EDP Renováveis fecha contrato de venda de energia em Espanha

“Com este novo acordo, a EDP tem agora 600 megawatts de capacidade assegurada em Espanha para instalar de 2021 em diante”, segundo a companhia.

A EDP Renováveis fechou um Contrato de Aquisição de Energia em Espanha, que prevê o fornecimento de 127,5 megawatts durante 15 anos à Procter and Gamble.

A elétrica portuguesa vai assim fornecer eletricidade produzida por uma central solar de 100 megawatts e por uma central eólica de 47,5 megawatts, estimando que sejam evitadas “mais de 130 milhares de toneladas de emissões anuais de CO2.

A central solar Peñaflor localizada em Valladolid entra em operação em 2023. Já a central eólica Sierra de la Venta em Albacete entra em operação em 2023, com 27,5 megawatts assegurados com o CAE fechado com a Procter and Gamble e os restantes 20 megawatts a serem assegurados por outro CAE.

“Com este novo acordo, a EDP tem agora 600 megawatts de capacidade assegurada em Espanha para instalar de 2021 em diante”, segundo o comunicado.

“O sucesso da EDP em assegurar novos CAEs reforça a sua estratégia de crescimento baseada no desenvolvimento de projetos competitivos com perfil de baixo-risco, promovendo a aceleração da transição energética e descarbonização da economia”, de acordo com a companhia.

Recomendadas

Do “Cartão Vermelho” ao “Fora de Jogo”: como combater as ilegalidades do futebol português? Veja o “Jogo Económico”

Acompanhe o “Jogo Económico” na plataforma multimédia JE TV, através do site e das redes sociais do Jornal Económico.

Presidente da República diz que Alemanha e Volkswagen prometeram e cumpriram com Portugal

“A Autoeuropa correu bem porque, em primeiro lugar – como já disse o senhor primeiro-ministro -, nós mostrámos que éramos capazes de fazer bem feito”, disse Marcelo Rebelo de Sousa, salientando que os portugueses também demonstraram ser capazes de ser consistentes na produção de qualidade, capacidade de resiliência e de inovação.

Portuguesa Blue Oasis Technology foi uma das startups vencedoras do programa das fundações Oceano Azul e Calouste Gulbenkian

A empresa, com menos de um ano de vida, desenha, constrói e instala “recifes” artificiais que permitem a, recuperação de ecossistemas marinhos danificados e a reversão do declínio da biodiversidade do oceano. Noruegueses da Tekslo Seafood e argentinos da FeedVax também se destacaram.
Comentários