EDP: “Decisão de não construir a barragem do Fridão é da total e exclusiva responsabilidade do Governo”

Sobre a restituição dos 218 milhões de euros já pagos, a EDP diz que nunca afastou a possibilidade de receber o dinheiro de volta, no caso da barragem ser cancelada. A elétrica deixa “claro que não abdicará dos seus direitos, nem dos mecanismos de que dispõe para a defesa dos mesmos”.

A EDP reagiu à decisão do Governo não avançar com a construção da barragem do Fridão, no rio Tâmega, remetendo a responsabilidade para o Executivo pelo cancelamento do projeto.

“A eventual decisão de não construir o Aproveitamento Hidroelétrico do Fridão é da total e exclusiva responsabilidade do Governo”, reagiu a EDP em comunicado divulgado esta terça-feira, 16 de abril.

Sobre a devolução do dinheiro já pago, a EDP diz que nunca afastou a possibilidade de receber o dinheiro de volta, que pagou aquando do concurso da barragem, no caso da construção da barragem ser cancelada, no valor total de 218 milhões de euros.

“Em nenhum momento a EDP admitiu a possibilidade de não avançar com a construção do AH Fridão sem que lhe fosse devolvido o montante pago ao Estado, em janeiro de 2009, como contrapartida financeira pela sua exploração por 75 anos”, declarou a elétrica.

Perante este cenário, a EDP declara-se “disponível para, de forma construtiva e com base num diálogo de boa-fé entre as partes, encontrar uma solução, deixando claro que não abdicará dos seus direitos, nem dos mecanismos de que dispõe para a defesa dos mesmos”.

A EDP reagiu assim ao anúncio feito hoje pelo Governo que a barragem do Fridão não vai ser construída. ” A decisão está tomada, a barragem não irá ser construída”, anunciou hoje o ministro do Ambiente no Parlamento.

“A própria EDP escreveu-nos por duas vezes a mostrar o desinteresse na construção da barragem. Consultado o PNEC [Plano Nacional de Energia e Clima até 2030], não encontra o Estado razão para contrariar a vontade seminal da EDP. O Estado não encontra motivos para que o Fridão seja construído”, afirmou João Pedro Matos Fernandes.

O ministro acredita que não existem razões para a EDP receber de volta o dinheiro que já pagou pela não construção da central hidroelétrica. “Face ao desinteresse da EDP, face ao que já aconteceu em Girabolhos, pela Endesa, e Alvito, pela EDP, o Estado acredita que não há razões” para a devolução da verba. “Estamos convencidos que não há lugar a qualquer restituição”, reforçou. Recorde-se que a EDP pagou um total de 218 milhões de euros em 2009.

Matos Fernandes explicou que a EDP propôs construir uma barragem de “menor dimensão”, mas que o “código de contratação pública não o permite: houve um concurso e tem de ser respeitado”.

A decisão de não avançar para a construção da barragem por parte do Governo foi tomada “independentemente da necessidade da reserva de água”. Mas o Executivo considera que existem alternativas para produzir eletricidade que exijam “investimentos menores e com impactos ambientais menores”.

 

Governo anuncia que a barragem de Fridão da EDP não vai ser construída

Ler mais
Relacionadas

Governo anuncia que a barragem de Fridão da EDP não vai ser construída

Face ao “desinteresse da EDP”, o Governo anunciou que a construção da barragem do Fridão não vai avançar. O ministro do Ambiente acredita que não vai haver lugar a qualquer indemnização.

Barragem de Fridão: cancelamento da construção “foi a decisão correta”, diz GEOTA

Face ao “desinteresse da EDP”, o Governo anunciou que a construção da barragem do Fridão não vai avançar. Ana Brazão, coordenadora do GEOTA, reforça que o “Governo tomou a decisão que melhor defende a segurança das populações, os valores ambientais e patrimoniais”.
Recomendadas

Sindicato dos Maquinistas critica falta de explicações da IP

Apesar das fortes críticas à IP, o SMAQ garante que se vai abster de fazer mais declarações sobre este assunto, preferindo aguardar, “serenamente, e confiante na competência do GPIAFF, pelo relatório final”.
cais do sodré, pink street

PME dizem que novas medidas do Governo “são de bradar aos céus”

“As últimas medidas anunciadas pelo Governo para as Micro, Pequenas e Médias Empresas são de bradar aos céus”, afirma em comunicado a CPPME, acrescentando que “a permissão para os bares noturnos e as discotecas poderem abrir das 08:00 às 20:00, em serviço de pastelaria, só pode ser uma brincadeira de mau gosto”.

Rede da Câmara de Comércio e Indústria retoma prospeção de mercados em setembro

Estão previstas missões empresariais à Sérvia, Marrocos, Polónia, Azerbaijão e Costa do Marfim,
Comentários