Autoeuropa: Sindicato reúne hoje com administração com não renovação de contratos em cima da mesa

O sindicato Site Sul aponta que a não renovação de contratos a prazo afeta entre 100 a 120 trabalhadores da fábrica portuguesa da Volkswagen.

Luis Viegas

O sindicato Site Sul vai reunir-se esta quinta-feira com a administração da Autoeuropa para debater a situação sobre a não renovação de contratos a prazo de trabalhadores.

“As expetativas são sempre boas, vamos tentar encontrar uma solução, apelando ao bom senso da administração para que esses trabalhadores possam ser reintegrados no quadro”, disse ao Jornal Económico Eduardo Florindo do Site Sul (Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias Transformadoras, Energia e Atividades do Ambiente do Sul) que pertence à Fiequimetal, afeta à CGTP.

Entre “100 a 120 trabalhadores” deverão ter sido afetados por esta situação, segundo o sindicalista.

C0ntactada pelo Jornal Económico, a administração da fábrica portuguesa de Volkswagen não quis fazer comentários.

Para alguns trabalhadores, este era o último contrato antes de passarem a efetivo, segundo o Site Sul que critica que continuem a ser utilizados trabalhadores temporários e que a não renovação de contratos acontece depois da fábrica ter recebido apoios do Estado.

Eduardo Florindo aponta que a justificação que tem sido dada a nível interno é devido ao fim da produção dos monovolumes Volkswagen Sharan/Seat Alhambra no final do ano. “Esta justificação não tem qualquer fundamento porque a empresa já sabia que este modelo vai ser descontinuado no final do ano, vai terminar”, afirmou o dirigente sindical a 11 de setembro ao JE.

“Isto não tem qualquer justificação até porque a Autoeuropa está a laborar com todos os turnos. Até dia 5 de outubro, está a pedir às pessoas para irem trabalhar para recuperar produção. Isto não faz sentido numa empresa que recebeu apoios do Estado, e que esteve em regime de layoff simplificado”, disse então o sindicalista.

“Isto não tem qualquer justificação até porque a Autoeuropa está a laborar com todos os turnos. Até dia 5 de outubro está a pedir às pessoas para irem trabalhar para recuperar produção. Isto não faz sentido numa empresa que recebeu apoios do Estado, e que esteve em regime de layoff simplificado”, afirmou Eduardo Florindo na altura.

O Site Sul aponta que a não renovação de contratos está a ter lugar na área das carroçarias.

Segundo Eduardo Florindo, a administração está a comunicar a sua decisão a trabalhadores que terminam o contrato em outubro e novembro. Mas o dirigente aponta que há mais trabalhadores a terminar contrato até ao final do ano e o sindicato também quer saber o que vai acontecer nestes casos. “Não sabemos se vão ser despedidos, se não vão”, disse a 11 de setembro.

Autoeuropa regressou a ritmo pré-Covid no final de agosto

A fábrica portuguesa da Volkswagen retomou por completo os seus 19 turnos semanais, 15 nos dias úteis e quatro ao fim de semana, tal como acontecia antes da pandemia da Covid-19, no final de agosto.

Isto significa que a fábrica passou a produzir 890 automóveis por dia, entre Volkswagen T-Roc, a grande maioria, e Seat Sharan.

A fábrica do grupo alemão fechou o ano de 2019 com um novo recorde de produção. A maior fábrica automóvel em Portugal produziu um total de 256.878 unidades.

Este valor representa uma subida de 16,3% face a 2018, ano em que foi atingido outro recorde ao serem produzidos 223 mil unidades na fábrica portuguesa da Volkswagen (mais 106% face a 2017).

Além do recorde de produção, o volume de negócios da Autoeuropa subiu 15% em 2019 para um total de 3.737 milhões de euros, o valor mais elevado de sempre.

Mas a pandemia deverá afetar a produção anual da companhia, pois a Autoeuropa registou uma quebra na produção de 38,2% entre janeiro e julho deste ano num total de 98 mil unidades fabricadas, segundo os dados da ACAP.

 

 

Autoeuropa não está a renovar contratos a prazo, denunciam CT e sindicato

 

Ler mais
Relacionadas

Autoeuropa não está a renovar contratos a prazo, denunciam CT e sindicato

Segundo a Fiequimetal e a comissão de trabalhadores (CT), a administração da Autoeuropa já comunicou a vários trabalhadores que não vai renovar os seus contratos a prazo. Para alguns trabalhadores, este era o último contrato antes de passarem a efetivo, segundo o sindicato que critica que continuem a ser utilizados trabalhadores temporários e que a não renovação de contratos acontece depois da fábrica ter recebido apoios do Estado. CT diz que está a pressionar empresa para renovar contratos.

Volume de negócios da Autoeuropa voltou a atingir recorde em 2019

Em 2019, a maior fábrica automóvel nacional voltou a atingir, pelo segundo ano consecutivo, tanto um recorde de produção como de volume de negócios, gerando 1,7% do PIB nacional. A informação foi revelada numa altura em que a fábrica de Palmela voltou a produzir 890 automóveis por dia, a um ritmo pré-Covid.

Fábricas automóveis em Portugal geraram 2,2% do PIB em 2019

Apesar do volume de negócios das cinco fábricas de produção automóvel nacional terem registado um aumento de 17% do seu volume de negócios agregado em 2019, a pandemia da Covid-19 provocou já uma quebra acima dos 34% na produção este ano.
Recomendadas

IPO do grupo Ant regista procura histórica de três biliões de dólares por parte de investidores

Apesar dos riscos de escrutínio, os investidores de retalho e institucionais estão a correr para comprar ações do grupo que opera a maior plataforma de pagamentos da China, bem como outros serviços financeiros.

Sindicato dos tripulantes “não quer acreditar” que a TAP vá reduzir salários

Presidente do SNPVAC, Henrique Louro Martins, disse, em entrevista ao “Público”, que os trabalhadores que representa já perderam grande parte da remuneração e lamenta que a administração ainda não tenha comunicado o plano de reestrutração da transportadora aérea.

PremiumRoger Tamraz: Dos milionários ‘pipelines’ no Médio Oriente ao interesse pelo banco de Isabel dos Santos

Gravitou em negócios da mais alta geopolítica, rodeado por chefes de Estado do Médio Oriente e de antigas repúblicas soviéticas, e fez parcerias com Onassis no Panamá. Agora gere investimentos a partir do Dubai, com russos, chineses e africanos. Aos 80 anos pretende comprar o Eurobic.
Comentários