EDP Renováveis garante novo contrato de venda de energia solar nos Estados Unidos

Em causa estão dois projetos fotovoltaicos no estado norte-americano de Ohio, num total de 100 megawatts. As operações deverão ter início em 2022.

A EDP Renováveis informou esta terça-feira que garantiu um contrato de compra de energia nos Estados Unidos, com a duração de 15 anos e num total de 100 megawatts (MW). Em causa estão dois projetos fotovoltaicos no estado norte-americano de Ohio.

As operações deverão ter início em 2022, informou a empresa em comunicado enviado esta tarde à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

O contrato, fechado através da sua subsidiária EDP Renewables North America LLC, faz com a casa-mãe, a EDP – Energias de Portugal assegure 85% dos cerca de 7 gigawatts (GW) de adições de capacidade previstas para o período de 2019-2022, tal como ficou estipulado no Strategic Update de 12 de março de 2019.

“Dados os atuais ativos solares operacionais da EDP e os 1,4 GW de projetos solares já contratados, o portfólio da EDP reforçará a sua diversificação tecnológica e alcançará 1,6 GW de capacidade solar em 2022”, pode ler-se na nota publicada pelo regulador dos mercados.

Na bolsa de Lisboa, as ações da EDP fecharam hoje com um ganho de 3,20% para 4,65 euros, enquanto os títulos da EDP Renováveis terminaram as negociações com uma subida de 3,44% para 16,84 euros.

Recomendadas

AHRESP entende que proibição de circulação não se aplica às reservas feitas previamente

No entanto, porque persistem dúvidas sobre a interpretação desta norma, a associação da restauração e hotelaria garante que irá questionar a tutela sobre o assunto.

CEO da CGD defende que a consolidação bancária vai decorrer “nos próximos dois anos”

A consolidação da banca poderá ser impulsionada pelos resultados dos bancos nos próximos trimestres, defendeu o CEO da CGD que considera que um banco público tem de ter dimensão para poder ser relevante no mercado. O BCP defende que a consolidação será cross border. Aumentos de capital para superar a crise? CEO do BCP e o CEO do BPI rejeitam que haja essa necessidade.

Novo Banco tem carteira de malparado de 100 milhões à venda

A revelação foi feita numa conferência para falar sobre a “banca do futuro”, organizada pelo Negócios, António Ramalho ironizou ao falar da carteira de NPL que está já à venda: “não se chama ‘Nata 3’ porque achámos por bem denominar isto com nomes mais ligados a jogadores de rugby. Que passou a estar na moda depois de este meu colega [Miguel Maya] ter lançado dois processos no mercado com base no rugby”.
Comentários