Angola pede mais 740 milhões de dólares ao FMI

Crise provocada pela pandemia e queda do preço do petróleo leva Angola a pedir mais financiamento ao Fundo Monetário Internacional. Se o pedido for aprovado, a dívida angola à instituição presidida por Kristalina Georgieva irá ser o equivalente a 6,2% do PIB angolano.

O Governo angolano pediu mais 740 milhões de dólares de ajuda financeira ao Fundo Monetário Internacional (FMI), assim como uma moratória no pagamento da dívida deste ano, noticia o jornal Expansão na edição desta sexta-feira.

De acordo com o jornal angolano, que teve acesso ao relatório sobre a terceira avaliação do FMI ao cumprimento do programa de assistência financeira, o pedido que acresce aos 3.700 milhões de dólares já acordados é justificado pela quebra da receita, como consequência da crise provocada pela pandemia e da queda do preço do petróleo.

Angola pede assim mais 3.821 milhões de dólares para este ano e mais 2.899 milhões de euros em 2021. Segundo o Expansão, os montantes pedidos para 2020 irão obrigar a uma renegociação da dívida com os credores, nomeadamente 2.591 milhões de dólares.

O pedido irá ser avaliado pelo FMI a 30 de julho, mas o relatório recomenda uma aprovação do mesmo por considerar que o país mantém a capacidade de reembolso. Se o reforço tiver ‘luz verde’, a dívida de Angola ao FMI irá ser o equivalente a 6,2% do PIB angolano.

Recomendadas
trump e pence

Organização Trump tem extensa e prolongada conduta criminosa, concluem procuradores

Os advogados do Presidente norte-americano tinham considerado no mês passado que a intimação judicial para a entrega das declarações fiscais tinha sido feita com má-fé e era uma manifestação de assédio a Trump.

França suspende acordo de extradição com Hong Kong seguindo decisão de outros países

“À luz dos últimos desenvolvimentos, a França não procederá à ratificação do acordo de extradição assinado a 04 de maio de 2017 entre a França e a Região Administrativa Especial de Hong Kong”, declarou a porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros francês.

Rei emérito Juan Carlos I vai abandonar Espanha

O envolvimento do rei emérito em negócios pouco recomendáveis e a existência de duas fundações suspeitas impedem Juan Carlos de continuar em Espanha. O filho, Filipe VI, já se tinha distanciado de Juan Carlos, na tentativa de conter os estragos provocados à monarquia.
Comentários