Empresa imobiliária de Warren Buffett entra no mercado português aliando-se à Portugal Property

A Berkshire Hathaway HomeServices entra esta sexta-feira no mercado português através da parceria com a corretora imobiliária nacional, passando a designar-se Berkshire Hathaway HomeServices Portugal Property.

Carlos Barria/Reuters

A Berkshire Hathaway HomeServices, empresa imobiliária do multimilionário Warren Buffett fez esta sexta-feira, 4 de outubro a sua entrada oficial no mercado português. Para tal, estabeleceu uma parceria com a Portugal Property, corretora imobiliária que analisa o volume de vendas e número de escritórios.

A rede Berkshire Hathaway HomeServices gerou cerca de 113,5 mil milhões de euros em volume de vendas no ano passado.

Fundada em 2008 pelo CEO Michael Vincent, a Portugal Property conta com sete escritórios em Lisboa, no Porto e no Algarve. A empresa e os seus 43 agentes foram responsáveis por um volume de quase 90,5 milhões de euros em 2018.

Gino Blefari, presidente do Conselho de Administração da Berkshire Hathaway HomeServices, reconhece que “Portugal é um país essencial na nossa estratégia de expansão global”, dado que “a economia portuguesa tem vindo a responder assertivamente ao cenário global desfavorável e o mercado imobiliário do país não para de crescer”.

Por sua vez, Michael Vicent, espera duplicar o número de corretoras durante os próximos cincos anos, e como tal acredita que “a marca Berkshire Hathaway HomeServices nos vai ajudar a ter acesso a novos mercados e a um maior número dos mais influentes investidores em imobiliário a nível mundial que estão cada vez mais atraídos por Portugal”.

Recomendadas

PremiumHostmaker: “Se matarem o alojamento local vão ter que o reativar”

David Costa, executivo da empresa em Lisboa, critica as medidas que o Estado pretende introduzir no setor no Orçamento do Estado para 2020: “O alojamento local tem custos bastante superiores ao alojamento tradicional”.

ASAE instaura 327 processos a estabelecimentos de Alojamento Local e empreendimentos turísticos

A falta de afixação da placa identificativa do alojamento local ou da classificação do empreendimento turístico e a oferta de serviços de AL por parte de estabelecimentos sem registo ou com registo desatualizado estão entre as principais infrações contraordenacionais detetadas.

Mercado de escritórios em Lisboa encerra 2019 com quebra de 6%

No último mês do ano, a ocupação de escritórios em Lisboa atingiu os 22.008 mil m2, num crescimento de 87% face ao mês anterior e de 44% em relação ao período homólogo, segundo o Office Flashpoint da consultora JLL.
Comentários