Economia pós-Covid

Podemos esperar anos de 2021 e 2022 bastante positivos. Os problemas virão no longo prazo.

Agora que as vacinas já são mais do que uma miragem, a proliferação do vírus poderá cair a pique a partir do final do inverno. Torna-se interessante perspetivar o que acontecerá à economia no próximo ano.

É provável que a recuperação económica em 2021 seja bastante forte. Registou-se um acumular de poupança inédito por parte das famílias em termos agregados e também pelas empresas menos atingidas pela crise, que aproveitaram para realizar operações de reorganização e contenção de custos, enquanto adiavam investimentos. Por outro lado, os estímulos fiscais e económicos em vigor – e que serão provavelmente reforçados – irão influenciar a economia por muito tempo. Há uma enorme vontade de regressar à normalidade, deverá permitir um 2021 melhor do que o esperado.

Na base deste otimismo está um pressuposto que pode ser discutível. Normalmente, a seguir às crises sucedem-se alguns anos de crescimento lento devido à destruição económica que ocorre, na procura e na oferta. O que poderá ser diferente desta vez é que, devido aos estímulos, poderá haver menos falências e menos desemprego. Procura e oferta talvez tenham sido salvaguardadas.

O reverso da medalha é o aumento da presença e poderes do Estado e dos bancos centrais, bem como o “empurrar para a frente” de problemas em muitas empresas inviáveis. Portanto, podemos esperar anos de 2021 e 2022 bastante positivos, mas com o recuo da globalização e o aumento das tensões internacionais e da dívida, os problemas serão inevitáveis no longo prazo.

Recomendadas

Wall Street fecha mista com aumento do desemprego

A avalanche de dados macroeconómicos justifica a fraca performance da bolsa. Os dados do emprego semanal dão uma subida dos pedidos de subsídio de desemprego no país pela segunda semana consecutiva, até os 778 mil, muito pior do que o esperado pelo consenso do mercado. Isto pode deixar marcas persistentes no mercado laboral dos Estados Unidos.

CMVM tomou 22 decisões de contraordenação algumas das quais originam coimas que somam 700 mil euros

Na base das decisões da CMVM estão 11 processos relacionados com infrações por violação de deveres dos auditores; cinco processos por violação dos deveres dos intermediários financeiros; três processos por violação de deveres das entidades responsáveis pela gestão de Organismos de Investimento Colectivo; entre outros. A maioria das coimas aplicadas está suspensa.

Bolsa de Lisboa fecha com subida superior a 1%

CTT, EDP Renováveis e BCP subiram mais de 2%. As ações da tecnológica Novabase, que divulgou esta tarde ao mercado o Plano para a Igualdade de Género e Diversidade, caíram 0,61% para 3,27 euros.
Comentários