Empresa de cosméticos Avon sofre ataque informático

As operações foram parcialmente atingidas, de acordo com a multinacional brasileira Natura & Co.

A empresa de cosméticos brasileira Natura & Co disse esta terça-feira que a sua subsidiária Avon sofreu um ataque informático que interrompeu alguns dos sistemas internos e acabou por atingir parcialmente as suas operações.

“A Avon está a avaliar a extensão desse incidente e a trabalhar nas diligências para mitigar os efeitos, fazendo todos os esforços para normalizar as operações”, explicou a multinacional fundada por António Luiz Seabra num documento enviado ao regulador dos mercados e divulgado pela agência “Reuters”.

A Natura, que não apresentou detalhes sobre a abrangência desse incidente cibernético, tornou-se em maio de 2019 no quarto maior grupo mundial dedicado exclusivamente à beleza depois de anunciar a aquisição da concorrente norte-americana Avon Products.

“A combinação entre Avon, Natura, The Body Shop e Aesop amplia significativamente o alcance do grupo multicanal e multimarcas, que ocupará a liderança na relação direta com o consumidor, levando beleza para mais de 200 milhões de consumidoras no mundo todo, a qualquer hora, em qualquer lugar, todos os dias, por meio de vários canais, pontos de contato e marcas icónicas”, explicou o grupo em comunicado publicado aquando da conclusão do negócio.

Em janeiro, quase um ano depois, a empresa aumentou o total de sinergias esperadas para a compra para entre 300 milhões de dólares e 400 milhões de dólares por ano, mas os custos associados acabaram por penalizar os resultados no primeiro trimestre.

Recomendadas

Responsabilidades do BES para com o Fundo de Pensões dos administradores vão ser extintas

A ASF autorizou a extinção das responsabilidades com pensões do ex-administradores executivos do BES.

Vendas do dono do Minipreço cresceram 6,3% no segundo trimestre de 2020

As vendas comparáveis (‘like-for-like’) do grupo de distribuição que opera em Portugal, Espanha, Brasil e Argentina registou um aumento de 14,9% no período em análise face ao segundo trimestre de 2019, “com todos os mercados positivos pela primeira vez desde o 4º trimestre de 2016”.

BES e ESFG em disputa judicial pela ES Health Care Investment

A ESFG e o BES arrastam um processo judicial de disputa pela participação de 17,74% na Espírito Santo Health Care Investment e os dividendos que esta distribuiu ao BES no valor de 9,23 milhões. Mais recentemente a ESFG impugnou a lista de credores reconhecidos pelo BES, junto do Tribunal do Comércio, por não estar lá reconhecido o seu direito a esses ativos, o que o BES ainda vai contestar.
Comentários