Educar na cultura: um rumo para a vida

Há números reais que assustam e custam a aceitar. Como os mais de 150 milhões de migrantes que deixaram os seus países de origem e os 38% de adultos e jovens que nunca leram um livro.

«A cultura é a soma de todas as formas de arte, amor e pensamento que, ao longo dos séculos, permitiram ao homem ser menos escravizado. (…) A cultura é aquilo que permanece quando nos esquecemos de tudo o que aprendemos» (André Malraux).

O sumo desta crónica está na reflexão cruzada de três livros de autores distintos, que já tive o enorme prazer de, em tempos, entrevistar. Estão, assim, unidos no mesmo propósito: ancorados em resgatar uma vida com valores, orientação, equilíbrio, cultura. Portanto, dão as mãos através destas suas referenciadas obras, diferenciadas e distanciadas no tempo, mas alicerçadas na construção justa e equitativa de um rumo para a vida, com aprumo.

E os distintos autores são: o sociólogo francês Gilles Lipovetsky, o psiquiatra espanhol Enrique Rojas e o escritor e pensador venezuelano Moisés Naím. Mas fico-me agora pela obra “A Cultura-Mundo. Resposta a uma sociedade desorientada”, de Lipovetsky, deixando para mais tarde a riqueza dos restantes livros e seus autores.

“E se os anos vindouros fossem, paradoxalmente, os da «vingança da cultura»?”

Nesta sua obra, Lipovetsky constata que a cultura não é mais do que “a fragância e o adorno do mundo real”, alardeando uma “vocação planetária”, infiltrando-se em tudo, transformando-se num “mundo cuja circunferência passou a estar em todo o lado e o centro em lado nenhum”. Tudo isto fruto da hipermodernidade desconcertante e arrepiante em que vivemos – tanto por opção como por “prisão” –, em que somos submetidos e nos submetemos, em que destruímos para ser destruídos pelas teias de perigosos ‘ismos’ irmanados no egoísmo.

Ora o capitalismo e o mercantilismo, ora o consumismo e o hedonismo/narcisismo, ora o laxismo e o laicismo, ora o extremismo/radicalismo e o mediatismo, ora o anarquismo e o niilismo, ora o cepticismo e o relativismo, entre outros. ‘Ismos’ desaforados. Logo, a serem evitados e dispensados.

A hipermodernidade arrisca tornar-se uma selva sem brandos costumes. Toda essa cultura disfarçada e envenenada com esses ‘ismos’ estonteantes, como droga que não larga, “minou a escola da disciplina”. Aliás, procura-se mais e melhor disciplina em várias salas de aula das escolas, a começar – muitas vezes – nos próprios educandos e naquilo que trazem/levam de casa. Eis a questão: “Educar será satisfazer o imediatismo dos desejos?”.

Estamos mergulhados em mundos complexos de hipercultura e de ‘hipocultura’ – culturas inigualitárias –, consoante os interesses e as respetivas sociedades, num misto de “litania de acusações” fáceis e ao desbarato, tais quais compassadas cantilenas e desgarradas, difratando-se o cultural no “mundo material”, sugado velozmente. Fulminantemente. Absurdamente. Para contrariar esta tendência nefasta, apela a uma genuína cultura-mundo que “não é o reflexo do mundo, mas que o constitui, o engendra, o modela, o faz evoluir”.

Simultaneamente, a cultura global funciona como “uma poderosa alavanca de desterritorialização generalizada e de individualização de seres humanos e dos modos de vida”. Fazendo lembrar um anúncio publicitário: «A Terra nunca foi tão pequena». Até mesmo pequenininha, sim, rima com mesquinha. Mas não se lhe prima.

É como escrevem Harvey – “A cultura-mundo é a cultura da compressão do tempo e da diminuição do espaço” – e Beck, quando afirma que nesta época “afirma-se a cosmopolitização dos medos e das imaginações, das emoções e dos modos de vida”, fazendo ampliar a “consciência da globalidade dos perigos”. Deste modo, “não se reduz apenas à racionalidade instrumental e calculista”: as questões culturais “fazem ricochete, ganham novo realce e geram novas polémicas”. Pois a “uniformização globalitária e a fragmentação cultural caminham a par”.

É lamentável verificar que estamos “estranhamente perdidos numa errância generalizada” – na forma deformada e desformada de ser, pensar e agir o planeta –, em que a plenitude dos pontos referenciais coletivos “se foram evaporando sucessivamente”. Resultado: o mundo mostra-se e deixa-se mostrar tão frágil, desnudado de sentido ético e estético, tão confuso, tão difuso de aspetos inúteis e em desuso.

