Empreendedores utilizam ozono para eliminar vírus de carros, quartos de hotel e empresas

“Estás no escritório. Às 18h00, quando todos saírem, ligas o gerador e vais-te embora. Desliga-se automaticamente depois da desinfeção. No dia a seguir, o espaço está desinfetado e estéril a vírus”, explica Diogo Mocho, fundador da Safeway.

O trio de empresários e investidores composto por Diogo Mocho, Tocha e José Serra encontrou no ozono uma oportunidade de conter a pandemia e garantir a segurança em supermercados, hotéis, restaurantes e empresas. Os empreendedores – que já conheciam através da sociedade de capital de risco Olisipo Way – juntaram-se no início deste ano e criaram a startup Safeway para comercializar geradores de ozono e vaporizadores de água ozonizada como alternativas aos desinfetantes químicos que são, por vezes, prejudiciais à saúde.

Oito meses depois de ter sido criada, a empresa está hoje a vender para os Estados Unidos, Reino Unido, Espanha, África do Sul, Canadá, Suécia e Qatar. O Jornal Económico falou com um dos fundadores para perceber como as empresas e famílias podem higienizar os espaços com ozono e conhecer também os riscos que pode ter se pessoas ou animais estiverem no local durante a desinfeção.

Como é que começaram os estudos científicos que levaram à criação desta empresa?

O Tocha tem uma relação de mais de uma década com a China e nós vimos que esta pandemia não só ia chegar à Europa com força, como chegou, como acreditámos que fosse algo passageiro. Dominamos tecnologia, temos know-how de produto e engenharia e quisemos fazer algo para ajudar o tecido empresarial português, das grandes empresas às pequenas. Comprometemo-nos sempre com dois vértices: segurança e eficácia. Enquanto ainda estávamos a fazer o design de conceção do produto e a engenharia por trás, associámo-nos à Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, especificamente com o Centro de Testes Covid-19, porque estavam autorizados a manipular o SARS-CoV-2. Depois dos primeiros protótipos fizemos testes e atingimos uma eficácia de 98% na inativação do vírus. Não foram testes de uma hora num laboratório. Há três fases, que incluem parte teórica e investigação. Os resultados dos testes saíram em setembro e vendo-os e vendo o panorama [situação epidemiológica] a piorar começámos a dar a conhecer o produto. E não nos definimos como uma startup, porque não queremos entrar rondas de investimentos, mas sim financiarmo-nos com as vendas.

O que motivou a escolha do ozono?

Começámos por fazer uma análise extensa daquilo que havia no mercado. E o que havia? Soluções aquosas de desinfeção à base de químicos, uma concentração de lixivia, água oxigenada, cloro – ou altamente prejudiciais à saúde humana ou tão diluídos em água que não chegavam a ser eficazes. Pensámos, estudámos com muita incisão e chegámos a uma conclusão: o ozono, além de ser um gás presente na atmosfera, não é um gás saudável para ser diretamente projetado na cara, mas era uma substância utilizada há décadas em salas de cirurgia. Segundo os dados da OMS, da EPA (Environmental Protection Agency) e da FDA (Food and Drug Administration), o ozono é um gás 3.200 vezes mais eficaz a atuar sobre bactérias do que qualquer outro reagente à nossa disponibilidade, como o hipoclorito de sódio, que traduzimos por lixívia. E tem uma grande vantagem económica sobre os outros produtos de que falei: não tem consumíveis além de água e eletricidade.

Porque é que o gerador de ozono é aquele que está a ter maior adesão?

Portugal, o nosso mercado, não está ainda preparado – principalmente com as quebras de faturação – que o “Cabin” ou o “Tunnel” requerem. Apesar de serem produtos com baixos níveis de consumíveis, porque no fundo basta encher um depósito de água ligado à eletricidade, não há muitas empresas no país a poderem fazer esse investimento as we speak. Já o “Places”, que usa ozono enquanto gás, está a ter muito sucesso – e é um ótimo sinal de que as empresas não estão a fechar. Não é para se utilizar com pessoas dentro do espaço. Por exemplo, estás no escritório, às 18h00 quando todos saírem, ligas o “Safeway Places” e vais-te embora, porque ele desliga-se automaticamente depois da desinfeção. No dia a seguir, o espaço está desinfetado e estéril a vírus.

