EDP investiu 125 milhões de euros em políticas reduzidas em carbono em 2019

O CDP – Disclosure Insight Action revela que em 2019 as empresas europeias investiram cerca de 124 mil milhões de euros em medidas “verdes”. No entanto, o relatório estima que as empresas precisariam de duplicar a participação de baixo capital em carbono de 12% para 25% para ser consistente com a meta de descarbonização até 2050 da União Europeia.

DR Monthira, Shutterstock

A EDP, empresa liderada por António Mexia, reportou um total de 125 milhões de euros em investimentos “verdes” no ano de 2019, valor que inclui pesquisa e desenvolvimento para novos projetos à base de energias renováveis, de acordo com o relatório intitulado de “Duplicar para baixo: oportunidades de investimento em baixo carbono da Europa”, divulgado recentemente pela organização sem fins lucrativos, CDP – Disclosure Insight Action.

A Navigator e a Caixa Geral de Depósitos (CGD) são as outras duas empresas portuguesas que constam na análise desta organização que constata que 882 empresas europeias cotadas nas bolsas europeias reportaram 59 mil milhões de euros em novos investimentos em capital de baixo carbono e 65 mil milhões gastos em novas pesquisas e desenvolvimento (R&D, sigla anglo-saxónica) no ano passado.

A principal produtora de energia de biomassa em Portugal, viu as vendas de eletricidade produzida exclusivamente a partir de biomassa a totalizarem aproximadamente 22,4 milhões de euros em 2018, ou 13% do total de vendas de eletricidade. Por sua vez, a CGD relatou que está a implementar um Programa de Baixo Carbono para comercializar vários produtos e serviços de promoção de baixo carbono, como créditos de energia renovável e frotas elétricas.

De acordo com o relatório, as empresas europeias registaram um total de 124 mil milhões euros em novos investimentos de baixo carbono no ano passado mas deverão ter que duplicar os investimentos em capital de baixo carbono para que sejam consistentes com a nova meta climática da União Europeia.

As empresas analisadas têm emissões anuais equivalentes a três quartos do total da União Europeia e representam aproximadamente 76% da capitalização do mercado europeu. As maiores áreas destes novos investimentos foram em R&D para tecnologias de veículos elétricos (43 mil milhões de euros), investimentos de capital em energia renovável (16 mil milhões de euros), infraestrutura de rede de energia (15 mil milhões de euros) e programas para o desenvolvimento de energias de uso inteligente (8 mil milhões de euros).

As empresas europeias também identificam 1,22 biliões de euros em novas oportunidades de negócios de baixo carbono, como o aumento da procura por veículos elétricos e infraestruturas verdes. O valor dessas oportunidades é seis vezes superior ao custo de investimento de 192 mil milhões de euros.

 

Ler mais
Recomendadas

Covid-19: Carris aumenta oferta nos dias úteis

A Carris – Transportes Públicos de Lisboa vai aumentar a oferta nos dias úteis, a partir de segunda-feira, nas carreiras onde se tem verificado uma maior procura, na sequência da pandemia de covid-19, foi hoje anunciado.

Banco de Portugal salienta que as moratórias públicas ou privadas devem ser tratadas da mesma forma

O Banco de Portugal destaca que a segundo esclareceu a EBA, as moratórias, de iniciativa pública ou privada, devem ser tratadas da mesma forma, desde que tenham um propósito e caraterísticas semelhantes. “A EBA definirá, em breve, quais os critérios a observar para o efeito”, diz a entidade de supervisão.

Oxford Economics estima recessão de 2,2% na zona euro e estagnação mundial

“A pandemia do novo coronavírus vai infligir uma profunda recessão na economia mundial, e em muitas das principais economias, durante a primeira metade deste ano”, lê-se numa nota enviada aos investidores, e a que a Lusa teve acesso, na qual se prevê que a zona euro caia 2,2%, os Estados Unidos 0,2% e a China cresça apenas 1%.
Comentários