PremiumEduardo Marçal Grilo: “Direções das escolas vão ter papel decisivo”

Marçal Grilo, antigo ministro da Educação, diz ao JE que lideranças nas escolas serão fundamentais para o sucesso da tarefa complexa que vai ser o novo ano letivo 2020/21.

As aulas arrancam na próxima semana para todos os anos e níveis de ensino público. No clima de incerteza face ao que poderá acontecer no novo ano letivo, há, pelo menos, uma certeza que Eduardo Marçal Grilo, antigo ministro da Educação, saúda: “Pela primeira vez em décadas, as questões educativas não estão a ser um diálogo entre o Ministério da Educação e os sindicatos. É um salto qualitativo importante no debate educativo em Portugal”.

Ao Jornal Económico, Marçal Grilo explica: “Estão a aparecer como entidades com grande relevância, quer a Associação dos Diretores dos Agrupamentos Escolares (ADAE), com o professor Filinto Lima, quer o Conselho Executivo da Confederação Nacional das Associações de Pais (CONFAP), liderado por Jorge Ascensão, o que é muito importante. As condições para o regresso às aulas têm muito a ver com os professores, enquanto elementos essenciais do funcionamento da escola, bem como a participação dos pais”. É preciso que estes vão às escolas, “saber o que se faz, a que horas, como, quando, onde”. Ver com os próprios olhos trará confiança, decisiva para combater o medo, acrescenta.

O início do ano letivo 2020/21, que decorre entre 14 e 17 de setembro, é um imperativo e aplaudido por alunos, professores, escolas, pais e sindicatos. Todos concordarão também que o ideal teria sido desdobrar as turmas, que, por exemplo, no secundário, em muitos casos, rondam os 28 alunos, de forma a garantir um distanciamento seguro. Mas o ministro, Tiago Brandão Rodrigues cedo avisou que era impossível aumentar ou multiplicar por dois, tanto as infraestruturas como os recursos humanos. Deixou o “desdobramento e as coadjuvações ao livre arbítrio das escolas”. E cada uma fez o que pode.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumAulas ao sábado, máscaras e testes no novo ano letivo

Universidades e politécnicos regressam às aulas presenciais com novas normas. Segurança é prioridade, mas entre os docentes é geral a convicção de que o alarme pode tocar. Sindicato está preocupado com a desvalorização de docentes convidados.

Engenharias atraem notas mais altas e há quatro no Top 5. Pelo contrário, 32 cursos não tiveram procura

Todos os cursos de Medicina figuram no Top 25 das notas mais altas e esgotaram as vagas. Línguas e Relações Internacionais, da Universidade do Porto, é o único curso da área de letras a figurar no grupo. Os dados foram divulgados ao primeiro minuto deste domingo, 27 de setembro pela Direção-Geral do Ensino Superior.

U.Porto tem a classificação média mais alta e 16 licenciaturas no Top 50

Há três cursos da U.Porto entre os cinco primeiros da primeira fase do Concurso Nacional de Acesso: Engenharia e Gestão Industrial, Bioengenharia e Medicina.
Comentários