Em apenas um dia, 2 mil milhões de toneladas de gelo derreteram na Gronelândia

A imagem foi tirada por um investigador dinamarquês. 712.000 quilómetros da superfície da Gronelândia derreteu a 12 de junho, o que representa cerca de 40% da área congelada daquela região.

DR Steffen M Olsen/Twitter

O Centro Nacional de Dados sobre Neve e Gelo dos Estados Unidos revelou que mais de 40% da Gronelândia derreteu na passada quinta-feira – aproximadamente 712 mil quilómetros da superfície –, o que representa uma perda de 2 mil milhões de toneladas de gelo.

A prova está nesta fotografia, tirada por um climatólogo dinamarquês, Steffen M. Olsen, que rapidamente se tornou viral. Segundo o investigador, a imagem documenta um “dia atípico” e frisa que a imagem é “mais simbólica do que científica para muitos”.

Ao partilhar a imagem no Twitter, Steffen Olsen alertou para a necessidade de uma “previsão mais apurada no Ártico” dado a existência destes “eventos extremos, neste caso a inundação pelo início abrupto do derretimento da superfície”.

A situação é altamente invulgar para o mês de junho, escreve o “The Guardian“, dado que a maioria do degelo se dá normalmente em julho. Tal pode indicar que, este ano, a Gronelândia obtenha novos recordes de gelo derretido.

Jason Box, um climatólogo no Serviço Geológico da Dinamarca e da Gronelândia, previu que 2019 seria “o maior ano de degelo para a Gronelândia”. E relembrou que, este ano, já se verificou um degelo anormal em abril, o que significa que a época de degelo “está a acontecer três semanas mais cedo do que a média, e mais cedo do que o recorde de degelo do ano de 2012”.

Ler mais
Relacionadas

Contra as alterações climáticas e em defesa do planeta. António Guterres é capa da “Time”

De fato e com água até aos joelhos, António Guterres é capa da revista norte-americana Time. A edição dedicada à luta contra as alterações climáticas chega às bancas na próxima semana.

Extinção de plantas atingiu proporções “assustadoras”, alertam cientistas

Os resultados de um relatório publicado na “Nature”, o primeiro realizado à escala global, calcula que 571 espécies desapareceram desde 1750.

“É urgente agir”. Perda catastrófica de biodiversidade ameaça humanidade, alerta ONU

Este é o aviso que cerca de 400 cientistas fazem no mais completo e atualizado relatório dos últimos três anos sobre a biodiversidade. “É urgente agir”, dizem cientistas.
Recomendadas

Como manter a casa fresca com este calor abrasador?

Na rua, opte por vestir roupas leves e frescas, evite esforço físico e hidrate-se bem. Em casa, feche portas e janelas, corra os estores, persianas ou use toldos durante os períodos de maior calor.

Madrid vai parecer Marraquexe e Londres vai ter o clima de Barcelona. Como vamos viver em 2050?

As zonas temperadas ou frias do hemisfério norte vão ter temperaturas de cidades mais próximas do equador, sendo que estas mudanças climáticas vão apresentar efeitos prejudiciais à saúde e às infraestruturas.

Sede da UNESCO vai ter uma horta portuguesa

Ainda não há uma data definida para a implantação do projeto, mas estima-se que até ao final de 2019 a grande horta urbana, com assinatura portuguesa, da sede da UNESCO esteja já em fase de cultura.
Comentários