EDP: Tudo o que precisa de saber sobre o aumento de capital de mil milhões

A operação de aumento de capital tem hoje início, pois é o último dia em que as ações negoceiam com os direitos incorporados. Os acionistas são obrigados a participar, caso contrário, a sua posição fica diluída.

Qual é o objetivo desta operação?

A EDP pretende financiar a compra da elétrica espanhola Viesgo, empresa avaliada em 2,7 mil milhões de euros, valor que inclui 1,1 mil milhões de dívida que será absorvida pela EDP. Com o aumento de capital, a EDP recorre ao dinheiro dos seus acionistas, evitando assim aumentar o seu endividamento.

A operação está dividida em três partes: na primeira aquisição, a EDP comprou a rede de distribuição de eletricidade da Viesgo – localizada nas Astúrias e na Galiza – em parceria com a Macquarie Infrastructure and Real Assets (MIRA). A Viesgo Distribution registou um EBITDA de 320 milhões em 2019, e vai passar a ser detida em 75% pela EDP e em 25% pela MIRA.

A segunda é que a EDP Renováveis (detida maioritariamente pelo grupo EDP) vai comprar 100% do negócio renovável da Viesgo, que conta com 24 centrais eólicas e duas centrais mini-hídricas em Portugal e Espanha. A empresa conta com uma capacidade instalada total de 500 megawatts (MW), e está avaliada em 565 milhões de euros. A terceira parte é que a EDP também vai comprar as duas centrais a carvão da Viesgo na Andaluzia.

Quais as condições?

Em jogo está o equivalente a 8,45% do capital da empresa, num total de e 309.143.297 ações. Cada ação vai ser lançada a 3,30 euros, com um desconto de 23% face ao preço de encerramento de 15 de julho.

Quais os prazos?

A EDP vai lançar um aumento de capital no valor de 1.020 milhões de euros. A operação de aumento de capital tem hoje início, pois é o último dia em que as ações negoceiam com os direitos incorporados. As novas ações começam a negociar na bolsa de Lisboa a 23 de julho.

Os atuais acionistas são obrigados a ir a jogo?

Sim. Esta subscrição encontra-se “reservada aos acionistas que exerçam os seus direitos de preferência e a outros investidores que adquiram direitos de subscrição”.

Quem não for a jogo, vai ficar com a posição diluída, conforme estabelece o prospeto da operação. “A proporção da titularidade do capital social e dos direitos de voto na EDP dos acionistas que não exerçam os seus direitos de subscrição será diluída com a emissão das novas ações”.

Quanto é que as empresas têm de pagar para manter a sua posição atual?

A China Three Gorges , o principal acionista, vai ter de investir quase 219 milhões de euros no aumento de capital da EDP para manter inalterada a sua participação de 21,47% na elétrica portuguesa.

O único acionista qualificado português da EDP é o banco BCP, que vai ter de desembolsar 21,1 milhões de euros para manter inalterados os seus 2,07%.

Depois da China Three Gorges, seguem-se os espanhóis da Oppidum Capital, com 7,19% da elétrica, que terão de investir 73,3 milhões de euros para ficarem com a mesma posição.

Na terceira posição surgem os norte-americanos da Blackrock, que terão de investir 46 milhões para garantir os seus 4,51%.

Depois, a Alliance Bernstein vai ter de desembolsar 30 milhões para ficar com os seus 2,94%, enquanto os argelinos da Sonatrach têm de pagar 24,2 milhões para manter os seus 2,38%.

Já a Qatar Investment Authority vai ter de gastar 23,1 milhões para segurar os seus 2,27%, com os noruegueses do Norges Bank a terem de pagar 22,6 milhões para salvaguardar os 2,22%, e a Capital Group Companies a ter de investir 20,90 milhões para ficar com os seus 2,05% inalterados.

E se a totalidade das ações não forem compradas?

A EDP também fechou um contrato com um sindicato bancário (underwriters) para assegurar que o sucesso da operação e que todas as operações são subscritas.

“Caso as novas ações não sejam totalmente subscritas no âmbito da emissão de direitos, poderão ser subscritas por Investidores Qualificados ou pelos Underwriters”, segundo o prospeto: BCP (20%);  J.P. Morgan Securities (20%); Morgan Stanley & Co. International (20%); BNP Paribas (13,33%); BofA Securities Europe SA (13,33%); Goldman Sachs International (13,33%).

A EDP anunciou que não vai cobrar qualquer custo aos investidores, avançando que as despesas com a operação, as comissões pagas ao sindicato bancário atingem os 23 milhões de euros.

Quais os prazos a ter em conta?

20 de julho – “Data de registo” – último dia de negociação das acções da Emitente na Euronext Lisbon
com os inerentes direitos de subscrição.

