EDP volta à Web Summit pronta para investir em empresas que acelerem a transição energética

A EDP Ventures tem 33 empresas no portefólio, mas conta ainda com 30 milhões de euros disponíveis para projetos disruptivos que apostem na descarbonização.

A EDP – Energias de Portugal vai estar, pelo quinto ano consecutivo, naquela que é uma das maiores cimeiras de tecnologia e empreendedorismo do mundo, a Web Summit. A empresa energética voltará ao evento para transmitir conhecimento, com oradores, e conhecer startups para investir.

Apesar de a edição deste ano ser 100% online, a EDP considera a Web Summit “um local obrigatório” para a promover a empresa num palco internacional e encontrar startups que possam acrescentar valor ao grupo. E levará consigo uma dezena de startups.

Desde que a Web Summit chegou a Portugal, mais de 850 startups puderam apresentar as suas ideias à EDP durante os dias do evento. O braço de investimento de capital de risco do grupo – EDP Ventures – tem hoje 33 empresas no portefólio (da Europa, Brasil, Estados Unidos, Israel e Bangladesh), mas conta ainda com 30 milhões de euros disponíveis para investir em projetos disruptivos.

Como oradores, no dia 3 de dezembro, estarão Vera Pinto Pereira, membro do conselho de administração executivo da EDP, que será keynote speaker num painel sobre o papel das utilities na descarbonização (16h05), António Vidigal, presidente da EDP Inovação, e a equipa de Cleaner Energy da EDP Inovação, que estarão encarregues da aula (master class) sobre hidrogénio verde (15h30).

Quem são as startups que vão à Web Summit com a EDP?

  • Aerones (Letónia) – Tecnologia robótica inovadora que fornece serviços de operação e manutenção mais eficientes, rápidos e seguros em parques eólicos.

  • Aplanet (Espanha) – capacita as organizações com soluções baseadas em cloud, o que lhe permite gerir, medir e reportar o seu impacto social e ambiental.

  • Climacell (Estados Unidos) – fornece as melhores ferramentas operacionais e de Informação Meteorológica, permitindo melhores decisões de negócios e operações eficientes para empresas de energia.

  • EET – Efficient Energy Technology (Áustria) – O hardware da EET, SolMate, é um plug-in fotovoltaico com armazenamento para qualquer casa, que pode detetar o consumo de energia da habitação através de uma tomada de parede, sem nenhum hardware adicional.

  • Energy Source (Brasil) – trabalha com soluções para reduzir, reaproveitar e reciclar Baterias de Iões de Lítio.

  • Nuveo Technologies (Brasil) – é capaz de automatizar processos manuais, bem como de interpretar contratos, ou quaisquer documentos ou imagens através de inteligência artificial, tornando os seus clientes menos dependentes de trabalho manual de backoffice.

  • Plataforma Verde (Brasil) – tem uma plataforma que controla todos os KPI’s relacionados com ambiente, do ponto de vista de geração e distribuição. Conseguem também controlar os materiais descartados durante a manutenção das linhas de distribuição.

  • Secapp (Finlândia) – Solução de comunicações críticas desenvolvida especialmente para lidar com comunicações, alertas e gestão de dados críticos em situações de emergência. ​

  • YData (Espanha) – pretende apoiar um mundo liderado por dados, permitindo que as organizações garantam a privacidade dos seus utilizadores e estejam em conformidade com as normas de privacidade.

  • Yotta Energy (Estados Unidos) – é uma empresa de armazenamento de energia com uma bateria simples, modular, económica, segura e durável que pode ser associada a painéis solares e está a desenvolver um projeto-piloto para testar a sua solução inovadora no negócio do grupo

Já ontem a EDP anunciou que esta última empresa norte-americana foi a vencedora da segunda edição global do programa de aceleração Starter Business Acceleration e recebeu 50 mil euros para desenvolver o negócio.

Ler mais
Recomendadas

Parlamento anula transferência de 476,6 milhões do Fundo de Resolução para Novo Banco

O Parlamento aprovou a bandeira do Bloco de Esquerda de impedir a injeção do Fundo de Resolução dos 476,6 milhões de euros para o Novo Banco. Esta medida deixa o banco numa situação delicada para cumprir os compromissos de limpeza do balanço assumidos com Bruxelas.

AHRESP diz que Programa Apoiar pode não ser acessível a 58% do setor da restauração

A condição obrigatória que as entidades disponham de contabilidade organizada, é um requisito que pode impedir o acesso a 58% das empresas da restauração e bebidas, que são Empresários em Nome Individual (ENI), na sua esmagadora maioria inscritos no Regime Simplificado”, diz a Associação.

Mário Ferreira lança OPA sobre 70% da Media Capital. Paga 0,67 euros por ação

Na sequência de uma deliberação da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários, a Pluris Investments, de Mário Ferreira, lançou uma OPA obrigatória sobre a totalidade do capital que não controla na dona da TVI.
Comentários