Elevada taxa de vacinação poderá evitar surgimento de novas variantes, sugere INSA

O microbiologista do Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge antecipa, no entanto, que em países com uma taxa de vacinação menor o surgimento de novas variantes sejas inevitável.

Entre 20 de agosto a 5 de setembro, foi registada uma prevalência da variante Delta na ordem dos 98% e os 100% em todo o país, explicou o especialista de saúde João Paulo Gomes, esta quinta-feira, durante uma reunião com especialistas e epidemiológicos no Infarmed.

Quantas às restantes variantes classificadas de preocupação, o microbiologista do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge (INSA) afirmou que a sua prevalência é residual.

De acordo com os dados recolhidos nos últimos meses, na semana de 10 a 25 de julho não foi detetado nenhum caso em Portugal da variante Beta, associada à África do Sul. Foi ainda detetado um caso da variante Gama, na semana de 30 de agosto a 5 de setembro, após três sem ser detetada. Além disso, houve também dois casos da variante Lamma, um em abril e outro em junho.

Quanto à variante Mu, mantêm-se os 24 casos registados em Portugal, entre 31 de maio e 31 de julho, em 17 distritos e 16 concelhos. “Não temos dúvidas que houve transmissão comunitária”, diz o especialista.

Apesar do país continuar a ser predominantemente afetado pela variante Delta, João Paulo Gomes não descarta a possibilidade de surgirem novas variantes no futuro. Durante a sua intervenção, o microbiologista anteviu que “caso ocorra a emergência de uma nova variante, muito dificilmente apresentará mutações diferentes”, embora haja a possibilidade de apresentar “uma combinação das mutações [já detetadas em Portugal]”.

No entanto, dado o ritmo acelerado da vacinação, que hoje indica que mais de 80% da população está totalmente vacinada e 85% aguarda pela segunda dose Portugal tem hoje uma maior imunidade e, por isso, “muito menos vírus em circulação e menos probabilidade de ocorrerem mutações” — um cenário que, infelizmente, lamenta, não se verifica no resto do mundo uma vez que a grande maioria ainda se encontra longe da maioria da população com a vacinação completa.

Recomendadas

PS insiste que negociações do Orçamento do Estado para 2022 devem continuar na especialidade

José Luís Carneiro reforçou a intenção do PS em “apreciar as propostas” dos parceiros, mas com o propósito de “encontrar os pontos de equilíbrio e de bom senso”, na última das audiências que o Presidente da República manteve com os partidos nesta sexta-feira.

Catarina Martins sinaliza que “só não há um OE se o Governo não quiser”

A líder bloquista exemplificou algumas das áreas nas quais quer ver avanços no documento de OE, como o SNS ou as “longas carreiras contributivas”, esclarecendo ainda que “não se prende por questões formais”, pretendendo apenas “redações exatas das leis”.

Pandemia com tendência crescente entre população acima dos 80 anos

Apesar de manter uma intensidade reduzida e incidência estável, o que resulta em baixa mortalidade e pressão nos serviços de saúde, a pandemia volta a dar sinais de crescimento em quase todas as regiões do país, com o R(t) a nível nacional a chegar a 1,00.
Comentários