EDP junta-se a 86 multinacionais e assina compromisso para reduzir emissões poluentes

A elétrica portuguesa junta-se assim a um grupo de multinacionais, incluindo Vodafone, Nestlé e Unilever, com o objetivo de diminuir o impacto das emissões poluentes no mundo.

Cristina Bernardo

A EDP juntou-se a 86 multinacionais para assinar um compromisso com o objetivo de reduzir emissões de forma a garantir que o aquecimento global não excede 1,5 graus centígrados.

O compromisso ‘Business Ambition for 1,5ºC – Our Only Future’ vai ser assinado esta segunda-feira, 23 de setembro, em Nova Iorque na semana em que decorre a cimeira do clima das Nações Unidas, naquela cidade norte-americana.

A elétrica portuguesa junta-se assim a um grupo de multinacionais, incluindo Vodafone, Nestlé e Unilever, com o objetivo de diminuir o impacto das emissões poluentes, segundo comunicado divulgado hoje pela EDP.

“Precisamos de ser mais ambiciosos e de fazer mais, trabalhando em conjunto, empresas e governos. Na EDP há muito que percebemos que a descarbonização tem de ser vista como uma oportunidade e que a eletrificação é a principal medida para garantir esta transição indispensável. Se há dez anos já tínhamos targets ambiciosos de redução de emissões, agora reforçamos essa ambição”, disse o presidente executivo da EDP, António Mexia, em comunicado.

As 87 empresas aceitaram o repto lançado em junho pelas Nações Unidas através de uma carta aberta dirigida a comunidade empresarial. A organização liderada por António Guterres pediu aos líderes empresariais para definirem objetivos ambiciosos para suster o aumento da temperatura global em 1,5 graus centígrados, em sintonia com as recomendações do relatório de 2018 do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC).

Recomendadas

Covid-19: ‘Chef’ Vítor Sobral vai “acender uma velinha a Nossa Senhora de Fátima” para pagar salários

O Grupo Quina emprega cerca de 120 funcionários. Dois restaurantes foram encerrados, outros dois estão a funcionar em regime de ‘take away’, assim como as padarias. Vítor Sobral garante salários neste mês de março, mas não sabe como será no mês de abril.

Novo Banco vende “Rei dos Cogumelos” em plena crise

O Novo Banco, maior credor do grupo Sousacamp, com 49% dos créditos, acordou a venda do maior produtor ibérico de cogumelos ao Core Capital.

Covid-19: Kaeser garante assistência a equipamentos de ar comprimido de hospitais e da indústria

Além de cerca de três mil empresas do setor industrial, em Portugal a Kaeser trabalha com hospitais como o Grupo Trofa Saúde, Hospital Santo António, Hospital de Braga, Hospital de Santa Maria, Hospital de Gaia, Hospitais de Coimbra, Hospitais Lusíadas e Fundação Champalimaud.
Comentários