Economias dos PALOP crescem este ano, estima Banco Mundial

A exceção é a Guiné Equatorial. Angola deverá crescer 0,9%, depois de ter experimentado o quinto ano consecutivo de recessão em 2020, e Cabo Verde recupera da queda de 11% no ano passado para assistir a uma retoma de 5,5% este ano.

O Banco Mundial estima que todas os países africanos lusófonos regressem ao crescimento económico já este ano, com exceção da Guiné Equatorial, que deverá manter a recessão dos últimos anos em 2021 e em 2022.

De acordo com o relatório sobre as Perspetivas Económicas Globais, divulgado esta terça-feira em Washington, Angola deverá crescer 0,9%, depois de ter experimentado o quinto ano consecutivo de recessão em 2020, e Cabo Verde recupera da queda de 11% no ano passado para assistir a uma retoma de 5,5% este ano.

O documento, que estima que a África subsaariana cresça 2,7% este ano e 3,3% em 2022, abaixo do anteriormente previsto, devido às consequências económicas da pandemia de covid-19 na região, que em 2020 registou uma recessão de 3,7%, aponta também que a Guiné Equatorial teve um crescimento económico negativo de 9% no ano passado e deverá manter-se no ‘vermelho’, com a riqueza a cair 2,8% este ano e 1,2% em 2022.

Guiné-Bissau, com uma expansão de 3% este ano e 4% em 2022, também recupera da queda de 2,4% no ano passado, o mesmo acontecendo com Moçambique, que depois de uma ligeira contração de 0,8% em 2020, regista este ano um crescimento de 3% e de 4% no ano seguinte.

Nas previsões hoje divulgadas, que pioram a estimava de crescimento este ano para a África subsaariana de 3,1% para 2,7%, o Banco Mundial antevê que São Tomé e Príncipe recupere da queda de 6,5% em 2020 para registar um crescimento de 3% este ano e de 5,5% em 2022.

O relatório aponta que os países mais atingidos foram os exportadores de petróleo, incluindo os lusófonos Angola e Guiné Equatorial, e os dependentes do turismo, como Cabo Verde ou São Tomé e Príncipe, para além dos países com um elevado número de casos, entre os quais a África do Sul, o país mais atingido nesta região.

Para este ano, o Banco Mundial prevê uma recuperação de 2,7% na região, salientando que “enquanto a recuperação no consumo privado e investimento deverá ser mais lenta que o anteriormente previsto, o crescimento das exportações deverá acelerar gradualmente, em linha com a recuperação da atividade nos principais parceiros comerciais”.

Ainda assim, o PIB (Produto Interno Bruto) per capita deverá cair novamente este ano, à volta de 0,2%, o que, salienta o Banco Mundial, “coloca os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável ainda mais fora do alcance de muitos países na região e empurra dezenas de milhões de pessoas para uma situação de pobreza externa neste e no ano passado”.

A nível global, o Banco Mundial reviu em baixa a projeção do crescimento da economia global para 4% em 2021, esperando ainda uma contração de 4,3% em 2020.

A pandemia de covid-19 provocou pelo menos 1.854.305 mortos resultantes de mais de 85 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP. Em África, há 67.928 mortos confirmados e mais de 2,8 milhões de infetados em 55 países, segundo as estatísticas mais recentes sobre a pandemia no continente.

Ler mais

Recomendadas

África com mais 932 mortes por Covid-19 registadas em 24 horas

África registou nas últimas 24 horas mais 932 mortes por covid-19, alcançando um total de 77.684, e 30.855 novos casos de infeção, segundo os últimos dados oficiais da pandemia no continente

Rui Figueiredo Soares é o novo ministro dos Negócios Estrangeiros de Cabo Verde

O atual ministro da Integração Regional de Cabo Verde passa esta quinta-feira a acumular com o cargo de ministro dos Negócios Estrangeiros e da Defesa, após a demissão de Luís Filipe Tavares, devido à polémica envolvendo o partido Chega.

Primeiro-ministro de Cabo Verde garante que Governo não tem ligações ao Chega 

“Nem este Governo, nem o partido que o apoia [MpD], têm alguma relação de afinidade ou simpatia com partidos do tipo do Chega! em Portugal, nem partidos de lógica ideológica similar”, afirmou Ulisses Correia e Silva.
Comentários