Eletricidade, a inflação verde

Aparentemente, a descarbonização feita com base nos incentivos atuais acabará por acentuar a desigualdade via inflação.

A presença de pressões inflacionistas na economia tem sido um tema central. Apontam-se como justificações principais a subida do preço do petróleo, combustíveis e outras matérias-primas, bem como as dificuldades logísticas ligadas à escassez de componentes e outros produtos intermédios. A alta nos fretes e constrangimentos em contratar num mercado de trabalho inundado de subsídios são outros fatores, aos quais se junta o disparo no consumo por parte de muitas famílias que acumularam poupança e estiveram impedidas de comprar.

Mas há um tema, certamente importante, que tem sido pouco falado: a subida dos preços da eletricidade. Depois de um mês de maio com as cotações mais altas desde pelo menos 2019, junho iniciou-se com nova subida no mercado OMIE. Nas duas primeiras semanas do mês, a cotação média fixou-se nos 82€/MWh, 14€ acima da cotação média de maio. Os preços em spot estão a mais do dobro de há um ano e os preços para fixação subiram mais de 50% no período homólogo.  A subida das cotações continua a ser impulsionada por um aumento do consumo, aliado a uma quebra da produção através de fontes renováveis. Este contexto, juntamente com a manutenção dos preços do CO2 e do gás natural em alta, não permite uma descida.

E é aqui que reside um aspeto que poderá passar despercebido. Os preços das licenças de emissões de CO2 têm desempenhado um papel decisivo nesta dinâmica. Pretende-se acelerar a descarbonização da economia, mas talvez se esteja a ir depressa demais, obrigando a que toda a economia suporte o custo dessa transição – primeiro as empresas e depois, inexoravelmente, os consumidores. E, como já tem sido demonstrado, a inflação é um “imposto oculto” que atinge particularmente os mais pobres. Aparentemente, a descarbonização feita com base nos incentivos atuais acabará por acentuar a desigualdade.

Recomendadas

Wall Street encerra ‘mista’ penalizada com números do emprego nos EUA

As empresas privadas nos Estados Unidos criaram 330 mil novos empregos, números que ficam aquém das expectativas dos analistas que, após reverem a previsão em baixa, apontavam para os 680 mil novos postos de trabalho. S&P 500 e Dow Jones fecham o dia no ‘vermelho’, enquanto o tecnológico Nasdaq encerra em terreno positivo.

PSI-20 contraria ganhos na Europa e fecha a perder 0,23%

O PSI 20 destoou da tendência europeia, onde os principais índices avançaram depois de dados animadores relativamente à recuperação económica europeia e colocaram o pan-europeu STOXX 600 em máximos históricos pelo terceiro dia consecutivo.

Levantamento de restrições e valorização da libra indicam recuperação do turismo britânico em Portugal

A fintech Ebury, especializada em pagamentos internacionais, diz que, tendo em conta a preferência dos portugueses por destinos de praia, os destinos mais vantajosos em termos cambiais são o Dubai (Emirados Árabes Unidos), as Caraíbas e Zanzibar, na Tanzânia.
Comentários