EDP Renováveis fecha contrato de venda de eletricidade em Espanha

A EDP Renováveis diz já ter garantido em Espanha vários contratos para venda de energia renovável a empresas para projetos no total de 148 megawatts que serão construídos até 2023.

Cristina Bernardo

A EDP Renováveis anunciou que fechou um Contrato de Compra de Energia (CAE) com uma empresa em Espanha para a venda de energia renovável.

O contrato de venda de energia renovável foi assinado com a Royal DSM, uma empresa global na área da nutrição, saúde e vida sustentável, e destina-se a vender eletricidade que será produzida por uma central eólica e duas centrais fotovoltaicas.

A central eólica tem uma capacidade de 16 megawatts (MW), enquanto que as centrais fotovoltaicas têm uma capacidade total de 43 megawatts.

A EDP Renováveis diz já ter garantido em Espanha vários CAEs para projetos no total de 148 MW que serão construídos até 2023.

A companhia liderada por João Manso Neto diz que já assegurou 80% de um total de sete gigawatts (GW) da capacidade eólica e solar previsto para o período entre 2019 e 2022, que foi anunciado no plano estratégico da elétrica apresentado em março de 2019.

“A EDP Renováveis continuará a analisar e desenvolver projetos que se enquadrem nos seus critérios internos de risco e rentabilidade”, segundo a companhia.

Ler mais
Relacionadas

Mexia: “Se a EDP pode distribuir dividendos é que porque fez o trabalho de casa”

A forte posição de liquidez, o compromisso com os investidores e a tendência no setor foram os principais fatores que o CEO da EDP usou para explicar o pagamento de dividendos no valor de 675 milhões. Após uma semana de críticas vindos do Bloco de Esquerda, Mexia salientou que os dividendos “são sustentados exclusivamente pela atividade internacional”.

“Acionistas da EDP estão a lucrar com a crise”, acusa Catarina Martins

A coordenadora do Bloco de Esquerda reagiu à aprovação do pagamento de 695 milhões de euros em dividendos pela EDP. “Estão a distribuir em dividendos mais do que os lucros da própria empresa”, refere.

Acionistas da EDP aprovam pagamento de 695 milhões de euros em dividendos

A decisão foi tomada numa Assembleia Geral que, devido à restrições provocadas pela Covid-19, está a ser conduzida por meios telemáticos. Numa altura em que muitas cotadas estão cancelar, cortar ou adiar os dividendos, a elétrica mantém a promessa inscrita no plano estratégico e vai pagar 0,19 euros brutos por ação relativo ao exercício de 2019.

EDP Renováveis fecha novo contrato de energia no México

A empresa refere que as operações do projeto solar de Los Cuervos deverão começar no início do próximo ano.

Entre a pressão política e a tradição do setor, dividendos vão estar em foco na AG da EDP

Os acionistas da EDP votam hoje uma proposta para distribuir 695 milhões de euros em dividendos (dos quais quase 150 milhões para a CTG). As cotadas estão a ser pressionadas para cortar a remuneração acionista devido à Covid-19 mas, apesar das duras críticas de Catarina Martins, a tradição deve reinar: o dividendo é para pagar.

Catarina Martins defende que Estado de Emergência deveria impedir “distribuição de dividendos milionários pelas grandes empresas”

Coordenadora do Bloco de Esquerda foi uma das líderes políticas presentes na sessão de apresentação da “Situação Epidemiológica da Covid-19 em Portugal”, mantendo-se consenso alargado quanto à necessidade de manter medidas de contenção para enfrentar a pandemia.
Recomendadas

“Sobreviver a Pão e Água”. “Centenas” de membros do movimento dispostos a regressar à greve de fome se Governo não aprovar medidas exigidas

Movimento diz que Governo disse que iria apresentar em breve várias das medidas por si exigidas. Se até dia 11 de dezembro, não apresentar as restantes medidas ameaçam que com o regresso à greve de fome em frente ao Parlamento e por todo o país, com “mais de uma centena de pessoas”.

Sindicato denuncia que Ryanair se prepara para despedir 23 tripulantes no Porto enquanto abre processo de recrutamento

O SNPVAC denuncia que, ao mesmo tempo que a companhia aérea avança para o despedimento coletivo, já está a realizar cursos para novos tripulantes “violando grosseiramente o Código de Trabalho”, segundo o sindicato.

Costa adia anúncio de medidas de apoio para as rendas do comércio e da restauração

A 21 de novembro, o primeiro-ministro anunciou que as medidas de apoio para as rendas de lojas e restaurantes seria anunciada nos dias seguintes. Passados 15 dias, o Governo ainda não anunciou os apoios e adiou para a próxima semana.
Comentários