O que é a intermediação de crédito?

A atividade de intermediação de crédito, no passado, não estava regulamentada e trouxe muitos problemas aos consumidores. Desde o início de 2018 que esta situação mudou e atualmente está sujeita a regras – regime de acesso à intermediação de crédito que entrou em vigor a 1 de janeiro desse ano.

Mas o que são os intermediários?

Falamos de entidades que podem intervir na concessão de crédito, embora não estejam impedidos de conceder crédito. Assim, e de acordo com a lei, os intermediários podem:

·  Apresentar ou propor contratos de crédito a consumidores;

·  Prestar assistência a consumidores nos atos preparatórios de contratos de crédito mesmo que não tenham sido apresentados ou propostos por si;

·  Celebrar contratos de crédito com consumidores em nome das instituições mutuantes;

·  Prestar serviços de consultoria, através da emissão de recomendações personalizadas sobre contratos de crédito.

 

O regime da atividade de intermediação de crédito trouxe alterações à atividade.

Este regime permitiu o estabelecimento de três categorias de intermediários:

·  Vinculados: aqueles que atuam em nome de uma ou de várias instituições financeiras com quem tenham celebrado contrato de vinculação.

·  A título acessório: entidades cuja atividade principal não é a intermediação de crédito (ex.: retalhistas, imobiliárias ou stands de automóveis, por exemplo), mas sim a venda de bens ou serviços.

·  Não vinculados: aqueles que não têm contrato de vinculação com qualquer instituição financeira.

Qualquer um destes três tipos de entidade para exercer a sua atividade tem de pedir autorização oficial e registar-se junto do Banco de Portugal, autoridade que publica, no seu sítio na internet, duas listas em que constarão os intermediários acreditados:

·  A lista de entidades habilitadas a atuar como intermediários de crédito;

·  A lista de instituições de crédito, sociedades financeiras, instituições de pagamento e instituições de moeda eletrónica que prestam serviços de intermediação de crédito ou de consultoria.

Consulta mais informação aqui.

Ler mais
Recomendadas

PremiumBCP lidera em volume de ativos por impostos diferidos protegidos pelo Estado

Perduram no balanço dos bancos 3,8 mil milhões de euros de ativos por impostos diferidos elegíveis para capital por serem protegidos pelo Estado ao abrigo do regime especial. O BCP tem 2 mil milhões.

Caixa Geral de Depósitos espera propostas vinculativas por banco no Brasil no quarto trimestre

Esta quinta-feira, o Governo aprovou em Conselho de Ministros uma resolução que seleciona os potenciais investidores que serão convidados a apresentar proposta vinculativa pela instituição brasileira, detida pela Caixa.

PremiumFundo de Resolução terá de ceder ao Estado parte dos 25% que detém no Novo Banco

Venda do Novo Banco à Lone Star estipula que entrada do Estado no capital por força do regime especial dos DTA só dilui o Fundo de Resolução.
Comentários