Quando tempo demora esse processo?

Por exemplo, temos alguns alojamentos locais e hotéis a utilizarem a nossa solução e rent-a-cars e stands (há marcas a oferecerem este serviço). Em média, um quarto e um carro demoram cinco minutos cada. Num escritório de 20 metros quadrados demorará cerca de 15 minutos. Temos as tabelas todas feitas, revistas pela faculdade, consoante o débito das nossas máquinas. O gerador atua durante X tempo e depois tem tempo de segurança de Y. Aí é que não se pode entrar no espaço. No caso de um quarto de hotel são entre 45 minutos a 1 hora em que o hóspede não pode entrar.

Quais são os riscos se entrarem?

Se for uma carga de ozono tremenda, que não é o caso, pode ter sintomas como comichões na pele e problemas respiratórios, se for uma pessoa com antecedentes de asma. Não morre de abrir a porta e respirar aquilo um ou dois segundos. Temos um manual do utilizador onde advertimos para não entrar no espaço e aconselhamentos a terem um medidor de qualidade do ar. Nós também levantámos essa questão. Do género: “Ok, estamos a fazer tudo certo, mas e se alguém decide entrar ou tem essa ideia?”. Por isso, associámo-nos à SGS, a principal empresa certificadora no mundo.

A Safeway criou três equipamentos – o Places, o Cabin e o Tunnel – que estão a ser distribuídos pela Altice Empresas em Portugal. Em que diferem?

O Safeway Places tem uma altura de 17cm, 29cm de comprimento, 21cm de largura e pesa menos de quatro quilos e meio. É um gerador que atua durante o tempo necessário à eliminação do vírus no espaço em que se encontra, uma vez que quanto maior o espaço, mais tempo deve estar ligado. É programável para evitar a presença de pessoas e animais no espaço – cerca de 400 euros

O Safeway Cabin foi criado para grandes empresas e é composto por uma cabine robusta própria para edifícios e higieniza e desinfeta quem por lá passa. Antes é medida a temperatura e solicitada a desinfeção das mãos para maior eficácia (uma vez que as mãos estão muitas vezes resguardadas e não disponíveis à desinfeção por vapor). Este processo demora 15 segundos. Em média, por minuto, desinfeta quatro pessoas através de uma micropulverização com água ozonizada (que não é prejudicial à pele e não molha a roupa) – 10 mil euros

O Safeway Tunnel foi concebido para espaços exteriores, hospitais, superfícies de retalho e eventos, onde se verifique um fluxo massivo de pessoas pois tem a capacidade de higienizar e desinfetar simultaneamente até três pessoas em menos de 15 segundos, e até 750 pessoas por hora. Neste aparelho, também é medida a temperatura e solicitada a desinfeção das mãos – 7,5 mil euros

Ler mais
Recomendadas

“Sobreviver a Pão e Água”. “Centenas” de membros do movimento dispostos a regressar à greve de fome se Governo não aprovar medidas exigidas

Movimento diz que Governo disse que iria apresentar em breve várias das medidas por si exigidas. Se até dia 11 de dezembro, não apresentar as restantes medidas ameaçam que com o regresso à greve de fome em frente ao Parlamento e por todo o país, com “mais de uma centena de pessoas”.

Sindicato denuncia que Ryanair se prepara para despedir 23 tripulantes no Porto enquanto abre processo de recrutamento

O SNPVAC denuncia que, ao mesmo tempo que a companhia aérea avança para o despedimento coletivo, já está a realizar cursos para novos tripulantes “violando grosseiramente o Código de Trabalho”, segundo o sindicato.

Costa adia anúncio de medidas de apoio para as rendas do comércio e da restauração

A 21 de novembro, o primeiro-ministro anunciou que as medidas de apoio para as rendas de lojas e restaurantes seria anunciada nos dias seguintes. Passados 15 dias, o Governo ainda não anunciou os apoios e adiou para a próxima semana.
Comentários