Eleições Moçambique: Candidato presidencial do MDM apela à transparência

O candidato presidencial do Movimento Democrático de Moçambique (MDM), terceira força parlamentar, Daviz Simango, exortou hoje os órgãos eleitorais a garantirem eleições transparentes e às Forças de Defesa e Segurança a absterem-se de atos de intimidação ao eleitorado.

Maputo, Moçambique

“É uma grande oportunidade para eles [órgãos eleitorais] terem orgulho de serem moçambicanos e uma das formas é criar condições para que estas eleições sejam transparentes, livres e justas”, declarou Daviz Simango, após votar na cidade da Beira, onde é autarca, pouco antes das 08:00 locais (menos uma hora em Lisboa).

O candidato à Presidência da República instou as Forças de Defesa e Segurança (FDS) moçambicanas a pautarem-se pela neutralidade, abstendo-se de atos “de intimidação”.

“Que as nossas Forças de Defesa e Segurança protejam o cidadão e não sejam o ator principal deste processo, porque este é um momento de festa”, instou Daviz Simango.

Os observadores nacionais e internacionais, prosseguiu, devem exercer o seu trabalho com justiça.

Um total de 13,1 milhões de eleitores moçambicanos são hoje chamados a escolher o Presidente da República, 250 deputados do parlamento e, pela primeira vez, dez governadores provinciais e respetivas assembleias.

As sextas eleições gerais de Moçambique contam com quatro candidatos presidenciais: o atual Presidente da República, Filipe Nyusi (Frente de Libertação de Moçambique – Frelimo), que concorre a um segundo mandato; o novo líder da Resistência Nacional Moçambicana (Renamo), Ossufo Momade; o líder do Movimento Democrático de Moçambique (MDM), Daviz Simango, e o candidato do partido extraparlamentar Ação do Movimento Unido para a Salvação Integral (AMUSI), Mário Albino, este último com uma campanha limitada a alguns pontos de Nampula, província do Norte.

Às eleições legislativas e provinciais apresentaram-se 26 partidos, mas só os três partidos com assento parlamentar no país (Frelimo, Renamo e MDM) concorrem nos 11 círculos eleitorais do território nacional, que se estende por 2.000 quilómetros, mais dois círculos da diáspora (África e resto do mundo).

Ler mais
Relacionadas

Eleições Moçambique: CNE fala de “muita participação” do eleitorado na primeira hora

O presidente da Comissão Nacional de Eleições (CNE) de Moçambique, Abdul Carimo, referiu que a primeira hora de votação nas eleições gerais de hoje registou “muita participação”, sem “grandes problemas”.

Moçambique: eleições de hoje marcadas pela violência

A convivência democrática não esteve presente ao longo da campanha eleitoral e ninguém consegue afirmar que o dia de hoje não siga esse roteiro. A FRELIMO deve manter o poder que se eterniza nas suas mãos desde a independência, em 1975.
Recomendadas

Muitas vezes ou sempre “justificáveis”. Italianos estão mais à vontade com atos racistas

Com base em 1.500 inquiridos, um estudo concluiu que existe “um relaxamento nas atitudes em relação ao racismo”. Resultados da pesquisa chegam depois de uma série de incidentes racistas e anti-semitas contra a senadora da Republica da Itália.

‘Impeachment’. Trump promete divulgar transcrição de outra chamada com presidente ucraniano

Trump avançou que divulgaria a transcrição esta terça-feira, descrevendo-a para os repórteres como “muito importante”. Ao que tudo indica, esta segunda chamada terá ocorrido depois da primeira que desencadeou o processo de destituição contra o presidente norte-americano.

Pneumonia: Várias regiões portuguesas com as taxas mais elevadas de mortalidade na Europa

Portugal encontra-se em destaque no mapa elaborado pelo Eurostat, com várias regiões portuguesas a registarem as taxas mais elevadas de mortalidade associadas à pneumonia em 2016.
Comentários