É piloto ou hospedeira? Boeing precisa de cerca de 500 mil trabalhadores até 2037

A multinacional norte-americana estima que a região da Ásia-Pacífico vai necessitar de 240 mil pilotos e 317 membros de tripulação da cabine nas próximas duas décadas.

A Boeing acredita que a região da Ásia-Pacífico vai precisar de (muitos) mais pilotos, técnicos de aviação e tripulação de cabine nas próximas duas décadas. A multinacional norte-americana divulgou no início desta semana um comunicado onde informa que, até 2037, vai necessitar de aproximadamente mais 240.000 pilotos e 317.000 tripulantes.

  • China: 128.500 pilotos; 126.750 técnicos; 147.250 tripulação de cabine
  • Sudeste Asiática: 48.500 pilotos; 54.000 técnicos; 76.250 tripulação de cabine
  • Sul de Ásia: 42.750 pilotos; 35.000 técnicos; 43.250 tripulação de cabine

A necessidade de recrutar colaboradores deve-se ao crescimento económico pelo qual a região está a ser marcada, o que levará ao aumento da riqueza e à consequente subida no número de viagens, de acordo com a Boeing. Além disso, os pilotos mais antigos deverão apresentar a reforma nos próximos dez anos e o turismo de helicóptero e de jatos de luxo está a crescer.

“A forte procura por pilotos na região continua, e esperamos que continue nos próximos anos”, disse Keith Cooper, vice-presidente de Treino e Serviços Profissionais da Boeing Global Services, na mesma nota.

Relacionadas

Aviação reportou 16 incidentes com ‘drones’ no primeiro semestre do ano

O regulamento da ANAC, em vigor desde 13 de janeiro de 2017, proíbe o voo de ‘drones’ (veículo aéreo não tripulado) a mais de 120 metros de altura e nas áreas de aproximação e de descolagem dos aeroportos.

Boeing e Embraer criam parceria de 4 mil milhões de euros

Acordo não vinculativo propõe a formação de uma ‘joint-venture’ [parceria] que contempla os negócios e serviços de aviação comercial da Embraer, estrategicamente alinhada com as operações de desenvolvimento comercial, produção, marketing e serviços de suporte da Boeing
Recomendadas

Restaurantes devem afixar preços com clareza à entrada, diz Deco

A lista do dia e os preços praticados, com taxas e impostos incluídos, devem estar, clara e obrigatoriamente, afixados à entrada do estabelecimento, em local bem visível do exterior.

Vestuário, mobília ou telefone. Estes bens são mais caros em Portugal do que no resto da Europa

A Roménia, a Bulgária, a Eslováquia e a Polónia são os estados-membros que têm os preços mais baixos de bens de consumo na União Europeia.

Poupança das famílias cai ligeiramente nos primeiros três meses do ano

Aumento das despesas das famílias fixou-se ligeiramente face ao crescimento do rendimento disponível, segundo dados do Instituto Nacional de Estatística publicados esta segunda-feira.
Comentários