EDP produziu menos 11% de eletricidade no primeiro semestre

A produção de electricidade baixou 11% no 1º semestre de 2019, devido à forte redução da produção hídrica, de acordo com os dados operacionais publicados na Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

Ctristina Bernardo

A produção de electricidade baixou 11% no 1º semestre de 2019, devido à forte redução da produção hídrica, de acordo com os dados operacionais publicados na Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

A EDP diz ainda que a produção eólica global aumentou 4%, beneficiando do aumento de 6% da capacidade instalada e penalizada por recursos eólicos 4% abaixo da média no semestre (1% abaixo da média no 2º trimestre do ano).

Por outro lado a produção hídrica baixou 43%. “Na Península Ibéria, a produção hídrica caiu 50%, devido à hidraulicidade em Portugal 44% abaixo da média no 1º semestre de 2019 (36% abaixo da média no segundo trimestre), face aos elevados recursos hídricos no 2º trimestre do ano anterior (Índice de Produtibilidade Hidroeléctrica [IPH] =1,55 neste trimestre)”, diz a empresa.

A produção térmica aumentou 1%. Na Ibéria, a produção a gás natural subiu 73% compensando a queda de 11% da produção a carvão.

No Brasil, a produção a carvão caiu 37%, mantendo um elevado nível de disponibilidade (96,4%), refere a EDP.

A capacidade instalada da EDP aumentou 2% nos últimos 12 meses para 27,3 GW, dos quais 74% de fontes renováveis. Toda a nova capacidade instalada nos últimos 12 meses corresponde a parques eólicos (+680 MW, líquidos da venda de 200 MW em Dez-18 nos EUA).

“Relativamente à rotação de 997 MW de activos eólicos na Europa (491 MW líquidos para a EDP), anunciada em abril 2019, todas as condições relevantes para a conclusão da transacção já estavam satisfeitas a Junho 2019, com encaixe financeiro previsto no 3º trimestre deste ano. A capacidade hídrica reduziu-se em 250 MW neste período, reflexo da venda de mini-hídricas em Portugal e no Brasil no 4º trimestre de 2018”, lê-se no documento.

A EDP anunciou ainda que o comércio de eletricidade na Península Ibérica diminuiu 3,8% para 14.949 GWh,  tendo o mercado nacional registado a maior descida (4,5%). A elétrica reportou também uma redução de 0,3% de clientes, devido ao mercado português.

“Na actividade de comercialização de energia na Península Ibérica, o número de clientes de gás aumentou 0,9% para 1,554 milhões, enquanto o numero de clientes de electricidade baixou ligeiramente em 0,3% para 5,259 milhões, refletindo um crescimento das nossas ofertas duais (electricidade e gás)”, lê-se no comunicado.

A EDP revela ainda que o volume de electricidade distribuída no Brasil aumentou 3,8%, suportado pela melhoria do contexto económico, temperaturas acima da média e baixa procura no período homólogo.

“Em Portugal, o volume de electricidade distribuído caiu 2%, penalizado por temperaturas amenas, acima da média histórica no período”, diz a eléctrica.

“Em Espanha, a redução de 10,9% do volume distribuído na nossa região, está relacionado com uma drástica redução por parte de um grande consumidor industrial”, refere o comunicado.

Ler mais
Recomendadas

“Garra Vimaranense” guia estratégia de captação de turismo

A estratégia apresentada pela Câmara Municipal de Guimarães concretiza-se através de três programas principais, 12 projetos e 48 subprojetos que envolverão toda a população vimaranense.

UTAO: Novo Banco atira défice para 0,8% do PIB no 1.º semestre

O valor estimado pela UTAO para o semestre fica aquém da meta do Governo para o conjunto do ano, de 0,2% do PIB, “sem, contudo, colocar em causa o seu cumprimento”, consideram os técnicos do parlamento.

BCP convoca assembleia de obrigacionistas para discutir fusão do BII

A assembleia geral de obrigacionistas realizar-se-à no dia 21 de outubro, pelas 9h00, no edifício 5 do Taguspark, onde se situam as instalações do banco. BCP garante que a fusão não terá impacto para os trabalhadores do BII e que a sua incorporação contabilística no banco liderado por Miguel Maya será considerada a partir do dia 1 de janeiro de 2019, se entretanto a operação for autorizada pelo Banco Central Europeu.
Comentários