Eleições Moçambique: Candidato presidencial do MDM apela à transparência

O candidato presidencial do Movimento Democrático de Moçambique (MDM), terceira força parlamentar, Daviz Simango, exortou hoje os órgãos eleitorais a garantirem eleições transparentes e às Forças de Defesa e Segurança a absterem-se de atos de intimidação ao eleitorado.

Maputo, Moçambique

“É uma grande oportunidade para eles [órgãos eleitorais] terem orgulho de serem moçambicanos e uma das formas é criar condições para que estas eleições sejam transparentes, livres e justas”, declarou Daviz Simango, após votar na cidade da Beira, onde é autarca, pouco antes das 08:00 locais (menos uma hora em Lisboa).

O candidato à Presidência da República instou as Forças de Defesa e Segurança (FDS) moçambicanas a pautarem-se pela neutralidade, abstendo-se de atos “de intimidação”.

“Que as nossas Forças de Defesa e Segurança protejam o cidadão e não sejam o ator principal deste processo, porque este é um momento de festa”, instou Daviz Simango.

Os observadores nacionais e internacionais, prosseguiu, devem exercer o seu trabalho com justiça.

Um total de 13,1 milhões de eleitores moçambicanos são hoje chamados a escolher o Presidente da República, 250 deputados do parlamento e, pela primeira vez, dez governadores provinciais e respetivas assembleias.

As sextas eleições gerais de Moçambique contam com quatro candidatos presidenciais: o atual Presidente da República, Filipe Nyusi (Frente de Libertação de Moçambique – Frelimo), que concorre a um segundo mandato; o novo líder da Resistência Nacional Moçambicana (Renamo), Ossufo Momade; o líder do Movimento Democrático de Moçambique (MDM), Daviz Simango, e o candidato do partido extraparlamentar Ação do Movimento Unido para a Salvação Integral (AMUSI), Mário Albino, este último com uma campanha limitada a alguns pontos de Nampula, província do Norte.

Às eleições legislativas e provinciais apresentaram-se 26 partidos, mas só os três partidos com assento parlamentar no país (Frelimo, Renamo e MDM) concorrem nos 11 círculos eleitorais do território nacional, que se estende por 2.000 quilómetros, mais dois círculos da diáspora (África e resto do mundo).

Ler mais
Relacionadas

Eleições Moçambique: CNE fala de “muita participação” do eleitorado na primeira hora

O presidente da Comissão Nacional de Eleições (CNE) de Moçambique, Abdul Carimo, referiu que a primeira hora de votação nas eleições gerais de hoje registou “muita participação”, sem “grandes problemas”.

Moçambique: eleições de hoje marcadas pela violência

A convivência democrática não esteve presente ao longo da campanha eleitoral e ninguém consegue afirmar que o dia de hoje não siga esse roteiro. A FRELIMO deve manter o poder que se eterniza nas suas mãos desde a independência, em 1975.
Recomendadas

Bolívia: Alta Comissária da ONU para os Direitos Humanos contra o uso excessivo da força policial

A Alta Comissária da ONU para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, denunciou este sábado “o uso desnecessário e desproporcional da força” pela polícia e pelo exército” na Bolívia.

Mais de 200 mil pessoas em Praga contra primeiro-ministro, 30 anos após Revolução de Veludo

Mais de 200.000 checos, segundo a polícia, concentraram-se este sábado no centro de Praga para pedir a saída do primeiro-ministro acusado de corrupção, na véspera do 30.º aniversário da Revolução de Veludo que derrubou o comunismo na antiga Checoslováquia.

Turquia ativará sistema de mísseis russo, reitera Ancara

A Turquia utilizará os seus mísseis antiaéreos russos apesar das ameaças de sanções norte-americanas, declarou este sábado um responsável do Ministério da Defesa, dois dias após um encontro entre os presidentes norte-americano e turco.
Comentários