EDP investe meio milhão de euros na startup alentejana Fuelsave

Trata-se do 25º investimento do braço de capital de risco da energética. Como o próprio nome indica, a empresa está a desenvolver uma solução que permite poupar até 20% em combustível nos camiões.

A EDP – Energias de Portugal anunciou esta terça-feira que participou na última ronda de financiamento da startup portuguesa Fuelsave com um investimento de 500 mil euros feito do seu braço de capital de risco. Trata-se do 25º investimento da EDP Ventures, que permitirá à empresa do Alentejo preparar-se para entrar na fase comercial, com um produto mais personalizado.

A Fuelsave criou uma aplicação móvel destinada a condutores profissionais de frotas de veículos pesados (camiões de transporte de mercadorias), que ajuda a reduzir até 20% do consumo de combustível – que representa cerca de 40% do orçamento das empresas de transporte.

A solução tecnológica desenvolvida – cujo pedido de patente está em curso – permite ainda auxiliar estes camionistas a poupar tempo entre deslocações, porque recolhe dados eletrónicos de cada camião e analisa-os de forma a avaliar parâmetros que poderão estar a influenciar o consumo desta matéria-prima. Na prática, pretende ser uma ferramenta para uma condução segura e ecológica.

“Através de um dispositivo instalado nos camiões e com recurso a um telemóvel ou tablet, os condutores têm apoio constante e personalizado nas suas deslocações. A Fuelsave começou a desenvolver esta solução em 2018 e tem, atualmente, projetos-piloto em mais de 100 camiões de várias transportadoras nacionais de mercadorias”, explica a EDP, em comunicado divulgado esta manhã.

Segundo Luís Manuel, administrador da EDP Inovação, como os transportes continuam a ter um peso “demasiado elevado” nas emissões de dióxido de carbono, a mobilidade sustentável passa pelo “desenvolvimento de soluções inteligentes de condução que promovam uma redução significativa do consumo de combustíveis fósseis”. “A Fuelsave faz um percurso notável neste campo, mas é também entusiasmante o trabalho que está a desenvolver na condução semiautónoma e autónoma, que acreditamos que será o futuro”, argumenta.

A startup de Évora, que tem cerca de 10 trabalhadores, participou no acelerador da Building Global Inovators e foi uma das três portuguesas a receber apoio monetário e mentoria do Fundo de Empreendedores da Fundação Repsol.

Luís Mendes, diretor da Fuelsave, acredita que a visão da empresa que lidera se enquadra nos pilares estratégicos da EDP por estar a “apostar na alteração do panorama da mobilidade urbana e de transportes, que acontecerá durante as próximas décadas”, o que implica arranjar soluções para diminuir o consumo de combustível e as emissões e assegurar uma condução mais segura e automatizada. Na sua opinião, o apoio da multinacional vai permitir à Fuelsave alavancar o negócio e a tecnologia pelo acesso que tem ao mercado nacional e internacional. “Veio confirmar o sucesso do nosso trabalho e facilitar a entrada de mais investimento que estrategicamente, nesta fase embrionária, faz muito sentido”, explica.

Ler mais
Recomendadas

WEBINAR: Uma conversa inadiável sobre Ecoliving. Coloque já as suas questões

No dia 2 de março estaremos em direto d’O Jornal Económico às 15h para uma conversa inadiável sobre Ecoliving. Este é um assunto que lhe suscita interesse mas tem algumas dúvidas? Não pode perder esta conversa!

Metade das empresas portuguesas têm presença nas redes sociais

Cerca de 50% das empresas portuguesas têm presença nas redes sociais como o Facebook, Twitter, Instagram ou YouTube, a mesma percentagem registada em toda a União Europeia (UE), segundo estatísticas hoje divulgadas pelo Eurostat.

Comissões arrecadadas pelos bancos subiram 40 milhões de euros e superaram 1.500 milhões em 2019

O parlamento debate esta quinta-feira 11 propostas de Bloco de Esquerda, PCP, PS, PAN e PSD sobre comissões bancárias, como limitar as comissões cobradas pelos bancos em meios de pagamento como MB Way, em declarações relacionadas com contratos de créditos e alterações unilaterais de contratos de crédito.
Comentários