“É preciso saber gerir”. A vida de quem recebe o salário mínimo

Mulher, com baixas qualificações e entre os 35 e os 44 anos: é este o retrato dos trabalhadores que recebem a retribuição mínima garantida.

Zulmira é costureira fabril há 43 anos na zona Oeste e é um dos 713 mil trabalhadores que vai sentir os efeitos positivos do aumento do salário mínimo no próximo ano na carteira. A trabalhar numa fábrica de têxtil há dez anos, depois de ter visto a fábrica onde trabalhou anteriormente durante 20 anos ir à falência, aprendeu que “é preciso saber gerir e organizar” o salário, num estado permanente de “poupança”.

A costureira fabril contribui para as estatísticas que apontam para uma sobrerepresentação do sexo feminino nos rendimentos correspondentes ao valor do SMN, nos dois últimos anos. Está também entre os 15,4% dos trabalhadores com 55 e mais anos que receberam o SMN, segundo um estudo entregue aos parceiros sociais pelo Governo.

No entanto, são os trabalhadores entre os 35 e os 44 anos que representam a maior percentagem de remuneração equivalente ao SMN: 27,3%. Já os trabalhadores mais jovens, com menos de 25 anos, representam 8,8% dos trabalhadores abrangidos, mas 5,7% no total dos trabalhadores com remuneração declarada.

A maioria dos trabalhadores que auferem o salário mínimo têm baixa qualificação: mais de metade tem o ensino básico em contra-ciclo dos trabalhadores com o ensino superior, os quais representam 6,4%. O cenário levou a Comissão Europeia a alertar para o impacto que o aumento do salário mínimo tem nos postos de trabalhos dos trabalhadores menos qualificados.

Geograficamente é a região Norte concentra a maioria de trabalhadores que aufere o salário mínimo (40,8%), seguido pela Área Metropolitana de Lisboa (26,6%) e pela região Centro (21,3%).

Recomendadas

Angola e Zâmbia assinam memorando para a construção de pipeline multiprodutos

Segunda-feira, 19 de abril, será assinado em Luanda o memorando de entendimento sobre uma das mais importantes infraestruturas que vão ser construídas em Angola, a partir do porto de Lobito, na província de Benguela, para fazer chegar até à Zâmbia, um pipeline multiuso para transporte de produtos energéticos e combustíveis.

Fundos podem ser “empurrão” europeu para o futuro das cidades

Sempre com a sustentabilidade na mira, a Comissão Europeia pretende promover, como parte da recuperação pós-pandemia, alterações para melhorar a qualidade e condições de vida das populações urbanas.

Patrões defendem que Estado deve recorrer ao BEI para reestruturar dívida das empresas

Em entrevista à “Antena 1/Jornal de Negócios”, António Saraiva revelou que a CIP vai apresentar um pacote de medidas ao Governo nos próximos 15 dias para apoiar as empresas depois do fim das moratórias em setembro.
Comentários