Economia alemã cresceu em 2019 ao ritmo mais baixo em seis anos

A percentagem está em linha com a previsão do mercado, mas é a mais baixa desde 2013. O PIB da maior economia da zona euro cresce pelo décimo ano consecutivo.

A economia alemã cresceu 0,6% em 2019, segundo a estimativa do gabinete de estatística federal (Destatis) divulgada esta quarta-feira. É a percentagem mais baixa desde 2013, mas está em linha com as previsões dos analistas.

O crescimento da Alemanha no ano passado foi sustentado essencialmente pelo consumo, uma vez que as despesas privadas e públicas foram 1,6% e 2,5%, respetivamente, superiores às de 2018. Quanto às exportações de bens e serviços, subiram 0,9% em termos homólogos, enquanto as importações tiveram um acréscimo de 1,9%.

O Produto Interno Bruto (PIB) da Alemanha no acumulado de 2019 mostra uma desaceleração comparativamente à expansão de 1,5% em 2018 e de 2,2% registada no ano anterior. No entanto, o PIB da Alemanha está a crescer pelo décimo ano consecutivo.

“Esta é a fase de crescimento mais longa na Alemanha unificada. No entanto, o crescimento perdeu força em 2019 (…). Comparado com a média de + 1,3% nos últimos dez anos, a economia alemã ficou mais fraca em 2019”, admite o Destatis no relatório tornado público esta manhã.

Os economistas consultados pela agência Reuters antecipavam exatamente um crescimento de 0,6% do PIB da Alemanha.

No terceiro trimestre de 2019, o país considerado a força-motriz do crescimento da zona euro escapou por pouco a um cenário de recessão técnica, contrariando as previsões mais pessimistas do mercado (que esperavam mais um decréscimo de 0,1%). A maior economia dos países da moeda única cresceu 0,1% – depois de ter contraído 0,2% nos três meses anteriores –sobretudo por causa do aumento do consumo privado como público e das exportações.

Ler mais

Recomendadas

Acionistas da Prisa aprovam venda da TVI à Cofina

Os acionistas da empresa dona da TVI deram luz verde à venda estação de televisão e outros ativos à companhia que detém o Correio da Manhã e a CMTV, entre outros.

IGCP emite 949 milhões de euros em operação de troca para alongar prazos da dívida até 2029

Na primeira operação de troca de dívida deste ano, a instituição presidida por Cristina Casalinho adiou em oito anos o reembolso de Obrigações do Tesouro que venciam em 2021.

Novo Banco pede falência de empresa de Moniz da Maia por dívida de 375 milhões de euros

No pedido de insolvência da empresa, o banco invoca dívidas no total de 16,5 milhões de euros respetivos a um crédito concedido diretamente à empresa de Bernardo Moniz da Maia em 2009 e 358,3 milhões de euros relativos a um contrato de financiamento celebrados entre o BES e a Sogema Investments Limited, segundo o JN.
Comentários