EDP junta-se a 86 multinacionais e assina compromisso para reduzir emissões poluentes

A elétrica portuguesa junta-se assim a um grupo de multinacionais, incluindo Vodafone, Nestlé e Unilever, com o objetivo de diminuir o impacto das emissões poluentes no mundo.

Cristina Bernardo

A EDP juntou-se a 86 multinacionais para assinar um compromisso com o objetivo de reduzir emissões de forma a garantir que o aquecimento global não excede 1,5 graus centígrados.

O compromisso ‘Business Ambition for 1,5ºC – Our Only Future’ vai ser assinado esta segunda-feira, 23 de setembro, em Nova Iorque na semana em que decorre a cimeira do clima das Nações Unidas, naquela cidade norte-americana.

A elétrica portuguesa junta-se assim a um grupo de multinacionais, incluindo Vodafone, Nestlé e Unilever, com o objetivo de diminuir o impacto das emissões poluentes, segundo comunicado divulgado hoje pela EDP.

“Precisamos de ser mais ambiciosos e de fazer mais, trabalhando em conjunto, empresas e governos. Na EDP há muito que percebemos que a descarbonização tem de ser vista como uma oportunidade e que a eletrificação é a principal medida para garantir esta transição indispensável. Se há dez anos já tínhamos targets ambiciosos de redução de emissões, agora reforçamos essa ambição”, disse o presidente executivo da EDP, António Mexia, em comunicado.

As 87 empresas aceitaram o repto lançado em junho pelas Nações Unidas através de uma carta aberta dirigida a comunidade empresarial. A organização liderada por António Guterres pediu aos líderes empresariais para definirem objetivos ambiciosos para suster o aumento da temperatura global em 1,5 graus centígrados, em sintonia com as recomendações do relatório de 2018 do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC).

Recomendadas

CAP contesta medidas sobre pagamentos e lamenta posição do Governo

A Confederação dos Agricultores de Portugal (CAP) contestou hoje as medidas sobre os pagamentos diretos para 2022, acusando o Ministério da Agricultura de desprezar “um leal e correto procedimento de consulta”, uma vez que estas não foram discutidas.

Confederação do Comércio e Serviços aplaude as novas medidas

Em comunicado, a entidade registou ainda “como positivo que a avaliação do nível de risco se baseie no critério da taxa de vacinação da população, ultrapassando as deficiências manifestas que a chamada ‘matriz de risco’ já evidenciava”.

Ramada dispara lucros semestrais para 6,2 milhões de euros

O resultado líquido consolidado registado no primeiro semestre de 2021 no valor de 6,17 milhões, apresentou um crescimento de 143,2% face ao resultado líquido do período homólogo do ano anterior.
Comentários