EDP: Espanhóis, noruegueses e austríacos finalistas na corrida à compra das barragens

As ofertas finais pelos ativos hídricos da EDP vão ter lugar no final de setembro, mas as negociações deverão prolongar-se por outubro, segundo uma das fontes citadas pela Reuters.

Cristina Bernardo

A corrida à compra das barragens da EDP conta com três finalistas: os espanhóis da Iberdrola, os noruegueses da Statkraft e os austríacos da Verbund.

A notícia está a ser avançada pela Reuters esta quinta-feira, 5 de setembro, que cita três fontes anónimas.

Outras empresas como a Enel (através da Endesa), a Engie, a Macquarie e a Brookfield também estiveram na corrida, mas não deverão passar para a próxima ronda, segundo a Reuters.

No início deste ano, a EDP contactou 10 empresas para saber se estavam interessadas nestes ativos avaliados em dois mil milhões de euros. Depois, a elétrica recebeu oito propostas, incluindo: Enel (através da Endesa), Engie, Macquarie, Brookfield, Iberdrola, Statkraft e Verbund.

A oferta da Endesa foi considerada muito baixa pela EDP, segundo a Reuters, com uma das fontes a destacar que ainda está em aberto a empresa  avançar com uma oferta.

As ofertas finais pelos ativos hídricos da EDP vão ter lugar no final de setembro, mas as negociações deverão prolongar-se por outubro, segundo uma das fontes.

As três finalistas devem assim avançar para a segunda ronda da operação, permanecendo incerto se a Engie, Macquarie e Brookfield avançam para a próxima ronda.

“Esta lista inclui cinco nomes, mas outro candidato potencial ainda poderá voltar a juntar-se ao processo”, segundo uma das fontes.

Ler mais
Relacionadas

Centrais solares flutuantes nas barragens permitem a Portugal cumprir metas de renováveis

Governo estima que Portugal conseguiria atingir as metas de nova energia renovável, se um quinto das 50 maiores albufeiras nacionais tivesse centrais solares flutuantes. A EDP está disposta a construir mais centrais solares flutuantes nas suas barragens, depois da nova central do Alqueva estar concluída.

PremiumEndesa de olho nas barragens da EDP

Nuno Ribeiro da Silva está atento aos ativos que a EDP vier a colocar à venda no mercado, incluindo as barragens, eólicas e redes de distribuição. O líder da Endesa critica o modelo da tarifa social em vigor.

Endesa vai analisar a compra de barragens da EDP

“Vamos analisar o plano de desinvestimentos da EDP à procura de eventuais ativos de produção [elétrica], como hidroelétricas em Portugal, que se podem encaixar na nossa posição estratégica”, disse o presidente executivo da Endesa, José Bogas, numa reunião com analistas durante a apresentação dos resultados trimestrais.

EDP: Governo não recua no cancelamento da barragem do Fridão

Ministro do Ambiente disse hoje que “rigorosamente nada” mudou na sua decisão, anunciada em abril, de cancelar a construção da barragem do Fridão, sem a EDP ter direito a receber de volta 218 milhões. A EDP já contestou a decisão e garante que não prescinde da devolução do dinheiro depois de o Governo ter tomado a decisão de cancelar o projeto.

Mexia diz que EDP vai investir 12 mil milhões nos próximos quatro anos

Questionado pelo entrevistador Vítor Gonçalves, se não viu alguma vez que podia ser suspeito o pagamento à Universidade que contratou Manuel Pinho, ex-ministro da economia, para ser lá professor, António Mexia, lá admitiu que “hoje não o faria, sabendo a falsa percepção que se criou”.
Recomendadas

Autoeuropa investe 103 milhões na modernização da fábrica de Palmela em 2020

“Investir na fábrica é investir nas nossas pessoas, na nossa região e no nosso país. Com a nova linha de corte nas prensas e a automatização do armazém de logística interna aceleramos o futuro”, refere a empresa do grupo Volkswagen.

Observatório de turismo do Algarve vai integrar rede mundial da OMT

O reconhecimento do observatório regional pela OMT acontecerá dia 23, na próxima quinta-feira, durante a FITUR, a feira de turismo de Madrid à qual o Algarve regressa este ano e onde se promoverá de 22 a 26 de janeiro.

Banco de Portugal adopta ‘energia verde’ nos seus edifícios

“A transição para a nova forma de consumo de energia deverá estar concluída ainda durante o primeiro trimestre deste ano. Com esta medida, o Banco tem como objetivo reduzir a sua pegada de carbono”, explica a instituição
Comentários