E o que é a «cultura-mundo» aprofundada pelo autor? É o “fim da separação entre a cultura e economia” e “pela excrescência da esfera cultural”. Nesta cultura-mundo há números reais da atualidade que assustam, verdadeiramente assustam. E o custo é alto e penoso: custam caro, na medida em que “já não dispomos de qualquer sistema económico que tenha aura e capacidade de atração”, e custam a aceitar:

– são mais de 150 milhões os migrantes que deixaram os seus países de origem;

– na União Europeia há cerca de oito milhões de clandestinos, ou mais;

– há 850 milhões, ou mais, de seres humanos que passam fome, prevendo-se que este drama dispare para 1,2 mil milhões em 2025(!);

– a média dos rendimentos dos países ricos é 37 vezes superior à dos 20 países mais pobres do mundo;

– os 300 milhões de acionistas – 90% dos quais da América do Norte, Europa e Japão – controlam a quase totalidade da capitalização bolsista mundial;

– há 36% de adultos e jovens com mais de 15 anos que nunca lêem jornais e 38% que nunca lêem um livro;

– e outras tantas estatísticas alarmantes de violações/violências aos Direitos & Deveres Humanos que deviam reduzir, ao invés de se propagarem, como se vai vendo…

Cegamente vendo. Incredulamente vendo. “Já não sofremos de escassez de conhecimentos, antes nos sentimos perdidos com a própria abundância de informações”, adianta Lipovetsky, sobre este “mundo muito ansiógeno e depressivo”. A par disto depara-se com um progresso “arrastando tudo na corrida desenfreada”, gerando um “mundo hipertrofiado”, porque “a desordem já não nasce do que falta, mas do hiper”.

O que é que isto origina e prejudica? “Rebarbarização da cultura”, “infantilização dos consumidores”, “empobrecimento da vida social e intelectual”, “enfraquecimento das estruturas estatais”, “competição encarniçada do hipercapitalismo” e “intensificação do lobbying”.

Estamos perante uma instrumentalização cultural, em que nem “tudo é cultura” – nem pode ser –, numa adversidade preocupante de “politeísmo de valores”. Ou melhor, anti-valores, “depreciação dos valores superiores”, “ruína dos fundamentos metafísicos do saber, da lei e do poder” e “desintegração dos pontos de referência sociais mais comuns”.

Ou como expressa Huntington: “uma vingança da cultura que não deve ser identificada com uma «guerra das civilizações»”. Neste caso, eis uma época em que “já não se trata de «mudar o mundo», mas de civilizar a cultura-mundo”; para que se acabe com esta miséria de os trabalhadores estarem a ser “descartáveis”, neste “sistema económico de curto prazo”.

Nesta cultura que é também hipertecnológica, a técnica “apodera-se dos seres vivos”, ativa um “otimismo tecnológico” neste “humanismo prometeico”. Ao mesmo tempo “provoca um produtivismo sem peias, um desperdício frenético”, uma “loucura tecnomercantil” – tornando-se “omnipresente, tentacular e ilimitada” – e “enclausurados pelas novas tecnologias, os indivíduos ficam em casa num casulo isolado”.

Tudo isto condiz e conduz a “uma desregulação económica”, permitindo um “mercado livre” com “muito menos restrições” e um descrédito medonho na política, transversal à proliferação universal do abstencionismo – derivado ao “declínio da capacidade mobilizadora dos partidos junto do eleitorado”. Instala-se o populismo, a “democracia liberal” plebiscitada, a “infantilização dos adultos”, a “impotência para regular a mundialização” e dissemina-se a “balcanização social” e o “mundo multipolar”, que impulsiona “uma explosão das identidades”.

Quem sofre, também, gravemente com isto? A família, “arrastada para um processo de privatização e de desinstitucionalização”, visto que “quase toda a nossa existência está colonizada pelas marcas e pelo mercado”, que não param de se expandir. Além de fazer desabrochar aquilo que o autor chama de «gastronomia» – uma “cacofonia alimentar”, ou seja, distúrbios e “desorganização dos hábitos alimentares”. Assiste-se a uma modernidade cultural bicéfala: que tanto é “uma criação revolucionária que despreza o mercado”, como é industrial, vendendo “produtos de pacotilha”.

Por outro lado, uma “retórica de simplicidade” emerge junto dos novos bens culturais, numa “lógica de diversificação”, “de renovação permanente”, “de novidade” – como a construção de novos museus a par do potenciamento do turismo cultural – e de “obsolescência acelerada”. Estas contradições passam pela “lógica da moda” e a sua “sedução fácil”, criando “produtos estritamente efémeros, feitos para não durar”.

