Ecologia vs. ‘greenwashing’

É preciso mudar o sistema e a forma como funciona a economia, não o clima. O ambiente não pode ser uma preocupação apenas quando dá lucro.

As alterações climáticas estão aí e o que está em causa é a qualidade de vida e até a sobrevivência de todas as formas de vida no planeta.

Actualmente, quase todos se mostram preocupados com este fenómeno, mas as respostas para lidar com o problema são díspares. As opções de cada um são muito importantes e a consciência ambiental deve ser fomentada. Se o clima está a mudar, nós também devemos mudar e adoptar estilos de vida mais sustentáveis.

Mas não pode ser só o cidadão a ser responsabilizado e chamado a pagar os custos da mudança, tal como não deve ser promovido o policiamento dos comportamentos individuais.

Enquanto os cidadãos se penitenciam porque muitas vezes não conseguem fazer opções mais sustentáveis, devido à falta de alternativas acessíveis, os verdadeiros responsáveis pela crise ambiental continuam ilesos e a acumular lucros, arredados de um objectivo que deve ser de toda a sociedade. Até porque, por esta ordem de ideias, às populações com menos recursos é-lhes negado o acesso a alternativas mais sustentáveis.

Mas então e o sistema?

Hoje até vemos grandes empresas a fazer campanhas em defesa do ambiente, procurando disfarçar o impacto ambiental das suas actividades. Mas onde está afinal a responsabilidade das multinacionais no que toca às emissões de carbono? Não será por acaso que o secretário-geral da Organização dos Países Exportadores de Petróleo afirmou recentemente que os activistas do clima serão, “talvez, a maior ameaça à nossa indústria daqui para a frente”.

É preciso mudar o sistema e os interesses instalados. Não há qualquer sustentabilidade nem justiça num mercado de carbono ineficaz e perverso, que permite que países mais ricos possam comprar certificados de emissão de gases com efeito de estufa a países em desenvolvimento para poderem continuar a poluir, promovendo a transferência de emissões e não a sua redução.

Ou seja, quem quiser poluir mais compra créditos a quem polui menos, o que pode levar a resultados contrários ao que este sistema pretende alcançar. Logo, pode servir para muita coisa, mas não para proteger a natureza.

Há uma grande diferença entre os conceitos de ecologia e de greenwashing: um é amigo do ambiente, o outro finge sê-lo. É preciso mudar o sistema e a forma como funciona a economia, não o clima. O ambiente não pode ser uma preocupação apenas quando dá lucro, pois já se percebeu que o capitalismo não é nem nunca será ecologista.

A autora escreve de acordo com a antiga ortografia.

Recomendadas

A História está de regresso à Velha Europa

Ficou célebre a frase de Lord Ismay sobre a NATO. Esta, dizia, foi criada para “manter os russos fora, os americanos por dentro e os alemães em baixo”.

China quer dominar reconhecimento facial

Os temas mais sensíveis entre os EUA e a China têm mais relação com supremacia tecnológica do que com tarifas. O objetivo é desenvolver e dominar o setor da Inteligência Artificial a nível global.

A idade sem razão

Insistir no uso da idade cronológica, ou a ausência de preocupação com o que representa a desvalorização social de se ser mais velho, é reveladora de uma enorme insensibilidade à mudança social. O resultado é o desperdício de capital humano para as sociedades que envelhecem.
Comentários