Efanor lança OPA sobre Sonae Indústria e Sonae Capital

Holding da família Azevedo lançou uma OPA sobre a Sonae Indústria, onde já controla 68,8% do capital da empresa, e uma OPA sobre a Sonae Capital, para adquirir os cerca de 37% que ainda não detém. O sucesso da operação está condicionado à aquisição de mais de 90% dos direitos de voto em ambas as empresas e o objetivo é retirar as duas cotadas da bolsa.

A Efanor Investimentos laçou uma Oferta Pública de Aquisição (OPA) sobre a Sonae Indústria e uma outra sobre a Sonae Capital. A holding da família Azevedo oferece 1,14 euros por ação no caso da Sonae Indústria e de 0,70 euros por ação na oferta sobre a Sonae Capital, de acordo com os anúncios preliminares enviados à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários, esta sexta-feira.

Desde 2014, com o aumento de capital da Sonae Indústria, que a Efanor controlava 68,8% do capital da empresa, lançando agora uma OPA sobre os 31,2% do capital que ainda não controla. A holding oferece 1,14 euros por ação, pagando um prémio de 77% em relação ao preço de negociação de 0,644 euros, no fecho da sessão de dia 30 de julho.

Já no anúncio sobre a OPA à Sonae Capital, da qual a holding da família Azevedo já controla 62,802% do capital social e 63,738% dos direitos de voto, oferece 0,70 euros por ação, pagando um prémio de 46,8% face ao preço de negociação de 0,477 euros, no fecho da sessão de dia 30 de julho.

O sucesso das duas operações ficará condicionado à aquisição de 90% do capital em cada uma das empresas. “A eficácia da Oferta ficará subordinada a que a Oferente passe a deter, em consequência de oferta pública de aquisição, mais de 90% dos direitos de voto”, informa a Efanor, nos dois anúncios preliminares, indicando que o objetivo será retirar da bolsa lisboeta quer a Sonae Indústria, quer a Sonae Capital.

As ações da Sonae Capital fecharam a sessão desta sexta-feira a subir 0,63% para 0,48 euros.

(Atualizado às 19h37)

Ler mais
Recomendadas

Assista agora à JE editors Talks: Energia Solar

Assista agora e conheça o potencial português na área da energia solar e saiba que importância esta terá no futuro do fornecimento de energia nacional.

Lucros do Grupo Crédito Agrícola caem 33% no primeiro semestre para 50 milhões de euros

As imparidades constituídas de 391 milhões de euros penalizaram o resultado líquido consolidado do Crédito Agrícola no primeiro semestre de 2020.

Regulador aprova alteração de marca da EDP Distribuição para E-REDES

Em comunicado, o regulador refere que a alteração da imagem e denominação da gestora das redes de distribuição de energia “será implementada de forma gradual, por forma a assegurar a neutralidade de custos para os consumidores de eletricidade”.
Comentários