Empreendedorismo fora dos grandes centros? Sim, é possível

Devemos ser justos e trabalhar Portugal como marca única e país por inteiro, ao invés de marginalizar certas cidades, tratando até algumas capitais de distrito como se fossem desconhecidas.

O empreendedorismo não tem nem deve ser uma tendência exclusiva às maiores cidades do país. Infelizmente, é o que se tem vindo a assumir: o público associa o empreendedorismo a Lisboa, Porto, e talvez Braga. Mas quem concebe e desenvolve as ideias que originam grandes negócios são as pessoas, não o local onde elas nasceram. O que faz o empreendedorismo são as pessoas que investem o seu tempo e dinheiro, que arriscam com uma atitude extremamente otimista, porque o seu sucesso apenas depende da sua capacidade de superação e força de vontade.

Eu acredito. Por isso trabalho para lutar contra esta tendência. Para que ela tenha cada vez menos impacto e visibilidade. Felizmente não sou caso único. Existem vários outros players que atuam no nosso mercado para minimizar cada vez mais a ‘sombra’ que as grandes cidades causam a locais que têm tanta ou mais inovação, uma capacidade de receber melhor, impactar mais e, inclusive, sediar mais atenções pela diferenciação que as próprias capitais nacionais. Devemos valorizar o empreendedorismo e as pessoas que o suportam. Devemos ser justos ao ponto de trabalhar Portugal como marca única e país por inteiro, ao invés de marginalizar certas cidades, tratando até algumas capitais de distrito como se fossem desconhecidas.

Devemos lembrar-nos da história do empreendedorismo em Portugal. Quantas empresas familiares se tornaram autênticas forças motoras da economia do nosso país? Temos um grande exemplo disso através da pessoa que é atualmente o Presidente da ANJE, mas que desempenha um papel importante seguindo a pisada familiar, liderando o Grupo A. Silva Matos, um dos maiores grupos empresariais do país. Simplesmente, hoje em dia, estas empresas cederam o seu lugar para abraçarem um novo desafio: as exportações, e assim têm posicionado Portugal como país líder mundial em vários setores.

Hoje em dia, preferimos falar de tendências com mais sex-appeal, falamos menos de produtos e mais de tecnologias – medtech, fintech, agrotech e afins. Mas aquilo que leva uma startup a tornar-se uma Google e um negócio familiar num líder do seu mercado são, em grande parte, as mesmas capacidades, e são as mesmas capacidades de sempre.

Ter conseguido que o primeiro evento do TheNetwork, em S. João da Madeira, contasse com personalidades do setor industrial e do ecossistema empreendedor, gurus nacionais e internacionais, é a prova de que se reconhece o valor das ideias nas pessoas que as concebem e não nos locais, sejam eles mais próximos ou mais distantes. São João da Madeira, pertencente ao distrito de Aveiro, tem apenas 7 km2 mas vai contar com a experiência do CEO da Trivago, com a inovação da fundadora da Hydroswarm, e com capital para investimento de Business Angels e Venture Capitalists internacionais. Este evento, direcionado para o investimento, empreendedorismo e indústria, terá lugar nos dias 26 e 27 de Setembro, e será apenas o primeiro.

O nosso objetivo, para o futuro, é escalar e dimensionar este evento a nível nacional, para criar e estreitar relações entre os órgãos públicos, centros de incubação e aceleração locais, indústria, startups, com as pessoas que os fazem crescer e evoluir, sejam eles investidores, governo, empreendedores experientes ou imprensa. A eles, aos seus negócios e, por acréscimo, às cidades onde estão sediados e onde foram criados.

Recomendadas

Inacreditável mas verdadeiro

Boris Johnson inaugurou uma nova era em que não são os assessores sacrificados para salvar os ministros, mas o contrário.

Soberanos do tempo (10)

É fundamental dar espaço e tempo ao tempo, para que este aconteça sem imposições prévias e direções pré-estabelecidas. Uma política do tempo não deverá recuar ao primeiro obstáculo.

Esta opinião só tem dois recados

Ninguém gosta de ser chamado de moço ou moça de recados, nem de ver manchada a reputação de independência.
Comentários