EDIA agrava prejuízos no primeiro semestre deste ano, para 9,6 milhões de euros

Nos primeiros seis meses deste ano, a EDIA foi responsável por um investimento global de 9,21 milhões de euros.

A EDIA – Empresa de Desenvolvimento e Infraestruturas do Alqueva agravou os seus prejuízos no primeiro semestre deste ano, tendo encerrado a primeira metade do ano com perdas de 9,58 milhões de euros, de acordo com um comunicado enviado epla empresa há minutos para a CMVM – Comissão do Mercado de Valores Mobiliários.

No primeiro semestre do ano passado, a EDIA já havia registado prejuízos, mas de apenas 1,42 milhões de euros.

A administração da EDIA explica este desempenho negativo com o facto de o EBITDA ter apresentado uma diminuição de 3,72 milhões de euros (menos 70,83%) em comparação com o período homólogo de 2019, “devido essencialmente ao aumento das receitas no ‘Volume de Negócios’ em 1,9 milhões de euros, pelo investimento na rede secundária, pelo lado da despesa, aumento de rubricas de ‘Fornecimento e Serviços Externos’, no montante de 6,58 milhões de euros, de onde se destaca o consumo de energia e manutenção e conservação de diversas infraestruturas, aumento das ‘Provisões’ em 3,58 milhões de euros, decorrente da aplicação da IFRIC12 [norma contabilística], um aumento de 1,01 milhões de euros da ‘Imparidade de Dívidas a Terceiros’ e uma diminuição em ‘Outros Gastos e Perdas (0,16 milhões de euros)”.

Além disso, os responsáveis da EDIA chamam a atenção para a rubrica ‘Perdas/Revisões de Imparidade de Investimentos Depreciáveis/Amortizáveis’, que apresentou um aumento de cerca de 4,42 milhões de euros face ao período homólogo, “contribuindo para um EBIT negativo de 8,07 milhões de euros”.

Nos primeiro seis meses deste ano, a EDIA foi responsável por um investimento global de 9,21 milhões de euros, contabilizando as capitalizações, mas excluindo a rede secundária.

Recomendadas

Vindimas 2020: na Bairrada, uvas de qualidade irrepreensível

Amanhã, será a vez de caminharmos para o interior do país, em direção aos produtores da região do Dão, com destaque para a Quinta da Taboadella, pertencente à Amorim Family Estates, e para a Quinta de Lemos.

Consumo de azeite em Portugal deve subir 7% acima da produção em 2020

As previsões são da associação de produtores nacionais Olivum, que assinala que Portugal é o primeiro país em produção de azeite virgem extra no mercado mundial.

Vindimas 2020: nos Vinhos Verdes, equilíbrio entre o álcool e a acidez

Amanhã, será a vez de seguir mais para sul em direção aos produtores de vinhos da região da Bairrada, com destaque para as Caves do Solar de São Domingos e para a Quinta dos Abibes.
Comentários