PremiumEdward Freeman: “Penso que este é o tempo da ideia do capitalismo de stakeholders”

O criador da teoria do ‘stakeholder’ acredita que vivemos um tempo para uma nova forma de capitalismo, que permita uma maior criação de valor, mas generalizada. Por isso, afirma-se otimista quanto ao futuro e à resposta a desafios, da pobreza à ética num mundo tecnológico.

As empresas podem – e devem – desempenhar um papel mais importante nas sociedades, tendo em conta os interesses dos seus diferentes stakeholders (partes interessadas). É isto que defende Edward Freeman, professor de administração e empresas e de ética na Escola de Negócios de Darden, da Universidade da Virgínia, nos Estados Unidos, e autor da teoria do stakeholder, uma ideia creditada como a base da crescente preocupação empresarial com a responsabilidade social e a sustentabilidade. Em entrevista, diz que os grandes desafios da atualidade passam por incluir os mais desfavorecidos no sistema económico, porque isso criará valor, e defende que a ética tem de passar a ter um papel central no debate público.
“Este é o tempo da ideia do capitalismo de stakeholders”, garante.

A pandemia foi um ponto de viragem na perceção da interdependência entre os diferentes atores na vida de uma empresa, como defende na teoria do ‘stakeholder’?
Foi um ponto de viragem entre vários, como a crise financeira de 2008, para promover a ideia do capitalismo de stakeholders. Ainda não conhecemos todos os seus efeitos. Este tem sido um movimento gradual, ao longo dos anos.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Liberty lança canal de venda direta de seguros automóvel em Portugal

A Génesis by Liberty Seguros é a marca de seguro direto criada para o ramo automóvel, cerca de um ano depois de ter anunciado um investimento de 100 milhões de euros em tecnologia para operar o seu negócio na cloud pública.

Ricciardi admite criar banco para para “regenerar o nome da família Espírito Santo” (com áudio)

“A família Espírito Santo era conhecida em todo o lado, o melhor nome da banca portuguesa foi destruído. Se conseguir começar a fazer a sua regeneração, para que as gerações seguintes o desenvolvam, partirei desta vida com a consciência tranquila de que fiz tudo o que podia”, disse Ricciardi ao “Público”.

Sonae IM investe em empresa de pagamentos norte-americana Citcon

O financiamento de 26 milhões de euros no qual esteve envolvida a empresa portuguesa foi liderado pela Norwest Venture Partners e pela Cota Capital, contando ainda com a Sierra Ventures – três sociedades de capital de risco dos Estados Unidos.
Comentários