23 de julho – Primeiro dia do período de subscrição das novas ações

23 de julho – Primeiro dia do período de negociação dos Direitos de Subscrição na Euronext Lisbon

3 de agosto – Último dia de negociação dos Direitos de Subscrição na Euronext Lisbon

Entre 23 de julho e 6 de agosto pelas 16h00 – Envio pelos intermediários financeiros à Interbolsa das ordens recebidas no âmbito da Emissão de Direitos
5 de agosto pelas 15h01 – Data a partir da qual as ordens de subscrição de Novas Acções se tornam irrevogáveis (inclusive)

6 de agosto – Último dia do período de subscrição das Novas Acções

7 de agosto – Anúncio dos resultados da Oferta

7 de agosto – Liquidação financeira das Novas Acções subscritas mediante o exercício de Direitos de
Subscrição

11 de agosto – Liquidação financeira das Novas Acções atribuídas na fase de rateio e no âmbito do
Contrato de Underwriting

11 de agosto – Registo do aumento do capital social na conservatória do registo comercial

Quais os riscos para esta operação?

No prospeto, a EDP enumera vários potenciais riscos a esta operação e para a empresa.

  • Sobre o processo judicial dos contratos CMEC que envolve o presidente executivo suspenso de funções, António Mexia, e o presidente da EDP Renováveis, João Manso Neto, a companhia aponta que “não é possível prever qualquer resultado nesta fase do processo. Qualquer desenvolvimento deste tipo poderia ter um efeito material adverso na reputação da EDP, na sua situação comercial, financeira e/ou nos resultados das operações”.
  • Em relação ao processo judicial pela contratação do pai do ex-secretário de Estado da Energia, Artur Trindade, a EDP admite que o caso “poderá ter um efeito material adverso na reputação da EDP, na sua situação comercial, financeira, e/ou nos resultados das operações”.
  • A elétrica também que o “preço de venda e o lucro bruto por unidade de energia vendida pela EDP podem diminuir significativamente devido a uma deterioração das condições do mercado e/ou exposição ao mercado local de certas centrais elétrica”;
  • Depois, alerta que as “condições climáticas adversas têm afetado e podem continuar a afetar a rentabilidade das centrais hidroelétricas, eólicas e solares da EDP”;
  • “Alterações na procura de energia nos países em que a EDP opera podem afetar materialmente de forma negativa os seus resultados de operações e condição financeira”;
  • Outro dos riscos enumerados pela EDP é que os seus negócios “requerem investimentos iniciais elevados com base em previsões e estimativas de retornos futuros que podem não se concretizar”.
Ler mais
Relacionadas

China Three Gorges tem de investir 219 milhões para manter posição no capital da EDP. BCP tem de pagar 21 milhões

Os investidores da EDP vão ter de ir a jogo no aumento de capital no valor de mil milhões, ou ficam com a sua posição de capital diluída. Acionista chinês é quem vai ter de gastar mais dinheiro, seguido dos espanhóis da Oppidum Capital e dos norte-americanos da Blackrock.

EDP mantém inalterada previsão de lucros para este ano apesar dos efeitos negativos da pandemia

Miguel Stilwell assume o impacto negativo da pandemia da Covid-19 para a elétrica, mas garante que há impactos positivos para equilibrar as contas como a rotação de ativos renováveis e as baixas taxas de juro praticadas no mercado neste momento.

EDP garante aos seus acionistas dividendo de 19 cêntimos por ação “apesar do contexto difícil”

A crise económica provocada pela pandemia da Covid-19 está a colocar desafios à operação da EDP. Mas o presidente executivo interino da elétrica garantiu aos acionistas que o dividendo vai-se manter.

EDP anuncia compra da energética espanhola Viesgo

A Viesgo está avaliada em 2,7 mil milhões de euros com a EDP a investir 900 milhões para fechar esta aquisição. Para financiar a compra a EDP vai realizar um aumento de capital de mil milhões, com esta operação a ser lançada “assim que seja possível”.
Recomendadas

“Sobreviver a Pão e Água”. “Centenas” de membros do movimento dispostos a regressar à greve de fome se Governo não aprovar medidas exigidas

Movimento diz que Governo disse que iria apresentar em breve várias das medidas por si exigidas. Se até dia 11 de dezembro, não apresentar as restantes medidas ameaçam que com o regresso à greve de fome em frente ao Parlamento e por todo o país, com “mais de uma centena de pessoas”.

Sindicato denuncia que Ryanair se prepara para despedir 23 tripulantes no Porto enquanto abre processo de recrutamento

O SNPVAC denuncia que, ao mesmo tempo que a companhia aérea avança para o despedimento coletivo, já está a realizar cursos para novos tripulantes “violando grosseiramente o Código de Trabalho”, segundo o sindicato.

Costa adia anúncio de medidas de apoio para as rendas do comércio e da restauração

A 21 de novembro, o primeiro-ministro anunciou que as medidas de apoio para as rendas de lojas e restaurantes seria anunciada nos dias seguintes. Passados 15 dias, o Governo ainda não anunciou os apoios e adiou para a próxima semana.
Comentários