EDP Renováveis prepara-se para investir 780 milhões para produzir hidrogénio verde na Galiza (com áudio)

A companhia juntou-se à Reganosa para criar um centro de energia verde na região norte da comunidade da Galiza, que inclui a produção de hidrogénio verde, alimentado por energia eólica. A companhia também vai criar um sistema de armazenamento através de uma central hidroelétrica com bombagem.

A EDP Renováveis juntou-se à Reganosa para criar um hub de energia verde na Galiza, Espanha, com uma capacidade total instalada de 1 gigawatt (GW), num investimento de 780 milhões de euros que vai criar 400 postos de trabalho diretos e mais de 7.000 indiretos.

Este centro vai ficar localizado na região de Ferrolterra, na costa norte da Galiza, e inclui a construção de uma central de produção de hidrogénio (H2) por eletrólise, que atingirá uma capacidade de 100 MW, alimentado com a água de um lago local, com capacidade para produzir mais de 14 mil toneladas de hidrogénio por ano.

Ao mesmo tempo, vai ser criado um “sistema de armazenamento energético com uma potência instalada de 570 MW, através de uma central hidroelétrica com bombagem que utilizará o mesmo lago e uma nova barragem como reservatórios, maximizando a utilização de energias renováveis”.

Esta central será alimentada através de um complexo de energia eólica composto por quatro parques com turbinas de nova geração, totalizando mais de 270 MW de potência instalada.

A EDP sinaliza que a execução do investimento “está dependente dos leilões de capacidade pendente, dará prioridade à população e empresas locais na contratação de trabalhadores e fornecedores”.

A companhia liderada por Miguel Stilwell de Andrade aponta que esta é a mais “ambiciosa aposta realizada até agora na descarbonização da economia na Galiza, com o objetivo de transformar Ferrolterra numa capital da energia verde. Este importante passo insere-se no Acordo por uma Transição Justa, assinado em março deste ano entre a EDP, o Governo espanhol e os sindicatos com o propósito de assegurar a manutenção da atividade económica e do emprego nas regiões em que sejam desativadas centrais a carvão”.

Por sua vez, a diretora-geral da EDPR Espanha, Rocío Sicre, destaca que “esta iniciativa mostra, mais uma vez, a importância estratégica que a Galiza tem para a EDP Renováveis há mais de 20 anos. É também um reflexo do impacto positivo das energias renováveis em termos de emprego qualificado, favorecendo a dinamização económica e social da população galega. Trata-se da aposta mais ambiciosa para a descarbonização da economia realizada na Galiza até à data e está alinhada com o nosso objetivo de liderar a transição energética. Por outro lado, a promoção da Ferrolterra como capital da energia verde está alinhada com os objetivos estabelecidos tanto pela União Europeia como pelo Governo espanhol em matéria de energias renováveis. O nosso compromisso para com a transição justa é total e continuaremos a apostar na Galiza como um território-chave para implementar energia limpa e verde”.

Recomendadas

Linha de Apoio à Qualificação da Oferta com 20 milhões aprovado, diz Rita Marques

A Secretária de Estado do Turismo, Rita Marques, na conferência do Turismo, fez um ponto da situação do Plano Reativar o Turismo. Recorde-se que foi um plano apresentado maio deste ano, com quatro eixos de atuação.

Greve CP: “Será que vamos ter o ministro [Pedro Nuno Santos] em greve no próximo dia 8?”, questionam sindicatos

O ministro das Infraestruturas e da Habitação disse recentemente compreender os motivos da greve dos trabalhadores da CP – Comboios de Portugal e da Infraestruturas de Portugal (IP), marcada para 8 de outubro, afirmando que “têm razão” porque os salários são baixos. Federação de Sindicatos de Transportes e Comunicações (Fectrans) questiona agora de forma irónica Pedro Nuno Santos após Governo e administração da CP terem anunciado “pequenas” atualizações, que não ultrapassam os 10 euros, para salários até 800 euros.

“Conversas com Norte”. “Precisamos da ciência para enfrentar o futuro”, defende responsável do ISCTE

A importância da ciência, num cenário pós-pandemia, é um dos temas abordados no livro “67 Vozes por Portugal – A Grande Oportunidade”, da Editora Leya, uma iniciativa do ISCTE Executive Education. Trata-se de um livro que junta as visões do futuro de Portugal por 67 personalidades portuguesas, entre empresários, artistas, gestores, académicos e tantos outros. José Crespo de Carvalho, presidente da Comissão Executiva do ISCTE, foi convidado a apresentar o livro no “Conversas com Norte” desta semana. Ouça a entrevista no site do JE e na ‘playlist’ do JE no Spotify.
Comentários