EDP assegura contrato de 15 anos para projeto solar no Brasil

O contrato de aquisição de energia (CAE) tem como base o projeto solar ‘Monte Verde’ de 209 megawatts situado no estado do Rio Grande do Norte, sendo que a operação deverá arrancar em 2024.

A EDP assegurou um contrato de aquisição de energia (CAE) válido para os próximos 15 anos para um projeto solar no Brasil, de acordo com um comunicado enviado pela empresa à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) esta segunda-feira, 25 de outubro.

Este contrato foi conseguido através parceria 50%/50% entre as subsidiárias EDP Renováveis e a EDP Energias do Brasil, para o projeto solar ‘Monte Verde’ de 209 megawatts situado no estado do Rio Grande do Norte, sendo que a operação deverá arrancar em 2024.

A parceria entre as duas subsidiárias vai permitir à EDP continuar a “aumentar a sua diversificação tecnológica tendo já 2,7 GW de capacidade solar assegurada e uma capacidade total assegurada de 7,4 GW para 2021-25”, indica o documento.

Por outro lado, este investimento entre a EDPR e a EDP Brasil, vai possibilitar à EDP “beneficiar das capacidades da EDPR de desenvolvimento e operação de projetos renováveis e das capacidades da EDP Brasil de comercialização de energia e serviços integrados a clientes”.

Recomendadas

Promotor imobiliário chinês Evergrande avisa que pode falhar reembolso de dívida

O promotor imobiliário chinês Evergrande, que se confronta com uma dívida de 310 mil milhões de dólares (274 mil milhões de euros), avisou esta sexta-feira que pode vir a ficar sem dinheiro para “cumprir as suas obrigações financeiras”.

Sines tem as “melhores condições” para atrair investimento direto estrangeiro, diz Eurico Brilhante Dias

O secretário de Estado da Internacionalização, Eurico Brilhante Dias, disse esta sexta-feira que Sines (Setúbal) continua a ser a localização do país com “melhores condições para atrair investimento direto estrangeiro”, no âmbito da transição energética e climática.

Produtores vão gastar até mais 1.500 euros por hectare com escalada de preços

As organizações de produtores de tomate para indústria dizem estar preocupadas com a escalada dos preços dos fatores de produção, prevendo-se, que em 2022, a subida será entre os 1.200 e 1.500 euros por hectare.
Comentários