Efacec vai construir e operar a maior central solar de Moçambique

A central localizada no norte de Moçambique deverá entrar em produção até ao final deste ano.

A Efacec vai construir e operar a maior central solar fotovoltaica em Moçambique, anunciou a empresa esta quarta-feira, 15 de janeiro.

O contrato diz respeito à construção, operação e manutenção de uma central solar com 41 megawatts (MW), situada em Metoro no norte de Moçambique.

A central deverá entrar em produção até ao final deste ano, e vai ter a capacidade de produzir 68 gigawatts hora (GWh) por ano. A energia produzida vai ser vendida por através de um contrato de compra de energia (PPA) contratado com a empresa Eletricidade de Moçambique (EDM). O país tem como objetivo dar acesso a energia à totalidade da sua população até 2030.

“Será a central de energia solar de maior capacidade instalada em Moçambique até à data e um projeto emblemático para a Efacec, que opera em Moçambique há mais de 20 anos, reforçando assim a presença no mercado e na região”, pode-se ler no comunicado da empresa.

A companhia portuguesa tem 300 MW instalados em todo o mundo.

 

Ler mais
Recomendadas

Gabriela Figueiredo Dias reconduzida na presidência do Comité sobre Gestão de Ativos da ESMA

A presidente do Conselho de Administração da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) vai desta forma cumprir o segundo mandato. A nomeação foi feita pelo Conselho de Supervisores da ESMA, em Paris, França.

Tesla e Mercedes metem governo de Trump em tribunal por causa de tarifas aplicadas à China

Os processos deram entrada esta semana em Nova Iorque e visam acabar com as tarifas de 25% impostas a algumas peças automóveis produzidas na China, onde são compradas a preços mais baixos do que as produzidas na Europa ou nos EUA.

Preços do gás natural descem 2,2% a partir de outubro no mercado regulado

Esta redução implica menos 21 cêntimos por mês para um casal que paga em média 11,95 euros, e 47 cêntimos mensais para um casal com dois filhos com uma fatura média mensal de 22,61 euros. O mercado regulado conta com 254 mil consumidores.
Comentários