Ecofascismo?

Os maiores inimigos da ecologia, e em certo sentido da nossa existência enquanto espécie, são o populismo e o nacionalismo.

O desafio da ecologia, tal como hoje se coloca a todos os seres vivos, obriga-nos a pensar no fim da espécie humana . O tema do suicídio da humanidade não é de agora, mas hoje parece evidente uma consciência cada vez mais aguda de que ou arrepiamos caminho ou não há retorno. Falo de tudo: clima, recursos naturais, alimentação, doenças, hábitos de vida, etc..

Há semanas, Aurelian Barrau, um astrofísico francês preocupado com a catástrofe ambiental a que assistimos, foi acusado de “ecofascista”. Ecofascista?! Por ter defendido que a humanidade só se salva com medidas coercivas e repressivas impostas pelos governos? Medidas que afectarão a nossa liberdade e reduzirão os nossos direitos.

Como já acontece mas provavelmente a uma escala muito maior. Por exemplo, restrições nas viagens de avião ou limitações no consumo de carne. Estas medidas são impopulares. A opinião pública (e alguma opinião publicada) está e estará contra elas. Significam restrições às liberdades que temos por intocáveis.

Mas ocorre perguntar: porque haveremos de ter a liberdade de agredir o planeta? E que sentido faz abusarmos hoje das liberdades de circular ou de consumir para condenar à morte as gerações futuras? Como algures li: o asteróide somos nós! Tudo isto a propósito (ou a despropósito) da fragilidade do poder político para tomar decisões impopulares. Um pouco por todo o mundo assim é.

O problema resulta da natureza do poder político tal como ele se concebe em democracia, permanentemente amarrado a uma equívoca concepção acerca da legitimidade de exercício desse mesmo poder. Nem sempre essa legitimidade alcança o bem comum quando se trata de projectá-lo para as gerações futuras.

As preocupações dos governos são quase sempre ditadas pelo critério da popularidade na satisfação de necessidades imediatas e mediatas. E como estão permanentemente pressionados pelos grupos de interesses, pelas suas clientelas políticas e pelo acto eleitoral mais próximo, nem pensar em restringir ou limitar direitos, mesmo quando tal se revela  a única solução para sobrevivermos.

Até porque, quando algum raro governante o faz, ainda que fundamentadamente em ordem a garantir o futuro, há sempre um Tribunal Constitucional que o proíbe, interpretando a Constituição de uma forma irrealista e absurda.

Eis a razão pela qual é quase sempre estéril a discussão sobre o papel do Estado entre a esquerda intervencionista e a direita liberal quando se trata de pôr em prática medidas impopulares. A verdade é que só um poder desesperado e sem alternativa pode ter a coragem de as propor e aplicar. Mas aí já será tarde. Por isso, os maiores inimigos da ecologia (e em certo sentido da nossa existência enquanto espécie) são o populismo (por vezes mascarado de eleitoralismo) e o nacionalismo.

Se imaginássemos um único governo mundial com autoridade sobre todo o planeta com governantes sorteados à maneira da Florença renascentista, talvez se pudessem aplicar medidas necessárias, urgentes e impopulares. Ficção científica dirão alguns. Ecofascista dirão os restantes.

O autor escreve de acordo com a antiga ortografia.

Recomendadas

Um Irão irado não é bom para ninguém

Cabe à UE, em conjunto com China e Índia, salvar o acordo nuclear, de forma a não encurralar ainda mais o gigante persa. A última coisa de que o Médio Oriente precisa é de mais uma guerra.

Os olvidados

Impressiona-me que gente que estudou nas melhores universidades nacionais e internacionais padeça de uma falta de memória digna do mais avançado doente de alzheimer.

Sortudo versus Azarado

Devemos investir em ativos reais que estejam expostos ao crescimento da economia mundial. Investir em ações, que são fatias de negócios, continua a ser a melhor forma de proteger e aumentar a riqueza.
Comentários