nas próximas duas décadas.

A Boeing acredita que a região da Ásia-Pacífico vai precisar de (muitos) mais pilotos, técnicos de aviação e tripulação de cabine nas próximas duas décadas. A multinacional norte-americana divulgou no início desta semana um comunicado onde informa que, até 2037, vai necessitar de aproximadamente mais 240.000 pilotos e 317.000 tripulantes.

  • China: 128.500 pilotos; 126.750 técnicos; 147.250 tripulação de cabine
  • Sudeste Asiática: 48.500 pilotos; 54.000 técnicos; 76.250 tripulação de cabine
  • Sul de Ásia: 42.750 pilotos; 35.000 técnicos; 43.250 tripulação de cabine

A necessidade de recrutar colaboradores deve-se ao crescimento económico pelo qual a região está a ser marcada, o que levará ao aumento da riqueza e à consequente subida no número de viagens, de acordo com a Boeing. Além disso, os pilotos mais antigos deverão apresentar a reforma nos próximos dez anos e o turismo de helicóptero e de jatos de luxo está a crescer.

“A forte procura por pilotos na região continua, e esperamos que continue nos próximos anos”, disse Keith Cooper, vice-presidente de Treino e Serviços Profissionais da Boeing Global Services, na mesma nota.

Relacionadas

Aviação reportou 16 incidentes com ‘drones’ no primeiro semestre do ano

O regulamento da ANAC, em vigor desde 13 de janeiro de 2017, proíbe o voo de ‘drones’ (veículo aéreo não tripulado) a mais de 120 metros de altura e nas áreas de aproximação e de descolagem dos aeroportos.

Boeing e Embraer criam parceria de 4 mil milhões de euros

Acordo não vinculativo propõe a formação de uma ‘joint-venture’ [parceria] que contempla os negócios e serviços de aviação comercial da Embraer, estrategicamente alinhada com as operações de desenvolvimento comercial, produção, marketing e serviços de suporte da Boeing
Recomendadas

Preços de venda e real valor das casas estão desajustados

A aquisição de casa própria é, normalmente, o maior investimento efetuado por uma família e geralmente o preço que pagam não é adequado ao valor real do imóvel. Uma correta avaliação do imóvel a adquirir é fundamental para decidir a compra de casa.

Respostas Rápidas: É cliente da Caixa Geral de Depósitos? Saiba o que muda a partir de maio de 2019

Em 2019, os clientes da Caixa Geral de Depósitos (CGD) vão sentir alterações nas comissões. A partir do dia 1 de maio, o banco público vai alterar as comissões em quatro produtos ou serviços que disponibiliza aos seus clientes.

BdP: Portugueses contraíram 58 mil créditos ao consumo em dezembro

Só o número de contratos de crédito concedido por via de cartões de crédito e descoberto diminuiu, segundo os dados do Banco de Portugal.
Comentários