El Economista: Empresas espanholas estudam entrada na Brisa. Negócio pode valer 1,5 mil milhões de euros

O jornal espanhol avança que a Abertis e a Globalvia estão a analisar o processo e que todas as empresas interessadas em adquirir a Brisa apresentam esta quinta-feira as ofertas não vinculativas para comprar 80% da empresa portuguesa.

Duas empresas espanholas, Aberties e Globalvia, estão de olho na empresa que concessiona as estradas portuguesas, avança o jornal espanhol ‘El Economista’. De acordo com o jornal, este negócio pode ficar fechado por 1.450 milhões de euros, tornando-se assim uma das maiores operações de infraestruturas da Europa.

Fontes do mercado em Espanha afirmaram ao jornal que os dois grupos estiveram a analisar o processo nas últimas semanas e que todas as empresas interessadas em adquirir a Brisa apresentam esta quinta-feira, 19 de dezembro, as ofertas não vinculativas para deter 80% da empresa portuguesa. É de lembrar que no passado mês de outubro, o grupo José de Mello e o fundo de investimento Arcus colocaram a empresa, que detinham há mais de 20 anos, à venda.

As duas empresas estiveram a trabalhar esta semana nas ofertas preliminares para a Brisa, segundo as fontes. Contactadas pelo El Economista, as companhias não quiseram fazer comentários.

De acordo com as fontes, a Globalvia já tinha dado como certo a apresentação de uma proposta, enquanto a Abertis ainda não tinha fechado se ia a jogo.

A empresa Abertis foi em tempos um acionista relevante na portuguesa Brisa. Durante uma década, a empresa esteve no capital da concessionária das estradas portuguesas, mas quando tentou alcançar uma posição de controlo na hierarquia, o grupo espanhol abdicou dos 15% que detinha, no âmbito da Oferta Pública de Aquisição (OPA). Agora, a multinacional espanhola volta a tentar a sua sorte no mercado português.

A Brisa gere 1.628 quilómetros de estrada em Portugal, que estão distribuídos por 17 auto-estradas, seis estradas nacionais e seis rotas adicionais. Além disso, a empresa portuguesa possui seis concessões (Brisa Concessão Rodoviária BCR, Atlântico, Litoral Oeste, Baixo Tejo, Brisal e Douro Litoral), e participação na Via Verde, M Call, Controlauto, A-to-Be, TIIC, Millennium, Rothschild e DriveNow.

Relacionadas

PremiumVenda da Brisa acentua domínio estrangeiro

Com a passagem do Grupo José de Mello a uma posição minoritária, todas as concessionárias passarão a ser controladas por grupos internacionais.
Recomendadas

Huawei já tem 91 contratos para fornecer tecnologia 5G pelo mundo

Apesar da pressão dos EUA sobre países aliados para excluírem a empresa chinesa da expansão das suas redes, 47 dos contratos assinados até agora foram feitos na Europa, 27 na Ásia e os restantes 17 em países não especificados.

Antonoaldo Neves: Quem vai pagar os prejuízos da TAP com a suspensão de 90 dias nos voos para a Venezuela?

A suspensão da TAP nos seus voos para a Venezuela representam prejuízos de pelo menos 10 milhões de euros, referiu o presidente executivo da TAP no final da conferência de imprensa de apresentação dos resultados de 2019.

Efacec assegura que “reúne todas as condições” para pagar salários e a fornecedores

Empresa afasta qualquer cenário de incumprimento, após Isabel dos Santos, que detém perto de 70% da Efacec, ter alertado hoje em comunicado de que o congelamento de contas das suas empresas se estende ao bloqueio de ordens de pagamento de salários, impostos a fornecedores e à Segurança Social.
Comentários