“Educação para a cidadania global é o motor para a transformação social”, diz Brandão Rodrigues

Plano de Ação da Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento 2018-2022 foi assinado durante a conferência internacional “Building a World of Justice and Solidarity: Global Education in the School”, que reuniu 150 participantes de 30 países. Promoção de sociedades mais justas através da educação entre os objetivos.

Guto / Âmago

O Plano de Ação da Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento 2018-2022 (ENED) foi assinado por 16 instituições públicas e da sociedade civil na presença do ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues.

A assinatura ocorreu durante a conferência internacional “Building a World of Justice and Solidarity: Global Education in the School”, no Museu do Oriente, na passada sexta-feira, e que reuniu 150 participantes de 30 países e foi promovida pelo GENE – Global Education Network Europe, pelo Camões – Instituto da Cooperação e da Língua, pela Direção-Geral da Educação, em parceria com a UNESCO.

A educação para o desenvolvimento ou educação global tem como objectivo uma educação dos cidadãos e, em especial, dos jovens no sentido de lidarem com os desafios associados à globalização, direitos humanos, paz, alterações climáticas e igualdade de oportunidades.

“ A educação global, e em particular a educação para a cidadania global é o verdadeiro motor para a transformação social e para uma visão progressista daquele que deve ser o futuro do nosso planeta”, considerou Tiago Brandão Rodrigues.

A opinião foi partilhada por Lydia Ruprecht, líder da equipa de Educação para a Cidadania Global (GCED) da seção de cidadania global e educação para a paz da UNESCO. “A UNESCO fez da educação para a cidadania global, como chamamos no nosso contexto, um dos objetivos estratégicos que lideram as discussões globais em torno do Objectivo de Desenvolvimento Sustentável 4 cujo objectivo é assegurar uma educação inclusiva e de qualidade. É precisamente por esta razão que estar aqui com o GENE, os seus parceiros e participantes neste exato momento é tão importante”, disse. Enquadrada na Agenda 2030 e dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), a educação global é assim considerada um elemento essencial na construção de uma sociedade mais justa e solidária.

“Estamos honrados em fazer parte do lançamento do Plano de Ação de Portugal da Estratégia para a Educação para o Desenvolvimento, que testemunha verdadeiramente a mais alta relevância do trabalho que está a acontecer continuamente nos vossos países, num momento de grandes desafios em que precisamos fortalecer o nosso sentimento de pertença a uma humanidade comum, com um destino partilhado. Um povo, um planeta, como gostamos de dizer dentro da ONU ”, acrescentou.

Impacto no sistema formal de ensino

A directora do GENE, Luísa Teotónio Pereira, sublinhou que “a força da colaboração entre estas entidades impressionou os participantes da conferência internacional”, e explicou que a educação para a cidadania global está, cada vez mais, no centro da educação de qualidade. “Esta é a segunda Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento que tem como intuito promover através da educação a construção de sociedades mais justas, solidárias mais justas, solidárias, inclusivas, sustentáveis e pacíficas”.

“O  Plano de Ação contempla medidas, tipologias de ações e indicadores relativos aos objetivos específicos da ENED para os 5 anos da sua vigência. Há algumas medidas que se espera possam ter um impacto direto no sistema formal de ensino, como o “reforço da integração da Educação para o Desenvolvimento [ED] no sistema educativo”, a “formação de agentes educativos” e a “produção de conteúdos e recursos”, concluiu Luísa Teotónio Pereira.

O Plano de Ação da Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento 2018-2022 Camões foi subscrito pelo Instituto da Cooperação e da Língua, pela Direção-Geral da Educação, pela Plataforma Portuguesa das ONGD, pela CIDAC – Centro de Intervenção para o Desenvolvimento Amílcar Cabral, pela Agência Portuguesa do Ambiente, pelo Alto-Comissariado para as Migrações, pela Comissão Nacional da UNESCO, pela Comissão para a Cidadania e a Igualdade de Género, pelo Instituto Português do Desporto e Juventude,  pela Rede Intermunicipal de Cooperação para o Desenvolvimento – Associação de Municípios, pela Associação de Reflexão e Intervenção na Política Educativa das Escolas Superiores de Educação, pela ANIMAR –Associação Portuguesa para o Desenvolvimento Local, pela Associação de Professores para a Educação Intercultural, pela Confederação Portuguesa das Associações de Defesa do Ambiente, pelo Conselho Nacional de Juventude e pela Plataforma Portuguesa dos Direitos das Mulheres.

Ler mais
Relacionadas

Lisboa acolhe conferência sobre o papel da escola na construção de um mundo mais justo

Conferência “Building a World of Justice and Solidarity: Global Education in the School System” realiza-se esta sexta-feira, no Museu do Oriente, em Lisboa. Luísa Teotónio Pereira antecipa que o Plano de Ação da Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2018-2022) será assinado durante a conferência pelas 16 entidades que o elaboraram.
Recomendadas

2019 já tem o maior número de pré-avisos de greve dos últimos quatro anos

O número de pré-avisos de greve até outubro foi o mais alto dos últimos quatro anos, totalizando 781, segundo dados da Direção Geral do Emprego e das Relações do Trabalho (DGERT).

Mais de 61 milhões de passageiros nos transportes da AML

Os utilizadores dos transportes públicos coletivos da área metropolitana de Lisboa realizaram mais de 61 milhões de viagens durante o mês de outubro, dos quais 86% tinham um passe Navegante, segundo dados provisórios hoje divulgados.

Pingo Doce e LPN recolhem 2.608 toneladas de resíduos das praias

A recolha destes resíduos decorreu em ações de sensibilização e limpeza em praias e albufeiras que envolveram 1.350 voluntários no final da última época balnear.
Comentários