Economia alemã cresceu em 2019 ao ritmo mais baixo em seis anos

A percentagem está em linha com a previsão do mercado, mas é a mais baixa desde 2013. O PIB da maior economia da zona euro cresce pelo décimo ano consecutivo.

A economia alemã cresceu 0,6% em 2019, segundo a estimativa do gabinete de estatística federal (Destatis) divulgada esta quarta-feira. É a percentagem mais baixa desde 2013, mas está em linha com as previsões dos analistas.

O crescimento da Alemanha no ano passado foi sustentado essencialmente pelo consumo, uma vez que as despesas privadas e públicas foram 1,6% e 2,5%, respetivamente, superiores às de 2018. Quanto às exportações de bens e serviços, subiram 0,9% em termos homólogos, enquanto as importações tiveram um acréscimo de 1,9%.

O Produto Interno Bruto (PIB) da Alemanha no acumulado de 2019 mostra uma desaceleração comparativamente à expansão de 1,5% em 2018 e de 2,2% registada no ano anterior. No entanto, o PIB da Alemanha está a crescer pelo décimo ano consecutivo.

“Esta é a fase de crescimento mais longa na Alemanha unificada. No entanto, o crescimento perdeu força em 2019 (…). Comparado com a média de + 1,3% nos últimos dez anos, a economia alemã ficou mais fraca em 2019”, admite o Destatis no relatório tornado público esta manhã.

Os economistas consultados pela agência Reuters antecipavam exatamente um crescimento de 0,6% do PIB da Alemanha.

No terceiro trimestre de 2019, o país considerado a força-motriz do crescimento da zona euro escapou por pouco a um cenário de recessão técnica, contrariando as previsões mais pessimistas do mercado (que esperavam mais um decréscimo de 0,1%). A maior economia dos países da moeda única cresceu 0,1% – depois de ter contraído 0,2% nos três meses anteriores –sobretudo por causa do aumento do consumo privado como público e das exportações.

Ler mais

Recomendadas

Covid-19. Turismo de Portugal vai comparticipar descontos na restauração e alojamento

O Governo vai lançar um esquema de comparticipação pública aos operadores dos setores da restauração, alojamento, transportes e cultura, que ofereçam descontos aos clientes, disse hoje o ministro de Estado, da Economia e Transição Digital, Pedro Siza Vieira.

Número de passageiros transportados pela TAP diminuiu 62% no primeiro semestre

“A TAP atuou com agilidade e rapidez aos primeiros sinais de impacto da pandemia, adequando a capacidade ao novo cenário de procura e minimizando assim os custos operacionais com o objetivo de preservação de caixa”, comentou a companhia, no documento em que demonstrou um prejuízo de 582 milhões de euros no primeiro semestre.

TAP: Plano de reestruturação será apresentado a Bruxelas até 10 de dezembro

O plano visa “assegurar a sustentabilidade e rentabilidade da TAP, através de um adequado planeamento de rotas e frota, da adaptação do produto TAP à realidade atual e pós Covid-19, e do aumento da eficácia e da eficiência dos serviços centrais e das unidades do Grupo TAP”, refere a companhia, que registou um prejuízo de 582 milhões de euros no primeiro semestre.
Comentários