Novo Banco com prejuízos de 555,3 milhões. Até junho, estima pedir 176 milhões ao Fundo de Resolução

O banco ‘legacy’, que é o banco mau, teve perdas de 493,7 milhões de euros e, em face destas, o Novo Banco estima pedir, até junho uma injeção de capital de 176 milhões de euros ao abrigo do mecanismo de capital contingente (CCA), ao Fundo de Resolução.

Cristina Bernardo

O Novo Banco teve um prejuízo de 555,3 milhões de euros no primeiro semestre de 2020, anunciou esta sexta-feira a instituição financeira liderada por António Ramalho. Face ao primeiro semestre de 2019, agravou as perdas em cerca de 39%.

O banco ‘legacy’, que é o banco mau, teve perdas de 493,7 milhões de euros e, em face destas, o Novo Banco estima pedir, até junho uma injeção de capital de 176 milhões de euros ao abrigo do mecanismo de capital contingente (CCA), ao Fundo de Resolução.

“O Novo Banco continua a cumprir com o seu plano estratégico, objetivos e compromissos assumidos pelo Governo Português com a DGComp. Neste período, o Banco continuou a evidenciar progressos nas suas prioridades estratégicas, com resultados positivos no produto bancário comercial recorrente, não obstante os já visíveis efeitos da pandemia COVID-19. Na atividade legacy prosseguiu-se com a estratégia de redução dos ativos não produtivos”, refere a instituição financeira.

O Novo Banco registou imparidades adicionais em face dos riscos inerentes à pandemia de Covid-19 de 138,3 milhões.

A par das imparidades, o resultado semestre é justificado ainda pelas perdas de 260,6 milhões de euros com a reavaliação de fundos de reestruturação, de 78,7 milhões relativos com a cobertura de risco de taxa de juro de títulos de dívida pública portuguesa e ainda por causa da provisão de 26,9 milhões para a reestruturação do banco.

O Jornal Económico sabe que o Novo Banco pretende classificar os fundos de reestruturação e vender estes ativos no mercado, que estão cobertos a 80% pelo mecanismo de capital contingente.

A avaliação ao fair value dos fundos de reestruturação surge após notificação do Banco Central Europeu, em 2018, para que o Novo Banco realizasse essa avaliação independente, que ficou a cargo da Alvarez& Marschal, que desenhou o plano de redução de NPL do banco em 2016.

Foi o relatório da Alvarez& Marschal que levou o Novo Banco a registar de forma provisória os 260 milhões de euros.

No Novo Banco ‘recorrente’, que é o banco bom, o resultado líquido no semestre ascendeu a 34 milhões de euros, o que se traduz numa quebra homóloga de 70%. Este resultado deve-se à contração do resultado operacional, que contraiu 45,6% em termos homólogos para 132,4 milhões de euros.

O produto bancário comercial, isto é, as receitas com a margem financeira e comissões, estabilizou nos 387,8 milhões de euros. Mas o produto bancário, isto é, incluindo os resultados de operações financeiras e outros resultados de exploração, caiu 55,9%, para 358 milhões de euros.

A carteira de crédito atingiu os 24.380 milhões de euros, isto é, um crescimento de 2,7% face a junho de 2019, impulsionada pelo crescimento de 5,8% do crédito a empresas.

O crédito malparado caiu 2,6% em doze meses para 921 milhões de euros. O Novo Banco constituiu imparidades no montante de 674 milhões de euros, isto é, um aumento de 4,6% face a junho de 2019.

O rácio de NPL melhorou de 5,6% em junho de 2019 para 3,3% em junho de 2020. O rácio de cobertura de NPL fixou-se nos 73,3%.

No consolidado, procedeu ao reforço das provisões no montante de 351,3 milhões de euros, das quais 289,5 milhões foram para crédito. Além disso, o Novo Banco referiu que “o abrandamento económico resultante da evolução da crise económica, levou inevitavelmente ao agravemento do custo do risco, tendo as imparidades para riscos de crédito sido reforçadas em 138,3 milhões (…) antecipando-se as perdas relacionadas especificamente com a pandemia Covid-19”. O banco alerta ainda que “é esperado que o nível de provisionamento se mantenha elevado nos próximos trimestres”.

Ainda no consolidado, a redução do crédito vencido há mais de 90 dias e do crédito não produtivo (incluindo disponibilidades e aplicações em instituições de crédito) conduziu à melhoria dos rácios de sinistralidade que se situaram, respetivamente, em 3,7% e 10,2% em 30 de junho de 2020 (4,0% e 11,8% em 31 de dezembro de 2019).

A cobertura por imparidades do crédito não produtivo (incluindo disponibilidades e aplicações em instituições de crédito) situou-se em 62,8% (mais 6,6 p.p. face a dezembro de 2019). A imparidade para crédito totalizou 1,9 mil milhões de euros, representando 6,9% do total da carteira de crédito.

(atualizada com mais informação)

Ler mais
Relacionadas

Novo Banco com prejuízos de 179 milhões em tempo de pandemia, agrava 92,3%

Os resultados do Novo Banco no 1º trimestre de 2020 foram condicionados por um agravamento do custo do risco de crédito, tendo as imparidades sido reforçadas adicionalmente em 69,7 milhões, sendo que o banco espera que o nível de provisionamento se mantenha elevado nos próximos trimestres. Mas também pela desvalorização dos mercados financeiros. António Ramalho destaca o aumento das receitas core em 20% em linha com o exigido por Bruxelas.

Novo Banco regista prejuízos de 1.059 milhões de euros em 2019

Banco liderado por António Ramalho apresentou prejuízos de 1.059 milhões de euros em 2019.

António Ramalho admite reduzir 1,7 mil milhões de NPL para atingir rácio de 5%

Prioridade da administração do banco é limpar o balanço em 2020. Ramalho disse que o banco está “a dar a volta ao Cabo da Boa Esperança em 2020”, e já não está “no Cabo das Tormentas”. O CEO quer o turnaround do banco em 2020.
Recomendadas

871 mil milhões de euros. Portugal é o terceiro país da UE que deu mais moratórias

A Autoridade Bancária Europeia alertou para o “inevitável” aumento do malparado na Europa por causa da Covid-19. Banca portuguesa terá de saber lidar com o problema em momentos diferentes porque a maturidade do crédito abrangido por moratórias tem maturidades distintas.

Crédit Agricole quer ser o sétimo banco em Itália e lança OPA sobre Credito Valtellinese

O Crédit Agricole Italia, controlado pelo Crédit Agricole, lançou uma oferta pública de aquisição sobre a totalidade do capital italiano Credito Valtellinese, no valor de 737 milhões de euros. Tornar-se-á no sétimo maior banco em Itália por ativos.

Seguradoras com agravamento significativo do custo dos sinistros por causa da Covid

A APS destaca ainda a redução da produção de seguros, em especial no ramo Vida que atinge mais de 40%, salientando que esta é “uma tendência global, que começa a evidenciar-se a nível nacional, um cenário que deverá agravar-se ao longo do próximo ano”.
Comentários