Efacec promove ‘crowdsourcing’ para empreendedores

As propostas serão avaliadas por uma equipa multidisciplinar da empresa e as propostas escolhidas terão acesso a uma parceria a longo prazo, validação da solução, oportunidade de negócio sustentável e à experimentação, exposição e expansão junto da Efacec.

A Efacec está a promover o ‘crowdsourcing’ colaborativo para empreendedores através da nova plataforma Hop.in, tendo como objetivo a co-criação, nacional e internacional, de soluções nas áreas de energia, mobilidade e ambiente.

“A Efacec lança a Hop.in, a plataforma de inovação aberta (‘open innovation’) dirigida a empreendedores, ‘startups’, investigadores, PME [Pequenas e Médias Empresas], clientes, colaboradores, parceiros e a todos aqueles que têm como objetivo a co-criação de soluções nas áreas de energia, mobilidade e meio ambiente”, salienta um comunicado da empresa, acrescetando que “colaboração, diversidade e desafio permanente são os principais motores da nova plataforma hop.in abrindo o caminho para um futuro mais sustentável que combina as competências das equipas Efacec e dos seus parceiros estratégicos de modo que, juntos, se tornem mais ágeis e relevantes no ecossistema da inovação”.

As inscrições estão abertas até ao dia 30 de abril e os candidatos podem submeter as suas ideias para resolver os desafios propostos pela Efacec em https://hop-in.efacec.com/#challenges em quatro categorias diferentes: Lego Warehouse – Setting up a Configurable Warehouse, Smart Analytics Toolkit, All-in-One Vehicle Location System e SPADA – Space Data Analytics, nas áreas de logística, automação, transporte e espaço respetivamente.

“As propostas serão avaliadas por uma equipa multidisciplinar da Efacec e as propostas escolhidas terão acesso a uma parceria a longo prazo, validação da solução, oportunidade de negócio sustentável e à experimentação, exposição e expansão junto da Efacec. A Hop.in foi apresentada (…) ao mercado nacional e internacional num evento digital que contou com um painel de especialistas nas áreas de inovação, tecnologia e sustentabilidade”, assegura o referido comunicado.

Ângelo Ramalho, CEO da Efacec, destacou que “a Hop.in encoraja a sociedade civil, a pensar, a construir e a implementar o futuro da tecnologia e da inovação”.

“Porque acreditamos que individualmente, podemos sonhar com um amanhã melhor, mas juntos temos o poder de o construir! E sem limites. E é disso que trata o propósito da Efacec: conceber um futuro mais inteligente para uma vida melhor para nós e para as gerações vindouras”, sublinhou este responsável.

Sandra Pombo, diretora de marca e comunicação e Corporate Affairs Officer da Efacec, destacou a importância do propósito na liderança e gestão das organizações, nomeadamente em termos de impacto e para o alcance dos objetivos.

Por seu turno, Nuno Silva, CTO da Efacec, abordou a inovação e as soluções e sistemas de ponta que integram o quotidiano de milhões de pessoas em todo o mundo, e que respondem aos principais desafios da sociedade atual, nomeadamente a economia azul, a descarbonização e a digitalização, pilares estratégicos para o desenvolvimento de sociedades sustentáveis, sobre os quais a Efacec baseia toda a sua atividade.

 

Ler mais
Recomendadas

Depois da polémica com barragens, Governo anuncia investimentos de 90 milhões em Trás-os-Montes

O ministro do Ambiente anunciou investimentos – financiados pelo Orçamento do Estado, fundos europeus e Fundo Ambiental – para os 10 municípios transmontanos onde ficam localizadas as barragens vendidas pela EDP a um consórcio francês. Movimento Terras de Miranda tem exigido o pagamento de 110 milhões de euros por esta transação no valor de 2,2 mil milhões de euros.
Supremo Tribunal de Justiça

Supremo indemniza maquinista da MTS despedido após levar filha na cabina

Relação de Lisboa já tinha defendido que responsabilidades parentais do trabalhador divorciado se sobrepunham aos direitos da concessionária do metro de superfície em Almada e no Seixal. Segue-se cálculo do valor a pagar a quem foi despedido por nove faltas consideradas injustificadas.

20 maiores devedores do Novo Banco deixaram buraco de 1,26 mil milhões de euros

Prejuízo foi pago à entidade bancária pelos contribuintes com base no Acordo de Capitalização Contingente (ACC), entre 1 de julho de 2016 e o final de 2018.
Comentários