Hannah Arendt considera esta cultura “uma anticultura”, por se enfocar mais – e também enforcar – em “realidades comerciais do que com o espírito”, a tão necessária “elevação do homem” e da “reativação multiforme das espiritualidade”. Quanto às marcas, Lipovetsky acrescenta que “não devem ser diabolizadas, mas não deveriam ser o pólo dominante em torno do qual a cultura e o ser humano se constroem”; e que “o pluralismo cultural é um imperativo em matéria de civilização”. E a melhor maneira de garanti-lo “não é encerrar fronteiras” ou “opor-se ao comércio internacional”, mas “impedir que os excessos do mercado eliminem a diversidade”.

Correntemente, há um mundo acorrentado de ecrãs digitais e multimédias, em rede, impondo exageradamente o “reino do virtual”. Como já tinha referido, e volte-se a sublinhar, nem tudo pode ser como se vai vendo, que é mais parecer do que ser, uma inversão à lógica comum para a qual as ‘coisas’ existem e se destinam. Isto é, erradamente e “nesta galáxia comunicacional, todos podem produzir conteúdos, todos podem ser fotógrafos, videastas e até jornalistas, ao difundirem informação”. Mas longe de todos os que o fazem nas redes sociais têm formação especializada e acreditada para tal, com informação verdadeira – anti fake-news –, responsabilidade deontológica e fontes fidedignas!

Com toda esta revolução digital e em que se extrapolam limites, há que ter o devido cuidado de filtrar o que interessa e, sobretudo, de se combater o amadorismo e a notícia flutuante, de avatares, na “embriaguez dos contactos” e apenas na busca sedenta de likes e mais likes. Caminha-se, assim, para um “sistema protuberante” – que não somente perturbante – que “se transforme num sistema totalitário, sujeitando os seres humanos, em vez de os libertar”. Para se atingir uma “distância analítica e crítica”, urge educar as pessoas, formar “espíritos livres num universo de excesso informativo, defender a verdade objetiva ao invés da “verdade pessoal”.

Por que é que o poder cultural, e todo o seu empreendedorismo, “se transformou numa economia de ‘vedetariado’, num mercado do nome e da fama”, de ambição pela notoriedade e a celebridade? O próprio mundo entrou e hibernou neste sistema sensacionalista. “Este é o tempo das sacralizações, sem qualquer efeito, sem consequências”: o que vai ser dos “laços comunitários e das relações fundadas no respeito e na dedicação”? Realçando novamente a fulcral temática da cultura educacional, atente-se que educar é encarrilar e apostar não somente na bússola do conhecimento, mas sobretudo do diálogo e da escuta.

A ação pedagógica quer-se efetivamente relacional. Não se consegue doutro jeito, ou a educação fica mesmo sem jeito. De braço dado com a “cultura da criatividade”, a “cultura da inteligência” é “tudo o que pode favorecer o que é específico do ser humano: criar, inovar, ter iniciativa”. Dito/escrito de outra forma, devemos saber destrinçar a arte destas verdadeiras culturas agora mencionadas – e suas sinergias – com outras artes e culturas que nem interessam, como a cultura da morte e da guerra. Distinguir “entre a arte de elite e arte de massas, a arte pura e a arte comercial, as artes nobres e as artes menores”.

Depois disto tudo, e de refletir antes de agir, saibamos diferenciar as pessoas cultas das incultas, já que o filósofo Aristóteles – ao ser confrontado com esta questão – respondeu: “A mesma diferença que existe entre vivos e mortos”. Não haja confusões e que esta nova cultura ansiada e sonhada comece – segundo Máximo Gorki – “quando trabalhador e trabalho são tratados com respeito”.

“Nunca na história da humanidade os seres humanos tiveram tantas possibilidades de estar conectados uns com os outros, utilizando redes de comunicação, e nunca tiveram um sentimento de isolamento tão forte (…) Não é de modo algum verdade que a cultura seja totalmente canibalizada pelo pan-hedonismo das múltiplas satisfações imediatas” (Gilles Lipovetsky).

Recomendadas

A recuperação de ecossistemas salva vidas

É fundamental desenvolver novos modelos de financiamento para que o setor privado, as organizações ambientais e humanitárias e os governos trabalhem em conjunto. E apostar na ação preventiva.

Estrada sem fim

Existe uma nova tendência para contestar os velhos padrões de organização das sociedades que pode resultar em novos modelos, mas que até agora tem, essencialmente, reativado velhas soluções.

As virtudes do direito à greve

A única ação que se deve regular por um critério de proporcionalidade é a definição de serviços mínimos. E essa definição cabe ao Governo, com o maior tacto possível, garantindo os serviços mínimos, sem com isso minimizar o impacto que se espera de uma greve a ponto de constituir um boicote.
Comentários