Economista-chefe da Moody’s alerta: se a Fed não cortar as taxas de juro, os mercados vão cair

John Lonski, economista-chefe da Moody’s, diz que o presidente da Fed terá de apresentar “uma razão forte” que sustenha a decisão de o banco central não baixar as taxas de juro na reunião que se realizará no final de julho. Caso contrário, alertou, “os mercados vão cair”.

O último relatório sobre a criação de emprego nos Estados Unidos superou as expectativas do mercado, mas para John Lonski, economista-chefe da agência de notação Moody’s, há sinais de alerta.

Divulgado na passada sexta-feira, dia 5 de julho, o relatório sobre o mercado de trabalho norte-americano revelou que em junho foram criados mais 224 mil postos de trabalho na maior economia mundial. Mas há um senão: o ritmo lento do aumento dos salários.

“Normalmente, teríamos os salários e o rendimento aumentarem acima de 5% ou 6%. No entanto, segundo os números do governo dos EUA, o aumento foi de apenas 3,5%”, disse John Lonski, em declarações ao programa “The Ticker”, do portal Yahoo Finance.

O relatório sobre a criação de postos de trabalho do governo norte-americano revelou que o aumento dos assalariados (salário por hora) em junho subiu 0,2%, em cadeia. Já os salários subiram 3,1% face a junho de 2018, abaixo das estimativas, que apontavam para um subida de 3,2%.

Segundo o economista-chefe da Moody’s, o ritmo lento do crescimento dos salários tem impacto no aumento do consumo.

“O que irá acontecer quando o desemprego subir”, questionou John Lonski. Atualmente, os EUA têm uma taxa de desemprego muito baixa. Mas, olhando para o futuro, o economista-chefe da Moody’s disse que “uma taxa de desemprego baixa aumenta o risco de uma maior taxa de desemprego daqui a um doze meses”. E adiantou que esse risco “diz-me que os investidores têm de estar atentos em relação às estimativas de crescimento económico norte-americano”.

O mercado já está focado na reunião da Reserva Federal norte-americana, que se realizará entre os dias 30 e 31 de julho, de onde sairá a decisão sobre uma mexida das taxas de juro. O presidente da Fed, Jerome Powell, adotou recentemente um tom dovish ao indicar que o banco central não se deixará levar por motivos políticos quanto ao rumo da política monetária, designadamente por causa da disputa comercial entre os EUA e a China.

O presidente dos EUA, Donald Trump, tem criticado a atuação da Fed, e tem defendido a necessidade um corte das taxas de juro para a economia norte-americana “disparar”.

Já o economista-chefe da Moody’s é da opinião que se a Fed resolver não baixar as taxas de juro na próxima reunião, Jerome Powell terá de apresentar “uma razão forte” que sustenha esta decisão. Caso contrário, alertou, “os mercados vão cair”.

“Prestem atenção às receitas das empresas, o que elas vendem aos consumidores, aos bens de capital e às exportações”, prosseguiu John Lonski. “Se a situação não melhorar rapidamente, não teremos apenas um corte das taxas de juro em julho, mas também em setembro, na reunião da FOMC (Federal Open Market Committee) dia 18”.

 

Ler mais

Relacionadas

Fitch: Crescimento da economia portuguesa deve abrandar em 2019 e 2020

Depois de ter crescido 2,1% em 2018, a Fitch antecipa que o Produto Interno Bruto (PIB) português aumente 1,7% este ano e 1,5% no próximo.

Fitch mantém rating de Portugal, mas sobe perspetiva para ‘positiva’

Agência de notação financeira norte-americana manteve o ‘rating’ de Portugal no segundo grau de investimento, mas subiu o ‘outlook’, destacando a trajetória de diminuição do rácio da dívida pública face ao PIB e a diminuição do défice. Resultados das eleições legislativas de outubro não se deverão traduzir em “desvios das atuais políticas orçamentais”, antecipa.

Moody´s diz que é a recuperação do mercado imobiliário que suporta a redução de ativos problemáticos da banca

Diz a Moody´s que em Portugal, “um ambiente macroeconómico melhorado, em particular um mercado de trabalho mais forte e um elevado investimento estrangeiro em ativos imobiliários, são os principais fatores por detrás da recuperação do mercado imobiliário” e que esta melhoria ajudou à venda de carteiras de ativos pelos bancos.
Recomendadas

Wall Street com ganhos superiores a 3% impulsionada pelas tecnológicas

O mercado reagiu em alta às recentes políticas de mitigação ao contágio do novo coronavírus anunciadas pela administração Trump, com os investidores a aproveitaram para comprar títulos a ‘desconto’ principalmente no setor da tecnologia.

CMVM prorroga até 31 de maio deveres de reporte dos peritos avaliadores de imóveis

A Comissão de Mercado de Valores Mobiliários informou que foi prorrogado até dia 31 de maio de 2020 o prazo de reporte de informação, previsto na lei, para os peritos de avaliação de imóveis. Esse prazo é sucessivamente prorrogado por um mês até ao encerramento do Estado de Emergência.

PSI-20 fecha em alta impulsionado pela subida de mais de 11% dos CTT

Ao contrário dos mercados de ações, os futuros de petróleo estão em derrocada. O Brent em Londres tomba -9,71% para 22,51 dólares. Ao passo que em Nova Iorque no NYMEX o petróleo transaciona nesta altua a cair -5,76% para 20,26 dólares o barril. Juros soberanos também agravam nos países do sul. Euro cai face ao dólar.
Comentários